facebook
11/10/2021

Retomada da obra do teatro de Irati em etapas é discutida

Representantes do Governo do Estado e da Prefeitura de Irati fizeram uma visita técnica no Centro Cultural Denise Stoklos e definiram que um grupo de trabalho será formado para fazer um levantamento sobre os custos da obra

Retomada da obra do teatro de Irati em etapas é discutida

A situação do Centro Cultural Denise Stoklos foi discutida nesta quarta-feira (06) por representantes da Secretaria de Estado da Comunicação Social e da Cultura e membros da Prefeitura Municipal de Irati, durante visita técnica da superintendente de Cultura do Paraná, Luciana Casagrande Pereira a Irati. Participaram da agenda de trabalho – que também incluiu visitas ao Palácio do Pinho, Colina Nossa Senhora das Graças e Casa da Cultura –, o prefeito Jorge Derbli, o deputado estadual Artagão Júnior, o presidente da Câmara de Vereadores Helio de Mello, o secretário de Cultura Alfredo Van Der Neut, o presidente do Conselho Municipal de Cultura Leonardo Barroso e representantes de várias instituições.

“Fiquei encantada com Irati. Acredito que a cidade merece esse olhar especial do Estado”, disse Luciana. Segundo ela, os esforços iniciais serão focados na obra do Centro Cultural Denise Stoklos. “O teatro é algo bem viável. Teremos que dividir em etapas, fazer um plano de trabalho, com um cronograma físico-financeiro para atualizarmos o orçamento”, explicou. 

Já para a próxima semana, para quinta-feira dia 14 de outubro, ficou agendada uma reunião on-line sobre o teatro entre técnicos da Prefeitura de Irati e engenheiros da Secretaria de Estado da Cultura, proposta pelo coordenador de Patrimônio Cultural Viniciu Bruni, que acompanhou Luciana na agenda em Irati.  Segundo ela, justamente para organizar este grupo de trabalho.

De acordo com o prefeito, as equipes do Município e do Estado deverão avaliar o projeto da obra, que está na Secretaria de Estado de Desenvolvimento Urbano e Obras Públicas (SEDU), verificar o percentual de execução já concluído e fazer a atualização dos custos, conforme as condições atuais da edificação.

Ele também defende que a melhor alternativa é a retomada da execução do Centro Cultural em etapas. “A nossa proposta, curta e direta, é para que seja feita a continuação da obra em etapas, pois nós sabemos que vão milhões de reais para complementar a obra do teatro”, afirma Derbli.

O prefeito enfatiza que a retomada é dos trabalhos é fundamental.  “Porque é uma obra que teve muito dinheiro público já investido e não pode ficar do jeito que está. Ano que vem faz 10 anos que esta obra está parada. Então, como eu falei, nós queremos que ela continue, nem que demore. Faz uma etapa termina”, comenta.

Derbli sugere que seja concluída inicialmente a parte atrás do palco, que é grande e pode começar a ser utilizada, independente da estrutura principal do teatro – que demanda investimentos maiores. “Poderá ser usada já para oficinas culturais e várias atividades, então essa é a nossa proposta para superintendente, que ela vai levar para o Governo do Estado”, relata o prefeito.

Luciana acredita que o início do processo para a retomada da execução da obra já está ocorrendo. “Eu acho que o primeiro passo é a gente querer fazer e isso eu já senti tanto do prefeito, secretário, deputado; eles já me convenceram quando foram a Curitiba, já me encantaram, então eu estando aqui estou envolvida, existe uma sensibilidade do governo para isso”, afirmou.

Ela também defende que é preciso ir atrás de recursos junto a outras secretarias de Estado também. “A Cultura não é a única, não é a pasta que tem mais recursos, vocês sabem disso, mas a gente tem a questão técnica”, argumentou a superintendente, que também propôs a formação de um grupo de profissionais técnicos do Município e do Estado que permanentemente atuem em conjunto para a tomada de decisões sobre a continuidade da obra.

Legislação e recursos

O deputado Artagão Júnior frisou que há legislação específica para o setor cultural, o que pode vir a colaborar tanto com o projeto do teatro, como com a possível restauração do Palácio do Pinho, ou outras propostas.

“O governo do Estado e o governo Federal são órgãos públicos que administram o orçamento de todos os tributos e impostos recolhidos, mas quando se fala de ações culturais tem legislações específicas, como é o caso da Lei Rouanet, que permite buscar também na iniciativa privada parcerias para que possa ter um incentivo à cultura, porque grandes indústrias e empresas muitas vezes têm benefícios fiscais se fizerem investimentos nessa área”, explica o parlamentar.

Ele frisa a importância de que sejam elaborados projetos consistentes, para permitir a captação de recursos. “Essas ações só podem ser feitas a partir do momento em que se tem projeto, orçamento, liberação do órgão competente, ações e movimentos políticos e da sociedade para que se possam alcançar as etapas. No caso do teatro, quem sabe três a cinco etapas, mas o importante é que você comece e termine, para que essa obra seja cumprida, pois é importante e está  há tanto tempo parada”, afirmou Artagão.

Outros compromissos

Luciana Casagrande Pereira e Viniciu Bruni também estiveram na Colina Nossa Senhora das Graças, onde a atual gestão pretende fazer um santuário, e puderam conhecer a Casa da Cultura. Antes de começar a percorrer os pontos, os integrantes da secretaria de Cultura do Estado puderam experimentar o prato típico de Irati, o borrego no rolete.

Participantes

Acompanharam a visita técnica: representantes da  Universidade Estadual do Centro Oeste (Unicentro), Academia de Letras, Artes e Ciências do Centro Sul (Alacs),  Agência de Desenvolvimento das Regiões Sul e Centro Sul(Adecsul), Associação Comercial e Empresarial de Irati (Aciai), Fundação Denise Stoklos, Conselho Municipal de Turismo e Rotary Club, além de vereadores, secretários municipais e imprensa.

Palácio do Pinho

A casa história localizada na área do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (Iapar), que relembra o ciclo da madeira na região também foi um dos pontos marcantes da visita dos profissionais da Secretaria de Estado da Comunicação Social e da Cultura em Irati, neste dia 06.

O imóvel está bastante danificado pela ação do tempo e sua restauração também foi um dos pedidos realizados pelos integrantes do setor cultural de Irati.

“É uma casa com mais de 90 anos, que se encontra numa situação lastimável, a gente vê a situação que ficou a madeira. Acho passa de R$ 5 milhões pra restaurar essa casa, é um pedido também, é uma casa histórica que está dentro do município de Irati, que há também a possibilidade do Governo fazer esse investimento”, comentou o prefeito Derbli.

O deputado Artagão Junior explicou porque o montante significativo é necessário para a recuperação da casa. “A restauração do Palácio do Pinho é a restauração de uma obra de arte, um casarão histórico como aquele não pode ser feita por um construtor convencional, ali estamos falando de arte, por isso precisa de uma habilidade especial, então temos que ter uma avaliação especial também”, relatou. 

Texto: Letícia Torres/Hoje Centro Sul

Fotos: Ciro Ivatiuk/Hoje Centro Sul

Galeria de Fotos

COMENTÁRIOS