facebooktwitterinstagramgoogle+
Edição 1183 - Já nas bancas!
03/12/2019

Desafio: Como se inserir no mercado de trabalho?

3,2 milhões de brasileiros estão há dois anos ou mais buscando por uma vaga de emprego. Especialistas dão dicas para conquistar e manter uma vaga

Desafio: Como se inserir no mercado de trabalho?

A busca por uma vaga no mercado de trabalho tem sido cada vez mais desafiadora. Uma pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostra que a taxa de desemprego no país, apesar de ter diminuído no comparativo com outros anos, fechou neste terceiro trimestre em 11,08%. Ainda segundo o IBGE, 3,2 milhões de brasileiros estão há dois anos ou mais procurado um emprego. Com a competição acirrada, a exigência aumenta e muitos têm dificuldade de inserção. Mesmo assim, o fim de ano sempre traz a esperança de uma oportunidade de emprego temporário e talvez se efetivar em uma empresa.

Em Irati e região, a agricultura – com a necessidade de mão de obra para a safra de grãos –,  e o comércio são as principais  áreas a absorver esse público. “Aqui em Irati, a maior demanda é na questão safra, somos uma cidade essencialmente agrícola. Estamos aguardando agora em dezembro a demanda das lojas para as vagas de vendedores”, conta o gerente da Agência do Trabalhador de Irati, Marcelo de Ávila Francos.

Contudo, experiência e conhecimento têm sido fundamentais para que as pessoas consigam o emprego. “Algumas vagas disponibilizadas na Agência do Trabalhador não requerem experiência, mas a grande maioria requer, e é aí onde temos batido na trave”, disse. 

Buscando um emprego

Mas ter somente qualificação e experiência profissional não são os únicos requisitos que um candidato precisa atualmente. Saber como procurar um emprego e como manter ele também são grandes diferenciais.

Foi com esse propósito que uma palestra, organizada pelo Sesi e pela Agência do Trabalhador de Irati, trouxe dicas a possíveis candidatos. “Chegamos a uma conclusão que a grande dificuldade do trabalhador em Irati hoje, é se recolocar no mercado de trabalho, pela falta de estabilidade na economia”, acredita o gerente da Agência. A palestra ocorreu durante o evento Mundo Senai, realizado no Colégio Sesi em Irati.

Segundo o palestrante, professor Eliézer Antonio Stroparo, apenas entregar currículos não é o suficiente para garantir  um emprego. “Normalmente as pessoas pensam que para buscar uma oportunidade basta apresentar vários currículos. Essa é uma ideia equivocada, afinal muitas pessoas fazem a mesma coisa. Com essa rotina a pessoa vai depender apenas da sorte”, disse.

Planejamento

O professor explica que antes de ir à busca de um emprego é preciso se projetar no mercado, analisando a demanda e a necessidade da profissão. “É importante fazer uma projeção pessoal para o mercado de trabalho, para saber se a profissão que você almeja não está saturada de candidatos, para saber se no momento que você terminar de se aperfeiçoar, vai ter emprego. O primeiro passo é fazer uma análise externa do mercado de trabalho, para saber o que é necessário e se a profissão que deseja será necessária para as pessoas no futuro”, explica o professor. “Se você não tem um sonho, um projeto para o futuro, para qualquer lugar que você vá está bom, precisamos ter metas e projetar expectativas”, complementa.

O próximo passo é buscar por pessoas com experiência na área, pois assim terá recomendações no momento de procurar emprego. “É necessário ter uma rede de contatos profissional. Muitas vezes se têm dois ou três mil amigos nas redes sociais, mas qual a qualidade desses contatos para a profissão que deseja? Você deve começar a construir essa rede de contatos no momento que começa a estudar sobre a profissão, para quando você se formar, ter para quem enviar os currículos com boas recomendações, que vão te ajudar”, orienta.

Currículo

A formatação do currículo também precisa ser vista e prestar atenção ao que a empresa precisa é crucial. “É importante formatar o currículo evidenciando o que você tem de diferencial para aquela vaga, para aquela empresa. Por exemplo, você não pode colocar no currículo que é uma pessoa extrovertida e gosta de conversar com pessoas, se planeja conseguir uma vaga em um escritório. Vai atrapalhar a concentração dos demais. Ou ao contrário, você vai pleitear uma vaga de vendedor e coloca que não gosta de conversar com pessoas, colocando que você gosta de fazer o administrativo. Certamente você não conseguirá a vaga, porque não vai bater com o perfil que a pessoa quer. É necessário fazer vários currículos diferentes, um para cada área que você está procurando”, explica.

Relacionamento

O professor destaca que qualificação profissional e experiência são valorizadas, mas que os empregadores têm cada vez mais exigido também um bom relacionamento entre funcionários. “O maior problema que acontece dentro das empresas não é os funcionários não saberem lidar com os equipamentos, porque conseguimos nos adaptar às tecnologias. O maior problema dentro das empresas hoje é o relacionamento. É importante aprender a seguir normas e entender que sempre vai ter uma hierarquia. Entendo que não é fácil quando alguém chega e manda fazermos algo exatamente como está pedindo, sendo que muitas vezes teria um caminho mais fácil. Porém, acatar sem questionar mostra que você entende essa hierarquia. Isso cria uma boa relação dentro da empresa que trabalha e mostra que sabe se comportar, se relacionar com as pessoas”, disse.

Ele reforça que o bom relacionamento poderá trazer oportunidades. “Hoje as empresas buscam essas experiências de relacionamento e uma ascensão de evolução de cargo. Se você teve uma evolução de cargo, isso mostra a capacidade, e, somado a bom relacionamento, certamente terá muitas oportunidades”, complementa o professor. 

Mantendo o emprego

Após conquistar a vaga, o professor destaca também que o próximo desafio é saber como manter o emprego. “Quando o chefe percebe que você é novo naquela área e precisa de um apoio, ele gosta que pergunte. Porém se você já está há certo tempo no setor e conhece o funcionamento, e mesmo assim espera o comando, aí começa a ser irritante para aquela pessoa que comanda. Hoje as empresas buscam um autogerenciamento, no qual você vai ser seu próprio gerente e administrar suas ações. O empregador quer uma pessoa que tome decisão e resolva os problemas para ele, não quer alguém que traga mais problemas. Nesse momento de tomar decisões difíceis é que entra o bom profissional”, finaliza.

Texto: Da Redação/ Hoje Centro Sul

Foto: Pixabay