facebooktwitterinstagramgoogle+
Edição 1190 - Já nas bancas!
27/12/2019

Natal reacende a esperança de crianças e adultos em alcançar o que se deseja

Natal reacende a esperança de crianças e adultos em alcançar o que se deseja

 

Uma cartinha com pedido de presente de Natal para o Papai Noel foi deixada em uma caixa de correio aleatória em Irati por familiares do menino Natanael. Conheça a história dessa cartinha e como foi o Natal de Natanael este ano

“Oi. Eu me chamo Natanael. Eu tenho 9 anos. Eu tenho um pedido de Natal para você. Eu gostaria muito de ganhar um carrinho nesse Natal. Eu vou ficar muito feliz se você puder atender meu pedido”.

Foram com essas palavras que Natanael de Oliveira, de 9 anos, iniciou a sua cartinha. Além do pedido, a cartinha tinha as indicações para chegar à sua casa, na localidade de Caratuva, na área rural de Irati.

O que Natanael ainda não sabia é que dali alguns dias estaria sentado, na sala de sua casa, ao lado do Papai Noel.

A Caixa de Correio

Assim como em todo dezembro, a equipe do Jornal Hoje Centro Sul começava a definir pautas que estariam na Edição Especial de Natal. Pergunta dali, pede de lá, mas nenhuma história diferente a ser Natal contada.

Até que um dia, ao conferir as correspondências na caixa de correio de sua casa, um dos integrantes do jornal Hoje Centro Sul se deparou com uma cartinha escrita à mão. Nela, o pedido de carrinho, feito por uma criança de 9 anos.

A cartinha veio parar na redação do jornal e da redação foi para as mãos do Papai Noel. O bom velhinho escolheu um dia para atender exclusivamente o pedido do Natanael. Com a correria desse final de ano, em que o Papai Noel é requisitado em muitos lugares, decidiu ir à casa do menino em uma segunda-feira.

No fim de semana, antes da entrega, mais presentes foram adicionados. Assim, Papai Noel, a ajudante de Papai Noel e a equipe do Hoje Centro Sul seguiram com uma sacola cheia de presentes, além de balas e pirulitos, para o interior de Irati.

A Cartinha

O Natal se aproximava mais uma vez e Ediane Benedito falava a Natanael que não poderia dar o presente devido à falta de dinheiro. Ela e seu marido, Moises de Oliveira, moram em uma casa de alvenaria, na localidade de Caratuva, junto com os filhos Natanael, de 9 anos, e Gabriel, de 10 anos, além dos sobrinhos Eduardo, de 12 anos, e João, de 15 anos.

A casa fica ao lado do barracão de reciclagem de plásticos onde Moises trabalha e foi cedida a eles. Mesmo sem dinheiro, a casa representou uma melhoria de vida para a família. Antes, pagavam um aluguel mais caro em uma casa no bairro Canisianas, em Irati. Toda vez que chovia, a casa alagava e Ediane precisava pegar as crianças, subir para a linha de trem e ficar embaixo de uma árvore, esperando até a água baixar. Hoje já não precisa.

Mas as dificuldades financeiras ainda existem e sua irmã, Amanda Benedito, sabia. Por isso, deu a ideia de que Natanael escrevesse uma cartinha pedindo o presente. “Eu não tinha nem caderno pra fazer a cartinha. Ela [Amanda] trouxe as folhas para escrever, ele fez a cartinha, mas não dava para entender muito bem a letrinha dele”, conta Ediane.

A mãe sentou ao lado do filho e o ajudou a escrever a cartinha. Amanda pegou a cartinha, e junto a Natanel e seus outros dois filhos, que também escreveram, foi à Irati. Lá, entregaram de forma aleatória as cartinhas em caixas de correios de residências da cidade.

A Entrega

Desde que entregara a cartinha, Natanael vivia na expectativa. No domingo (15), tinha passado o dia brincando próximo do portão. “Ele ficou o dia sentado lá fora. ‘Será que o Papai Noel vai trazer meu carrinho?’. Passou o dia sentado esperando o Papai Noel”, conta a mãe.

Mas foi em uma segunda-feira chuvosa que o bom velhinho se dirigiu ao interior. Pergunta daqui, pergunta de lá, até chegar próximo ao barracão. “Será que é aqui?”.

Com um sorriso largo, Natanael já estava na varanda esperando a chegada do Papai Noel. Quando o carro estacionou, o menino correu para encontrá-lo.

Ainda um pouco tímido e sem palavras com a surpresa, Natanael confirmou com a cabeça quando Papai Noel perguntou se era dele a cartinha. Logo depois de Natanael receber o presente, Ediane já chamava todos para entrarem na casa.

Lá, mais presentes, balas e pirulitos foram distribuídos aos irmãos e sobrinhos. Enquanto isso, Natanael já abria o presente e ficava encantado com o carrinho amarelo de controle remoto que havia ganhado.

Sentado no sofá da sala de estar de sua casa, ao lado de Papai Noel, o Natal de Natanael foi diferente este ano.

 

Texto: Karin Franco

Fotos: Karin Franco e Thainá Ferreira/Hoje Centro Sul

 

Galeria de Fotos