facebook
04/06/2021

O inimigo é comum e a politização da Covid-19 prejudica a todos

O inimigo é comum e a politização da Covid-19 prejudica a todos

Divergências de ideias, opiniões e posicionamentos políticos sempre existiram e sempre vão existir. A democracia brasileira, através da Constituição de 1988, garante a todos a liberdade de expressar pensamentos, tendo como limite a injúria e a difamação – que são passíveis de punição. O que isso significa que todos podem dar suas opiniões ao vivo ou publicá-las nas redes sociais, desde que isso não ofenda a honra de outras pessoas ou gere prejuízos a empresas por se tratarem de informações inverídicas ou não sobre as quais não se tenha provas concretas. Na prática, significa usar o bom senso e a ponderação.

Entretanto, nos último tempos, em meio ao excesso de nervosismo e estresse  que tem afetado grande parte das pessoas desde que a pandemia se instaurou e deixou evidente seu potencial, muitos acabaram perdendo parte de suas capacidades de autocritica e tolerância com o outro. Debates acalorados, bate-bocas e politização da pandemia têm sido cada vez mais comuns em diferentes âmbitos – familiar, profissional, em círculos de amigos.

O respeito à opinião divergente está se tornando cada vez mais raro. Cada um quer provar o pensa, de forma quase que impositiva. Em grupo fechados de WhatsApp, por exemplo, permanecem ou se posicionam apenas os que pensam como a maioria daquele grupo. Caso contrário, surgem acusações, brigas ou silêncios prolongados.

A intolerância com o “diferente” leva as pessoas a se tornarem inimigas umas das outras, esquecendo-se que, cada um, a partir de seu ponto de vista – formado pela combinação dos conhecimentos que possui e das experiências que vivenciou – quer, antes de qualquer coisa,  proteger a si mesmo e a sua família da Covid-19, instinto básico de sobrevivência.  

O inimigo é comum a todos: o vírus que assolou o planeta inteiro e que tem trazido mortes e prejuízos a toda humanidade. O momento é de colaboração uns com os outros – como fizeram os empresários em Imbituva que se uniram para comprar respiradores para a saúde pública –, de ter paciência, de respeitar as recomendações dos profissionais de saúde, de não se deixar levar por politicagem de nenhuma espécie (vinda de partidos de esquerda ou de direita), de fazer a sua parte e somar para que a dor provocada pelos efeitos da pandemia seja minimizada. Politizar a doença prejudica a todos.

Texto: Letícia Torres

COMENTÁRIOS