facebooktwitterinstagramgoogle+
Edição 1204 - Já nas bancas!
25/03/2020

Unidade do Erasto em Irati não suspendeu atendimentos para que espaço abrigue pacientes com coronavírus

Unidade do Erasto em Irati não suspendeu atendimentos para que espaço abrigue pacientes com coronavírus

A suspensão temporária do atendimento aos pacientes oncológicos na Unidade Avançada do Erasto Gaertner em Irati gerou muitos boatos na região, além de dúvidas quanto à motivação da medida.

Para esclarecer a decisão de centralizar os atendimentos em Curitiba, o superintendente do Hospital Erasto Gaertner, Adriano Lago, desmentiu boatos e explicou os protocolos que vêm sendo adotados para o atendimento com segurança.

Inicialmente  ele recomenda que é preciso ter calma neste momento em que a pandemia do COVID-19 atinge não apenas uma cidade, região ou país, mas o mundo todo. “A primeira e mais importante dica que a gente tem que trazer a todos é calma; no trabalho, dentro das famílias, dentro da sociedade. E se acalmar passa pela questão de que nem todos pegarão ou terão o COVID-19. E o fato de você ter o COVID-19 não quer dizer que você vai ter uma doença grave. E estamos trabalhando muito na prevenção, para que as pessoas não adquiram o vírus”, destaca Adriano Lago.

Ele também tranquiliza a população regional ao desmentir o boato que a Unidade Avançada do Erasto Gaertner em Irati deixou de funcionar para destinar o espaço para o atendimento de pacientes com coronavírus. “Outro ponto muito importante, esta decisão de vir para Curitiba não tem absolutamente nada a ver em ceder a unidade para o atendimento ao coronavírus, até porque aquela unidade não está preparada para atender este tipo de paciente. É um paciente que se precisar de um acompanhamento médico integral, precisa ser hospitalizado”, relata.

Segundo o superintendente do Erasto Gaertner, a centralização do atendimento  na capital está diretamente ligada ao cumprimento de protocolos de saúde, que são atualizados diariamente conforme a mudança de quantidade de vírus ou de pacientes com a doença,  e ao número de funcionários disponível.  “A gente passou para Curitiba porque aqui, na nossa matriz, nós implantamos vários protocolos, com orientações internacionais de como fazer a primeira avaliação do paciente que chega, como fazer as perguntas e o interrogatório para o acompanhante para saber se a família foi exposta a algum risco, para a gente medir e acompanhar se o paciente está com algum sintoma sugestivo da COVID. Com toda esta segurança é que, depois, a gente vai seguir com um tratamento”, explica.

Quanto aos funcionários, ele comenta que na Unidade em Irati há um número reduzido de colaboradores.  “Então, a falta de um deles pode colocar em risco a segurança do tratamento do paciente. O que é muito diferente de Curitiba. Em Curitiba nós somos em 1.300 colaboradores e mesmo com o afastamento de algum, a gente consegue ter um efetivo para o atendimento de todos os pacientes”, comenta.

 Tratamento

O tratamento para os pacientes da 4ª Regional de Saúde no hospital Erasto Gaertner continuará sendo feito normalmente em Curitiba. “Aqueles pacientes que iniciaram o tratamento  [em Irati] ou já estavam em tratamento, ou em acompanhamento, nenhum deles vai ter nenhum tipo de prejuízo ao seu tratamento, continuarão o seu tratamento aqui em Curitiba”, explica o superintendente do Erasto Gaertner.

Segundo ele, cada caso será avaliado individualmente pela equipe médica do hospital, que dará as orientações. “Qual paciente terá que vir a Curitiba e qual poderá esperar passar a pandemia para ser avaliado? Cada um dos pacientes da 4ª Regional será avaliado, caso a caso, para a gente poder medir, seguindo critérios médicos, se o paciente pode aguardar algumas semanas ou não. É obvio que aqueles que podem aguardar, a gente vai orientar e pedir para que ele fique em casa, mas aqueles que precisam seguir o seu tratamento serão direcionados para Curitiba”, comenta Adriano Lago.

Essa avaliação será para os procedimentos de quimioterapia, de radioterapia, cirurgias e também para os exames. “Aqueles pacientes que precisam dos exames a gente vai fazer o agendamento, eles vão se deslocar até Curitiba, mas aqueles que puderem aguardar, aguardarão, esta espera, este chamamento da instituição”, diz.

Transporte

Para os pacientes que tiverem a recomendação médica de continuidade do tratamento, mesmo com a pandemia de COVID-19, serão feitos agendamentos para atendimento em Curitiba e caberá às secretarias de saúde de cada município da região providenciar o transporte adequado, seguindo as recomendações de higienização e afastamento.

Acompanhante

A orientação do Erasto Gaertner é que os pacientes evitem trazer os acompanhantes, exceto os idosos ou quem realmente dependa da ajuda do acompanhante. Quem necessitar de acompanhante deverá trazer apenas um e esta pessoa não dever apresentar nenhum sintoma de COVID-19, nem ter tido contato com alguém que já teve a doença.

Cuidados com a imunidade

“Paciente oncológico tem a sua imunidade mais baixa, ele precisa ter mais cuidados no seu dia-a-dia, cuidados estes que são informados pela imprensa – distanciamento social, deixe os idosos em casa, procure a higienização mais adequada através de álcool gel, evitar ao máximo os contatos ao rosto, olhos, boca. Então todos estes controles, que muitas fontes estão reforçando, devem ser obrigatoriamente seguidas pelos pacientes em tratamento oncológico”,  destaca o superintendente do Erasto Gaertner.

O que fazer se tiver sintomas de coronavírus

Para a pessoa com sintomas de coronavírus, mesmo que já seja um paciente em atendimento pelo hospital Erasto Gaertner, a recomendação é que procure a unidade básica de saúde do seu município. “Que entrará em contato conosco e daremos todo o suporte”, afirma o superintendente do Erasto Gaertner.

Volta do funcionamento da Unidade em Irati

Assim que a pandemia de COVID-19 terminar, a Unidade Avançada do Erasto Gaertner em Irati voltará a atender. “Tenham toda a certeza e convicção que isso vai passar. O que a gente está trabalhando agora, todos os profissionais de saúde de todo o Brasil, é que aqui passe o mais rápido possível da maneira menos difícil para cada um. Tenho certeza que a gente vai superar isso e, passando esta onda, quando a gente tiver toda a segurança, a unidade Erasto Gaertner em Irati será reaberta e voltará à sua normalidade. Como atuou já nestes quase três anos de operação”, finaliza Adriano Lago. 

Trabalho voluntário

Temporariamente, a Rede Feminina de Combate ao Câncer, de Irati e Curitiba, deixou de atuar no Erasto Gaertner, pois a recomendação é todas as voluntárias fiquem em casa para preservar a sua saúde.

 

Da Redação/Hoje Centro Sul

Classificados