facebook
15/10/2021

Dificuldade de aprendizagem na escola: Preguiça ou transtornos neurológicos?

Dificuldade de aprendizagem na escola: Preguiça ou transtornos neurológicos?

Quando uma criança não consegue desenvolver as habilidades acadêmicas na escola logo o sentimento de fracasso passa a fazer parte do seu dia a dia. Ao não acompanhar o conteúdo da mesma forma que os colegas, vários estigmas são criados a seu respeito. Um aluno assim, que permanece durante meses ou até mesmo por anos com dificuldades no rendimento escolar tem preguiça de estudar? Ou pode ter transtorno de aprendizagem?

A psicóloga especialista em terapia cognitiva, comportamental e psicodiagnóstico, Mariangela Bello explica que o problema pode ser neurológico e que tratamentos adequados ajudam. “A criança que sofre fracassos escolares não é porque ela quer, mas sim porque não consegue acompanhar, não consegue aprender e isso causa nela vontade de desistir de estudar. Normalmente, essa criança é julgada como preguiçosa, mas isso precisa ser melhor investigado, pois pode ter a ver com uma dificuldade neurológica”, afirma Mariangela.

Segundo a profissional, os transtornos de aprendizagem consistem na incapacidade neurológica de assimilar conteúdos, cujas causas podem estar relacionadas ao aspecto biológico e influências genéticas.  A psicóloga cita que em muitos casos não há cura, entretanto, o tratamento ajuda a conviver bem com o problema.

No Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais - DSM-5, da Associação Americana de Psiquiatria - há classificações quanto aos Transtornos Específicos de Aprendizagem, como o prejuízo na leitura, na escrita e no raciocínio exigido pela matemática. “O prejuízo na leitura resulta na precisão da leitura de palavras, a velocidade, a fluência e a compreensão. Antigamente para isso era dado o nome de dislexia, é como se a criança lesse, mas o cérebro dela não consegue enxergar as letras como a gente, e isto segue pela vida toda”, relata Mariangela.

O prejuízo na escrita é observado na ortografia, gramática, pontuação. Mesmo que a pessoa saiba escrever, comete muitos erros porque não consegue fazer de forma organizada. E o prejuízo na matemática é quando a pessoa não consegue ter um senso numérico, memorizar fatos aritméticos, não consegue ter raciocínio matemático.

“Quem vai dizer se a criança tem um atraso na aprendizagem normalmente é a escola, percebendo que a criança não consegue acompanhar os outros alunos no mesmo ritmo. Cada criança é diferente, umas têm facilidade com matemática, outras com português, algumas conseguem fazer bem a parte escrita, outras não, mas a professora começa a perceber que existe uma dificuldade que vai além dos demais e começa a ficar muito ressaltado”, enfatiza a psicóloga.

Além dos transtornos permanentes, existem as dificuldades momentâneas, ocasionadas por questões emocionais. “Por exemplo, os pais se separaram e a criança tem uma queda no desempenho escolar, isso pode afetar a atenção e a concentração. Então, existem as dificuldades de aprendizagem que podem ser só momentâneas”, ressaltou Mariangela. A psicóloga destaca que muitas vezes os transtornos e dificuldades de aprendizagem não interferem somente no meio escolar, impactam também na área social, cognitiva e emocional. “Isso porque altera a forma como o sujeito se vê e se posiciona diante do mundo”, comenta.

Diagnóstico e tratamento

Ao serem identificados problemas na aprendizagem é necessária a avaliação profissional, por psicólogo, fonoaudiólogo e neurologista. Quando o diagnóstico indica determinado transtorno, são indicadas as terapias adequadas e o ensino utilizando as salas de recurso.

“Ao iniciar uma terapia para ajudar a pessoa a entender que ela possui essa dificuldade ou transtorno, a autoestima melhora muito e isso já faz com que a criança tenha um desempenho maior. Com as terapias e a forma de ensino diferenciada na escola, a criança já passa a ter menos dificuldade. As salas de recursos existem para as crianças que aprendem de forma diferenciada”, frisa Mariangela.

Contato

Mariangela Bello presta atendimentos clínicos a crianças, adolescentes e adultos, também realiza avaliação psicológica e terapias. Ela destaca a importância do tratamento nos casos de desempenho escolar insuficiente. “Eu gosto de trabalhar com isso porque vejo que muitas vezes as crianças sofrem dificuldades e não são compreendidas. Os pais acham que são preguiçosas e não se esforçam. Isto mata a autoestima delas, vão crescendo com o estigma de que são incapazes. Quando é tratado, a pessoa entende que tem dificuldade e que pode superá-la, e que há outras características nela que compensam, isso muda a sua vida”, destaca a psicóloga.

Mariangela atende em Irati, na Rua XV de Novembro, 906 – Centro. Também em Teixeira Soares, na Rua Vedolino Neves, 71. Interessados em saber mais ou agendar um horário podem entrar em contato pelo (42) 99914-7457 (com WhatsApp) e acompanha-la no Instagram @mariangelabellopsico.

Texto: Cibele Bilovus/Hoje Centro Sul

Foto: Arquivo Pessoal

COMENTÁRIOS