facebooktwitterinstagramgoogle+
Edição 1182 - Já nas bancas!
13/11/2019

Casas populares são entregues a 26 famílias de Mallet

Outras 20 famílias já residiam no conjunto habitacional, que recebeu R$ 3,2 milhões de investimentos do Governo do Paraná, Governo Federal e prefeitura.

Casas populares são entregues a 26 famílias de Mallet

Vinte e seis famílias de Mallet, na região Centro-Sul do Paraná, receberam na sexta-feira (8) as chaves da casa própria. Elas se juntam a outras 20 famílias que residem no conjunto habitacional desde junho, e que recebeu em suas duas etapas cerca de R$ 3,2 milhões de investimentos do Governo do Estado, Governo Federal e prefeitura.

Os beneficiários pagarão prestações reduzidas de financiamento em até 360 meses diretamente à Caixa Econômica Federal. O banco é responsável pela gestão dos recursos aplicados nas obras, que são oriundos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

As obras foram executadas pela construtora Martins MA, contratada via processo licitatório organizado pela Cohapar. Segundo o coordenador regional da companhia, Lucio de Castilho, projetos como este são essenciais para a região, onde uma parcela significativa da população não consegue adquirir uma casa própria sem o auxílio do poder público.

“Infelizmente temos um déficit muito grande de moradia na região Sul, por isso a Cohapar trabalhou em conjunto com a Caixa Econômica e a Prefeitura de Mallet, em uma parceria que vai fazer a diferença na vida dessas famílias”, comenta Castilho.

Para o prefeito de Mallet, Moacir Szinvelski, a mudança para as novas casas “vai dar tranquilidade para que o povo se sinta melhor, em um lar de qualidade”. De acordo com o gestor municipal, a cidade ainda carece muito de investimentos em habitação popular. “Por isso, estamos dialogando com a equipe técnica da Cohapar sobre a possibilidade de uso de outras áreas para a construção de mais empreendimentos na cidade”, conclui Szinvelski.

Sonho realizado

A gerente de loja, Ana Aparecida Haziak, de 21 anos, pagava aluguel há quatro anos para morar na cidade. “Agora vai mudar muita coisa, eu vou morar mais perto do trabalho, sem contar que eu vou pagar por uma casa que é minha. É um sonho realizado”, comemora.

Outro beneficiado foi o auxiliar de geofísica, Julio Harmatiuk, 30, que não esconde a felicidade pela mudança. “Eu morava em uma casa de madeira, sem esgoto e em uma rua que não era nem asfaltada, e agora vou pra uma casa de alvenaria, em um lugar bem melhor, pagando menos pela minha casa do que eu pagava de aluguel”, revela.

Texto/Foto: Agência Estadual

Galeria de Fotos