facebook
21/12/2020

Dias antes do Natal, duas moradoras do asilo de Irati comemoram 100 anos de vida

Maria Joaquina Netta e Maria José Triunfo residem no Asilo Santa Rita e, em meio à pandemia de COVID-19, festejam a longevidade neste mês de dezembro.

Dias antes do Natal, duas moradoras do asilo de Irati comemoram 100 anos de vida

Elas têm o mesmo nome da mãe de Cristo e algo mais a comemorar nesta semana que antecede ao Natal. Moradoras de Irati, Maria Joaquina Netta e Maria José Triunfo, completaram 100 anos de idade essa semana. A comemoração foi em conjunto, apesar dos dias diferentes de aniversário – Maria Joaquina no dia 15 e Maria José no dia 18 –, pois ambas são moradoras do Asilo Santa Rita.

“De todo este ano, que foi difícil, atípico, com muita tensão e cuidados, a gente também tem que comemorar, comemorar a vida, 100 anos de duas moradoras”, diz Juliana Marinski, secretária da instituição. Para ela, ver os idosos com saúde, alguns lúcidos e animados, como Maria José, é “motivo para comemorar e que faz valer a pena todo o nosso trabalho aqui”.

Atualmente, o Asilo Santa Rita abriga 68 idosos, com diferentes graus de dependência e de lucidez. Todos receberão presentes de Natal de familiares, padrinhos ou de voluntários da comunidade, segundo o presidente da instituição, Eugênio Demczuk. “O Natal para eles vai ser um pouco diferente porque este ano não vai Papai Noel, vai ser só com os funcionários e eles. Mas durante todos esses anos que eu estou lá, cada um recebe o seu presente, o que pede, porque eles não pedem grandes coisas, pedem chinelo, chapéu, perfume, coisas assim”, relata Demczuk.

Apesar dos presentes para este ano estarem garantidos, a celebração sem a presença de visitantes não condiz com a expectativa inicial, comenta a secretária do Asilo. “Quando começou a pandemia, nós até imaginávamos que o Natal a gente conseguiria fazer, diminuir as restrições pelo menos com os familiares, mas agora, com este agravamento do número de casos, nós tivemos que manter as restrições, infelizmente”, afirma Juliana.

Ela conta que desde março toda a rotina da entidade foi alterada para seguir as normas de prevenção à COVID-19. Todas as visitas foram suspensas, as atividades que grupos voluntários desenvolviam também e os passeios que estavam programados precisaram ser cancelados.   “E até agora, devido ao agravamento da situação, ao aumento do número de casos, então todas as restrições continuam, restrição de circulação de pessoas aqui dentro, restrição de visitas de familiares, as atividades em grupo”, destaca.

Até agora, um único caso de COVID-19 foi registrado entre os moradores. Foi no mês de agosto e desde a ocasião foi elaborado um Plano de Contingência e vem sendo feita a testagem semanal dos internos pela Secretaria Municipal de Saúde de Irati.

A equipe da instituição faz o monitoramento diário dos idosos, para que nenhum sintoma que possa ser indicativo de uma possível contaminação pelo coronavírus passe despercebido. A secretária do Asilo Santa Rita frisa que há um grande comprometimento da equipe e esforço de toda a diretoria da entidade para que as medidas preventivas sejam seguidas à risca para evitar que um surto da doença aconteça, pois os idosos são mais frágeis e vulneráveis.

Demczuk  enfatiza: “Estamos preparados, proibimos as visitas desde março, os funcionários trabalham com equipamento de segurança e a gente vai levando”.  Segundo ele, não teve nada que atrapalhasse o andamento do serviço desde o começo da pandemia.

O presidente e a secretária da entidade agradecem o apoio dos familiares e padrinhos, que compreendem a necessidade dos cuidados extras e do isolamento. Agradecem também as doações de alimentos, álcool em gel, produtos de limpeza e máscaras, feitas pela comunidade.

Isolamento

Desde março sem receber visitas, tendo contato com familiares só por telefone e saindo apenas em circunstâncias imprescindíveis, os moradores do Asilo Santa Rita tiveram que se adaptar ao isolamento.

