facebook
04/05/2021

Professores de São Mateus do Sul e de Rio Azul se reinventam nas aulas on-line para melhorar o aprendizado

Para motivar os alunos a acompanharem as aulas remotas, em São Mateus do Sul uma professora deu aula por vídeo-chamada dentro de um bote no rio, e em Rio Azul, dois professores criaram os personagens “Os cumpadi”

Professores de São Mateus do Sul e de Rio Azul se reinventam nas aulas on-line para melhorar o aprendizado

As aulas presenciais da rede pública de ensino do Paraná estão suspensas desde o dia 20 de março de 2020, ou seja, há mais de um ano professores, alunos e pais estão tendo que se adaptar às aulas remotas devido à pandemia. Professores relatam que o interesse dos alunos vem diminuindo nesta modalidade de ensino e por isso alguns buscam inovar. Mas, à distância, será que é possível fazer isso?

A professora Claudia Niziol Oliveira, de São Mateus do Sul, é um exemplo que aulas mais dinâmicas podem ser ministradas. Ela decidiu dar aula para o curso Técnico em Meio Ambiente de dentro de um bote, no rio Taquaral, porque os alunos estavam desmotivados. Segundo ela, vários estudantes não participavam mais, outros reclamavam da falta de aprendizado. “São muitas as reclamações, por isso pensei em fazer aulas diferentes, algo que atraísse eles”, conta.

Outro exemplo de criatividade para chamar a atenção dos alunos vem de Rio Azul, onde os professores Adão José Amorim e Marcos Duda criaram os personagens “Os Cumpadi” para interagir com os estudantes. Eles atuam na Escola Rural Municipal Santo Antônio, localizada na comunidade Barra da Cachoeira, interior de Rio Azul e contam que a proposta surgiu da necessidade de cativar os alunos e aproximá-los da escola mesmo durante a pandemia.

Os “Cumpadi” são os próprios professores que agem como se fossem alunos da escola, fazem as atividades e incentivam a estudar. Como os personagens surgiram em época de festa Junina, eles são caipiras que agem com humor e diversão.  Cada aluno fez sua festa Junina em casa com os pais e aconteceu a “Quadrilha Virtual”, em que os professores montaram vídeos com intuito de aproximar todos. Segundo os professores, a continuidade dos personagens se deu porque, na época, a interação dos alunos que enviaram fotos e vídeos foi tão intensa que um vídeo só não daria conta de todo o material.

E o contato continua. Segundo eles, cerca de 80% dos pais enviam fotos e vídeos dos filhos participando das aulas. Alguns não enviam por conta de falta de recursos tecnológicos. Por residirem no interior, alguns ainda não possuem internet ou celular.

Por que aula no rio?

O conteúdo que estava sendo ensinado era sobre Gestão e Recursos Naturais, e os alunos de Claudia não conheciam o rio Taquaral, que abastece o município de São Mateus do Sul. Ela decidiu fazer uma surpresa, utilizando o bote da família e com ajuda do esposo, fez uma aula por vídeo chamada mostrando o percurso do rio. Os alunos puderam ver a mata ciliar, a cor da água, o fato de ter casas ao redor do rio, que de alguma forma acaba poluindo com lixo, outras residências com esgoto a céu aberto, que vai para o rio. Segundo a professora, a partir dessas observações foi possível trabalhar muitos temas durante a aula.

A recepção dos alunos surpreendeu a docente, a quantidade de alunos assistindo e interagindo mudou deforma radical. “Agora, a cada aula eles me perguntam onde que eu vou. Notei que mudou bastante a participação deles, estão bem felizes e realizados nessas disciplinas. Acredito que a gente precisa inovar, só em forma de palestras vai desanimando mesmo, tem alunos que não querem abrir nem a câmera mais, não participam mais. Com as atividades diferentes que eu fiz notei a mudança deles e fiquei muito feliz e realizada com isso”, disse a professora, que também é  coordenadora do curso Técnico em Meio Ambiente e professora de Geografia e Ensino Religioso no Colégio Estadual São Mateus.

