facebook
17/08/2021

O que os paranaenses esperam das novas concessões das rodovias

O que os paranaenses esperam das novas concessões das rodovias

Preços elevados, obras não realizadas e escândalos de corrupção marcaram as concessões de rodovias no Paraná ao longo das últimas décadas. Estes fatores influenciaram negativamente o desenvolvimento econômico e social do estado, aumentando o custo da produção, elevando os preços dos produtos para os consumidores, trazendo prejuízos para todos. 

Isso sem considerar os acidentes que vitimaram inúmeras famílias e que poderiam ter deixado de ocorrer caso as vias tivessem sido duplicadas e a construção de terceiras faixas, viadutos e contornos tivesse ocorrido.

O paranaense não tem boas recordações quando se fala sobre as concessões de rodovias, sobre o pedágio. Entretanto, o Paraná é um estado líder em produção agrícola, em produção agropecuária, em fabricação de alimentos e precisa de boa infraestrutura viária, ferroviária,  hidroviária e aeroviária para garantir a logística e a competitividade de produtos.

É por isso que a sociedade organizada se envolveu tanto no debate das novas concessões das rodovias.  Foram audiências públicas realizadas em todas as regiões do Estado. Cooperativas, associações comerciais, federações, prefeitos, vereadores, deputados estaduais, sindicatos,  o setor produtivo representado no G7 e tantas outras lideranças e entidades participaram. Foram unânimes em não aceitar o modelo inicialmente proposto pelo Governo Federal ao Estado, que não atendia as demandas por redução de tarifas e não oferecia garantia de  que as obras necessárias seriam realmente feitas.

Este “sonoro não” dito pela sociedade civil organizada formalmente nas audiências públicas, debates e documentos,  fez com que o modelo fosse revisto, redesenhado.  

Agora, o que os paranaenses esperam é que preços mais baixos e estradas duplicadas deixem de ser apenas demagogia política e se tornem realidade, melhorando a ampliação da integração dos modais no Paraná para gerar desenvolvimento socioeconômico.

COMENTÁRIOS