facebook
31/07/2020

Série Memória relembra a história de um torcedor fanático

Série Memória relembra a história de um torcedor fanático

Depois de quatro meses sem que os apaixonados pelo esporte pudessem acompanhar o desempenho de seus times do coração – devido à pandemia do novo coronavírus, que exigiu o distanciamento social  e suspendeu as partidas que estavam programadas–, pouco a pouco os principais campeonatos esportivos estaduais e nacionais estão sendo retomados.   Entretanto, os torcedores fanáticos não tem a mínima ideia de quando poderão voltar a viver a emoção de ir a um estádio de futebol, de reunir os amigos para assistir um jogo, de viajar quilômetros e quilômetros para acompanhar o desempenho dos atletas do time para o qual torcem. Quem realmente torce por um clube de futebol entende do que falamos...

E para reviver um pouco desta sintonia, deste ritual, deste sagrado envolvimento com o esporte mais popular no Brasil, a Série Memória relembra, nesta semana, a história de um torcedor fanático do fluminense.  Nascido em uma família de flamenguistas, ele se rebelou ao se apaixonar pelo tricolocor carioca, arquirrival.

Em Irati, onde ocupa o cargo de juiz de direito, a indumentária do time do coração chegou a substituir as vestes formais em certos momentos, o que acabou se tornando folclórico no meio jurídico.

A reportagem sobre o juiz do Trabalho Carlos Henrique de Oliveira Mendonça  e seu amor pelo fluminense foi destaque nas páginas do Hoje Centro Sul no dia 04 de setembro de 2013. Escrita pelo jornalista Lucas Waricoda, a história, neste momento de pandemia, traz um alento ao coração dos torcedores fanáticos.    

Texto: Letícia Torres/Hoje Centro Sul

Imagem: Arquivo/Hoje Centro Sul

COMENTÁRIOS