Outras produções dos “Cumpadi”

Depois dos vídeos da “Quadrilha Virtual” os professores produziram um vídeo sobre a Covid-19. Através do humor, os personagens mostraram aos alunos como se cuidar, passando todas as dicas de prevenção. Fizeram para as aulas de Educação Física vídeos com petecas, nessa atividade todos os professores da escola participaram. “Envolvemos os funcionários, a escola toda participou da ‘Peteca Virtual’”, conta o professor Adão.

No dia dos professores “Os Cumpadi” também homenagearam os mestres; no do Folclore foi produzido um material interativo; outros trabalhos como aula de Capoeira, atividades sobre ritmo; e coral de Natal cantado por todas as crianças em suas casas. Outro projeto que já está concluído é para o Dia das Mães, divulgado Facebook do jornal Hoje Centro Sul e disponível no link abaixo.

https://fb.watch/5l9_z15PPX/

Outras aulas da professora Claudia

Na última semana a professora Claudia Niziol Oliveira acompanhou um casal que faz coleta de lixo reciclável em São Mateus do Sul. Os alunos acompanharam por vídeo-chamada e puderam conhecer um pouco da realidade das pessoas que vivem deste trabalho. “Deu para trabalhar bastante coisa, principalmente, sobre a conscientização da separação correta do lixo. Os alunos conheceram como é árduo este trabalho, pois o casal contou que enquanto o rapaz puxa o carrinho, a moça vai abrindo as sacolas e procurando algum material que possa aproveitar para vender, mas eles não usam luvas por serem muito caras, e o lixo geralmente está todo sujo e misturado”, comenta a professora. Ela também conta que por outro lado há moradores que ajudam este casal, doando roupas e objetos em bom estado.

Claudia também trabalha Ensino Religioso no ensino Fundamental e desenvolveu aulas práticas com estas turmas. “Vesti roupas de muçulmana para trabalhar sobre o Islamismo, os alunos adoraram. Em outro conteúdo trabalhei sobre as benzedeiras e me caracterizei também, estas aulas foram muito produtivas”, frisou a professora.

Ela incentiva os alunos a não desistirem do ensino remoto, pois acredita que este momento difícil logo vai acabar e que essa falta que a escola faz na vida dos pais e alunos pode servir para uma valorização maior da educação de modo geral. E, para os professores, esse tem sido o momento de se reinventar. “Sabemos que as escolas particulares voltaram com as aulas presenciais e parece que algumas pessoas acham que as escolas públicas foram deixadas de lado, mas não, nós estamos lá fazendo as atividades conforme conseguimos. Estamos mostrando que somos capazes de transmitir o conhecimento mesmo que a distância”, finaliza Claudia.

O que os pais e alunos acham dos “Cumpadi”?

Lucimara Aparecida Bubniak Martins, mãe da Heloá, que estuda no 1º ano da escola Santo Antônio, conta que a filha gosta muito dos “Cumpadi” e fica na expectativa de aprender o próximo conteúdo. “A maior a emoção dela é poder ver todos os coleguinhas no vídeo, em suas casas. A Heloá sempre ao ver seus colegas diz ‘nossa mãe como esse está diferente, aquela perdeu o dentinho também’”, comenta a mãe, acrescentado que a filha está ansiosa para voltar a ir para a escola.

Lucimara acha muito boa a ideia da criação dos personagens, pois mantêm o entusiasmo das crianças e dos pais. “Não está sendo fácil para os pais ajudar os filhos a estudarem em casa, mas procuramos sempre ajudar nossa filha da melhor maneira possível”, afirma.

Josiliane Maria Moro é mãe de Elis Regina, aluna do 2º ano da escola Santo Antônio e relata a filha achou o máximo a ideia de os professores criarem estes personagens. “É um jeito diferente das crianças aprenderem, mesmo com a pandemia. ‘Os Cumpadi’ são superengraçados, eu também adorei a iniciativa dos professores Adão e Marcos, agora a minha filha interage com os professores”, informa a mãe de Elis.

Texto: Cibele Bilovus

Fotos: Divulgação

Galeria de Fotos

COMENTÁRIOS