facebook
30/10/2020

Diagnóstico precoce do câncer foi afetado pela pandemia

Diagnóstico precoce do câncer foi afetado pela pandemia

Desde a instalação da Unidade Avançada do Hospital Erasto Gaertner em Irati no ano de 2017, um amplo trabalho para promover o diagnóstico precoce do câncer na 4ª Regional de Saúde vem sendo desenvolvido. Entretanto, nesse ano, o trabalho foi afetado pelo isolamento social para conter o novo coronavírus. De modo geral, as pessoas procuraram menos as unidades de saúde dos municípios para fazer consultas e exames, o que também interferiu nos encaminhamentos para o diagnóstico oncológico precoce.   

“Este ano, por conta da pandemia, muitas mulheres tiveram receio em comparecer à unidade do Hospital Erasto Gaertner de Irati durante os meses de abril, maio e junho. Com isso, houve um atraso muito grande nos diagnósticos de câncer de mama, colo de útero, ovário e, de forma geral, em todos os outros tipos, gastrointestinais, e até mesmo de pele”, contou o médico oncologista Gustavo Vasili Lucas.

Apesar desta queda nos meses iniciais do ano, desde setembro a procura dos pacientes já voltou ao normal, segundo a supervisora da Unidade de Irati do Hospital Erasto Gaertner, Daniela Zwierzikowski Raffo. “Observamos uma queda nas consultas de primeiro atendimento, ou seja, uma porcentagem da população deixou de ir ao médico por um período, mas que já se normalizou. Nos últimos dois meses a procura está dentro dos números que mantínhamos antes da pandemia”, destacou Daniela.

Mesmo com a retomada da procura pelo diagnóstico e tratamento, segundo o médico, os novos casos da doença têm chegado em estágio mais avançado.  Desta forma, alguns pacientes que teriam possibilidade de tratamento curativo, atualmente não têm mais essa condição. E é por isso que campanhas como Outubro Rosa e  Novembro Azul fazem parte da rotina anual de trabalho do Ministério da Saúde, envolvendo Secretarias de Estado da Saúde, Secretarias Municipais de Saúde, toda a rede hospitalar que atende os pacientes com os diversos tipos de cânceres, além de órgãos como o Instituto Nacional do Câncer (INCA). 

Câncer de Mama

O câncer de mama é segundo tipo que mais acomete as brasileiras, de acordo com o INCA. Fica atrás apenas do câncer de pele não melanoma. Mais de 40 mil mulheres recebem, todos os anos, o diagnóstico de câncer de mama.

No Hospital Erasto Gaertner, dentre os mais de 2.500 novos casos de câncer diagnosticados anualmente em todo o Paraná, 23,4% deles são de mama e 7,3% de colo de útero.

Atualmente, na Unidade de Irati do Erasto Gaertner, há expressivo número de mulheres em tratamento devido ao câncer de mama. “Hoje temos 105 mulheres que estão em tratamento contra o câncer de mama na Unidade. Temos uma média de 20 casos novos por ano de câncer de mama na 4° Regional. Já o câncer de colo de útero tem um número bem baixo, não chega a dois por ano”, detalhou Daniela.

Nos últimos anos, o INCA tem trabalhado com a população feminina a importância de “estar alerta” a qualquer alteração nas mamas  que possam ser indício da doença.

Os principais sinais e sintomas são: caroço (nódulo), geralmente endurecido, fixo e indolor; pele da mama avermelhada ou parecida com casca de laranja, alterações no bico do peito (mamilo) e saída espontânea de líquido de um dos mamilos. Também podem aparecer pequenos nódulos no pescoço ou nas axilas. O Outubro Rosa incentiva todas as mulheres a fazerem o autoexame e a procurarem orientação médica imediatamente, caso identifiquem alguma alteração nas mamas.

Não há uma causa única para o câncer de mama. Diversos agentes estão relacionados ao desenvolvimento da doença, como: envelhecimento (quanto mais idade, maior o risco de ter a doença), fatores relacionados à vida reprodutiva da mulher (idade da primeira menstruação, ter tido ou não filhos, ter ou não amamentado, idade em que entrou na menopausa), histórico familiar de câncer de mama, consumo de álcool, excesso de peso, atividade física insuficiente e exposição à radiação ionizante.

Homem também pode ter câncer de mama

Apesar de ser uma porcentagem pequena, homem também pode ter câncer de mama. Em 2019, foram aproximadamente 17 mil óbitos por câncer de mama no País e, destes, 300 eram homens.

Como os homens tem menos tecido mamário que as mulheres, quando aparece algum nódulo ele é muito mais palpável. Mas, mesmo assim, os sinais de câncer de mama em homens são bem semelhantes com os das mulheres.

Mamografia

A Sociedade Brasileira de Mastologia e a Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica recomendam que as mulheres acima de 40 anos façam a mamografia anualmente. Já as pacientes de alto risco (cujos familiares com menos de 35 anos tiveram câncer de mama, sobretudo mãe, pai ou irmãos) devem fazer o exame anualmente a partir dos 30 anos de idade.

Além disso, mulheres de qualquer idade, mesmo as mais jovens, que observem alguma alteração mamaria, devem procurar um médico para que a mamografia seja feita.

“Às vezes as pessoas não pedem nos postos de saúde porque não são autorizadas [as manografias], mas se a mulher tem alguma alteração, ela tem o direito de fazer a mamografia sim”, esclarece o médico oncologista da Unidade de Irati do Erasto Gaertner.

Medidas para a prevenção

A prática de atividade física regular e a alimentação saudável, com manutenção do peso corporal adequado, estão associadas ao menor risco de desenvolver câncer de mama: cerca de 30% dos casos podem ser evitados quando são adotados esses hábitos.

A orientação é que as mulheres façam atividades físicas diariamente ou pelo menos três vezes na semana, por no mínimo 30 minutos. Quanto à alimentação, deve ser evitado o consumo excessivo de alimentos ricos em gorduras. Também o excesso de carnes vermelhas e da ingestão de bebidas alcoólicas.

Já para a prevenção do câncer de colo de útero, é indicado fazer o exame conhecido como Papanicolau (o preventivo) anualmente e, também, vacinar as crianças contra o HPV.

“A medida de impacto, que a gente tem que mudar no nosso País e nossa Microrregião, que é a 4ª Regional de Irati, é a vacinação em massa das crianças. Das meninas de 9 a 14 anos e dos meninos na faixa etária de 10 a 15 anos”, orienta  o médico Gustavo Vasili Lucas.

Programa Conscientizar +

O Hospital Erasto Gaertner realiza o Programa Conscientizar +, realizado durante quatro meses ininterruptos, em referência aos quatro tipos de câncer de maior incidência na população brasileira: os cânceres infantojuvenis (no Setembro Dourado), de mama (no Outubro Rosa), próstata (no Novembro Azul) e pele (no Dezembro Laranja).

Todas as orientações sobre prevenção, diagnóstico precoce e tratamento do câncer estão disponíveis para download, no site www.conscientizarmais.com.br, em formato de post, folder e cartaz.

Este ano, o Hospital Erasto Gaertner lançou ainda outra novidade para a interação com o público: um hotsite para envio de mensagens que lembram, entre outras ações, sobre a importância de realizar consultas de rotina e fazer os exames preventivos.

Texto: Da Redação/Hoje Centro Sul

Galeria de Fotos

COMENTÁRIOS