facebook
13/05/2021

Unicentro oferece apoio a mães e bebês que têm dificuldades com a amamentação

Atendimento humanizado e gratuito ajuda quem está encontrando dificuldades com o aleitamento materno. Com o retorno de algumas atividades presenciais na universidade, o serviço é oferecido na Clínica Escola de Fonoaudiologia

Unicentro oferece apoio a mães e bebês que têm dificuldades com a amamentação

Quando uma mãe dá à luz ela conta com toda uma rede de apoio enquanto está no hospital, recebendo orientação de médicos, enfermeiros e outros profissionais da saúde. Muitas vezes, quando volta para casa começam a surgir dúvidas sobre cuidados e desenvolvimento da criança em seus primeiros dias de vida.

Para auxiliar mães e bebês neste processo, a Unicentro está realizando atendimentos gratuitos para quem está encontrando dificuldades com o aleitamento materno. Com o retorno de algumas atividades presenciais na universidade, este serviço está sendo oferecido na Clínica Escola de Fonoaudiologia, localizada no Campus Irati.

“O que eu costumo dizer para as alunas é que o aleitamento materno não envolve só a linguinha do bebê, os lábios ou só a sucção – a gente sempre olha para a díade mulher (mãe que amamenta) e o bebê”, diz a supervisora da atividade e professora da Unicentro, Cristina Fujinaga.

“Também pensamos em todas as integrações que o aleitamento promove, uma coordenação sucção, deglutição e respiração, que prevê que a língua se movimente de forma adequada, mas também que a mãe consiga estar bem com ela mesma para poder estar bem com o seu bebê. Também ajudamos a mãe a se tranquilizar para poder dar o mamá bem para o seu bebê”, descreve.

Os atendimentos da Unicentro são realizados com a autorização institucional da Comissão de Acompanhamento e Controle de Propagação do Coronavírus, que indica uma série de protocolos a serem seguidos para garantir a biossegurança dos pacientes e também das professoras e alunas que conduzem as práticas.

“Para os atendimentos com as mães, estamos praticamente usando os equipamentos de proteção como se a gente estivesse na Santa Casa, tamanha a nossa preocupação para que não haja nenhum tipo de contaminação nem da mãe e nem do bebê”, explica Cristina.

Ela lembra que com essa segunda onda do coronavírus, o Ministério da Saúde reconhece que as puérperas também são grupo de muito risco. “Então, nós só trabalhamos com pessoas suscetíveis, tanto do ponto de vista do bebê, que é um recém-nascido e não tem um sistema imunológico, quanto da mãe, que está no puerpério e tem essa janela de entrada para o coronavírus e complicações vindas do vírus. Por isso, seguimos esses protocolos bem rigorosos”, detalha.

Uma das duplas atendidas pela Clínica Escola de Fonoaudiologia da Unicentro envolve Maíra de Oliveira e o seu filho Ravi Correia, de apenas dois meses de idade. Ela conta que procurou o atendimento da universidade porque Ravi nasceu com o frênulo lingual, que é uma pequena prega que conecta a língua ao assoalho da boca. Com isso, ele engasgava sempre ao mamar e também com a própria saliva. Outro fator que a motivou a procurar ajuda foram as fissuras nos dois seios, que a faziam sentir uma dor forte ao amamentar.

Na Clínica, Maíra e o filho recém-nascido participaram de atendimentos presenciais semanais e tiveram acompanhamentos remotos entre uma sessão e outra. Segundo ela, os exercícios indicados pela equipe de Fonoaudiologia da Unicentro ajudaram ambos no processo de aleitamento.

“Em menos de uma semana ele já estava sugando melhor, engasgando menos. Ele também tinha muito vômito, muito refluxo no começo. Então, diminuiu consideravelmente e muito rápido. É um apoio mesmo. Não precisa ficar com medo ou envergonhada no momento do atendimento, pois é uma rede de apoio, ninguém vai te julgar por estar fazendo errado. É uma conversa, você tem um espaço muito gostoso e se sente em família, parece que faz parte da rede de apoio que a gente chama”, diz.

Humanizado 

A Fonoaudiologia é uma área especializada para trabalhar questões que envolvem o aleitamento materno. Na Clínica Escola da Unicentro, as mães e bebês recebem um atendimento humanizado com uma construção teórica ensinada nas aulas do terceiro ano do curso e a execução no quarto ano, durante o estágio curricular.

A estudante Eduarda Bruna Reis é umas das integrantes da equipe que atende a esse público e comenta como a prática tem colaborado com a sua formação universitária. “Esse aconselhamento materno envolve acolher as mães – dar escuta, oferecer apoio e ajuda em tudo o que envolve o aleitamento e a relação mãe e bebê. É muito legal você conseguir conciliar aquilo que vem aprendendo ao longo dos anos e ver acontecendo na prática – ver a mãe chegar aqui com uma demanda e sair grata por alcançar o que ela desejava que é, muitas vezes, amamentar sem dor ou conseguir dar um apoio melhor para o seu filho. Isso é muito legal, tem sido muito enriquecedora essa prática”, afirma.

Toda mãe de Irati ou região pode buscar o auxílio da Unicentro para melhor amamentar seu bebê. Os atendimentos são realizados nas quartas-feiras, no período da tarde, mediante agendamento prévio pelo WhatsApp ou pelo telefone. Os números são (42) 99904-0346 e (42) 3421-3224.

Texto/foto: Agência Estadual

COMENTÁRIOS