facebook
01/11/2021

São-mateuense proprietário da empresa Taquaral divulga erva-mate em Dubai

Adão Staniszewski participou da comitiva que apresentou a erva-mate do Paraná ao mercado internacional, durante evento nos Emirados Árabes.

São-mateuense proprietário da empresa Taquaral divulga erva-mate em Dubai

A erva-mate do Paraná foi apresentada ao mercado internacional em Dubai, na primeira quinzena de outubro, no evento Paraná Business Experience que aconteceu paralelo à Expo Dubai. O proprietário da Ervateira Taquaral e vice-prefeito de São Mateus do Sul, Adão Staniszewski esteve presente e conta como foi a experiência de representar o estado diante de pessoas do mundo todo. “Fomos mostrar para o mundo que a erva-mate existe para abrir o mercado de novos consumidores”, relata Adão.

O empresário ressalta que pelo fato da cultura árabe não permitir o consumo de bebidas alcóolicas, como as cervejas, há um grande potencial de mercado para produtos como os chás a base de erva-mate.  E dar início à conquista deste mercado foi o intuito dos representantes das ervateiras paranaenses que participaram da Expo Dubai, que é a maior e mais antiga exposição global, que reúne 191 países.

“A gente planta, trabalha e industrializa, mas tem que ter um retorno financeiro, não é algo fácil de conseguir, não é na primeira vez que você vai e consegue vender, mas já é o início, pois havia pessoas do mundo todo em Dubai vendo as apresentações”, destaca Adão. Entre as áreas que se destacaram no evento estão as indústrias de bem-estar, agronegócio e tecnologia.

O empresário são-mateuense explica que a viagem a Dubai não teve relação com seu cargo de vice-prefeito, e que a realizou com recursos próprios, pois foi convidado enquanto proprietário da Ervateira Taquaral, assim como outros empresários do estado. “Eu fui convidado pelo prefeito de Inácio Martins, Júnior Benato. O convite foi para todas as ervateiras do Paraná, acabamos indo em seis, mas todos foram para representar a erva do Paraná e não uma marca somente”, diz Adão.

Na apresentação, as empresas não tiveram a oportunidade de oferecer amostras do produto para degustação, puderam mostrar apenas vídeos. “Fizemos vídeo, tradução para o inglês, fizemos um material bem bacana, nessa feira não podia levar amostra do produto, somente apresentar”, pontuou Adão. O proprietário da Ervateira Taquaral  acredita que se houvesse a possibilidade de degustação, seria apropriado oferecer o chá gelado e o tereré, por conta do clima, que é muito quente nos Emirados Árabes. 

A partir da experiência em Dubai, Adão conta que percebeu que falta uma valorização maior dos próprios brasileiros pelos seus produtos, natureza e clima agradável. “Lá é tudo muito bonito, mas eles valorizam o que têm, e talvez nós não valorizamos o que temos aqui, temos muita natureza, temperatura agradável para viver, o pessoal fala da economia que está ruim aqui, mas o custo de vida lá é muito mais alto”, compara, acrescentando que os árabes buscam tecnologias para o plantio de árvores em meio ao deserto.

Adão Staniszewski e a Erva-mate Taquaral

Adão Staniszewski trabalhou na agricultura desde criança. Atuou no plantio de batata e feijão durante muitos anos. Entretanto, as perdas em duas safras sucessivas devido a fatores climáticos lhe trouxeram grandes prejuízos e ele decidiu mudar o rumo do seu trabalho.

Então, passou a atuar na propriedade da família, na localidade de Taquaral – interior de São Mateus do Sul – comprando folhas de erva-mate de pequenos produtores do município, secando, beneficiando e empacotando. Desta forma Adão reestruturou a ervateira que era administrada por familiares e deu início à empresa Taquaral, no ano de 1996.

Entre janeiro e outubro de 2021, a ervateira industrializou mais de 8 milhões de quilos de folhas de erva-mate, que foram transformadas nos mais diversos tipos de erva para chimarrão e tereré. “Algumas pessoas não gostam do chimarrão que é o produto mais tradicional da erva-mate, mas há muitas variações feitas com a erva-mate, como sorvetes, caipirinhas, o uso da erva-mate na culinária, mas o foco da produção continua sendo para chimarrão e tereré”, finaliza Adão. 

Texto: Da Redação/Hoje Centro Sul

Fotos: Agência Estadual e Ciro Ivatiuk/ Hoje Centro Sul

Galeria de Fotos

COMENTÁRIOS