facebook
22/07/2021

114 anos de Irati serão marcados pela gratidão aos profissionais de saúde e pelo projeto “Nossa Casa”

114 anos de Irati serão marcados pela gratidão aos profissionais de saúde e pelo projeto “Nossa Casa”

Na última quinta-feira (15), o município de Irati completou 114 anos de Emancipação Política. Na ocasião, o prefeito Jorge Derbli frisa que a redução do número de casos de Covid-19 é o principal fato a ser celebrado. 

“Nosso maior motivo para comemorar neste aniversário é a recuperação da Covid-19, esta batalha que estamos vencendo, foram muitas contaminações e até o momento temos 164 óbitos, mas essa melhora das pessoas que é a grande vitória e a maior comemoração do aniversário de Irati”, afirma. 

Uma homenagem simbólica aos profissionais da saúde foi realizada na manhã do dia 15 e, nas próximas semanas, novos projetos para melhorar a qualidade de vida dos iratienses serão lançados, nas áreas de habitação, meio ambiente e infraestrutura.

Projetos “Nossa Casa”

Na avaliação do prefeito de Irati, o projeto com maior ênfase neste ano é o Complexo Cidade do Idoso, o qual será edificado no Centro de Tradições Willy Laars. Trata-se de uma obra de mais de R$ 6 milhões, cujos projetos técnicos estão sendo finalizados. “Cerca de 97% do projeto está concluído, vai ser um espaço no CTG dedicado à terceira idade, com certeza o ganho social será muito grande, graças a ideia e empenho da deputada federal, Leandre Dal Ponte”, disse Derbli.

Outro grande projeto que o prefeito espera poder implementar em breve é o “Nossa Casa”, que é um plano municipal de habitação, com recursos próprios do Município, chamado também de Programa Habitacional de Irati. Através dele, serão construídas casas para as famílias em situação de vulnerabilidade social, sobretudo aquelas mais carentes, que não têm condições de pagar a parcela de uma casa popular.

Segundo o prefeito, aproximadamente 300 famílias do município precisam de ajuda e poderão ser atendidas pelo programa, pagando parcelas mensais de no máximo 10% do salário mínimo. As casas serão construídas em alvenaria, em terrenos que a Prefeitura possui espalhados pela cidade.

 “Será feito com recurso próprio do município, com ajuda da esfera federal e estadual. Serão construídas casas em diversos pontos da cidade, não será um conjunto habitacional, pois as residências ficarão espalhadas pelos bairros, conforme a disponibilidade dos terrenos e a necessidade das famílias”, frisou Derbli.

Cada residência custará em torno de R$ 40 mil para ser edificada. E o Município também está buscando parceria com a Cohapar para possível auxílio no custeio de parte do valor das residências.

Pavimentações e outras obras

A continuidade da pavimentação da via de acesso ao Pinho de Baixo já está licitada. De acordo com o prefeito, o deputado federal Evandro Roman liberou R$ 2,5 milhões para dar continuidade ao asfalto, que chegará até a igreja.

Também estão acontecendo as obras do parque da Vila São João e há vários outros projetos já com recursos garantidos. “Das emendas dos deputados há em torno de R$ 15 milhões, fizemos a solicitação em um plano estadual, com os deputados Artagão Junior, Ademar Traiano, Nelson Justos e Alexandre Curi, são recursos que estão praticamente garantidos e serão liberados neste segundo semestre para darmos início em mais obras”, informa Derbli.

Complexo de resíduos

Será lançado nas próximas semanas o projeto “Gestão Ambiental de Resíduos de Irati  (GARI)”. Pensando na situação dos resíduos do município, este projeto foi idealizado para trazer mais qualidade no trabalho das pessoas que fazem a reciclagem e mais organização desta atividade. “Queremos dar toda a infraestrutura, uniforme, alimentação vestiário, banheiro e dignidade para as pessoas no trabalho com os resíduos”, explica Derbli.

O complexo de resíduos de Irati será implementado em um espaço na Vila São João e contará com barracões para diversos tipos de atividades para a correta destinação de diferentes tipos de resíduos.  Haverá um barracão que será para a Secretaria do Meio Ambiente e o outro para serem feitos compartimentos que organizarão os resíduos que não podem ser descartados nem reciclados, por exemplo, lixo eletrônico.“Há também a proposta de uma empresa para fazer o aproveitamento de madeiras como galhos de árvores e serragens, para fazer briquetes. Terá a parte das empresas privadas, que é para a Trans Areia e a Resicon”, conta o prefeito.

Texto: Da Redação/Hoje Centro Sul

Fotos: Ciro Ivatiuk/Hoje Centro Sul

Galeria de Fotos

COMENTÁRIOS