“Eles sentiram muito, porque sempre foi bem movimentado, eles recebiam muitas visitas e até a rotina deles era preenchida com muitas atividades. Este é um dos efeitos da pandemia, esse isolamento, eles não terem as visitas, eles realmente sentem bastante. Esse é um dos efeitos negativos, é claro isso”, relata Juliana.  

Para enfrentar a situação e evitar que a tristeza ou até mesmo a depressão invadissem a entidade, psicólogos e assistentes sociais têm tido mais trabalho. Foi reforçado o apoio oferecido aos idosos, o que também incluiu a ajuda dos demais funcionários que atuam no asilo.

Dentre os moradores que possuem familiares e tinham contato com eles antes da pandemia, têm se mantido as conversas. “Aqueles que já tinham o vínculo familiar aqui dentro, ele se manteve, nós incentivamos que os moradores conversem por telefone, por chamada de vídeo. Para os familiares, a gente sempre coloca à disposição toda a equipe para estar fornecendo informações, ligando aqui”, comenta.

Natal

Apesar da pandemia, a tradição dos presentes de Natal para os moradores do Asilo Santa Rita será mantida. A diferença é que os familiares, padrinhos e voluntários não poderão entregar eles mesmos os presentes aos idosos. Neste ano, os próprios funcionários é que entregarão. Eles também têm ido buscar os presentes ou agendado horários para entrega na instituição.

Antes da pandemia, a celebração do Natal no Asilo reunia mais pessoas. “Fazíamos a Missa, que era aberta para a comunidade, a gente convidava os familiares para estarem participando da Festa do Natal, os padrinhos também, então era uma festa grande no dia do Natal, e este ano vai estar restrita só aos moradores e funcionários, mas vamos fazer, eles vão ter a Festa do Natal, mas de outra forma, de uma forma menor”, conta Juliana. 

Outra restrição, será à saída dos moradores para almoçar na casa de familiares ou amigos no dia 25 de dezembro.

Quem são as aniversariantes

Maria Joaquina Netta 

Nasceu em 15/12/1920, é solteira, sem vínculos familiares, natural de Rebouças e devota de São Sebastião. Mora no Asilo Santa Rita há 12 anos, desde agosto de 2008, e veio para a entidade porque tinha problemas de saúde.

Quando questionada pela assiste social Sandra Pacheco sobre o que gostaria de ganhar de presente de aniversário disse que “não precisa de nada” e que as amizades que possui são “o que vale a pena na vida”.

Maria José Triunfo

Nasceu em 18/12/1920, é solteira, possui vínculos familiares em outro estado e os contatos são realizados através de ligações ou mensagens. É natural de Vacaria-RS. Mora na instituição há 1 ano e 8 meses, desde março de 2019. Optou pelo acolhimento pois morava sozinha e necessita de cuidados periódicos.

Questionada pela assiste social Sandra Pacheco sobre qual mensagem gostaria de deixar para futuras gerações, disse:  “Que sejam gratos a Deus e a Maria Santíssima. Que todos sejam bons uns com os outros. Como disse Jesus: Amem o próximo como a ti mesmo”. 

Exceção ao isolamento: Mãe e filha se encontram após mais de 40 anos

As visitas aos moradores do asilo de Irati estão proibidas desde o mês de março. Nem mesmo os familiares podem ir até a instituição para prevenir qualquer contato que possa ocasionar um surto de COVID-19. Entretanto, de acordo com o presidente do Asilo Santa Rita houve uma exceção neste período para que mãe e filha pudessem se conhecer.

“Só foi permitida uma visita, da filha de uma idosa que há mais 40 anos estava procurando a mãe. Daí ela descobriu que a mãe estava no Asilo e veio de São Paulo. Então, nós abrimos uma exceção para ela visitar a mãe, conhecê-la, porque ela não conhecia a mãe”, conta Demczuk.

A moradora do asilo de Irati chama-se Maria e  tem outro um filho que mora na área rural de Inácio Martins. A instituição não divulgou o nome da filha e nem imagens do encontro, que ocorreu no dia 24 de setembro.  

Texto: Letícia Torres/Hoje Centro Sul

Fotos: Asilo Santa Rita/Divulgação

COMENTÁRIOS