facebooktwitterinstagramgoogle+
Edição 1185 - Já nas bancas!
27/09/2019

Irati tem 1º caso suspeito de sarampo

Irati tem 1º caso suspeito de sarampo

O munícipio de Irati tem seu primeiro caso suspeito de sarampo deste ano. A informação foi confirmada pela 4ª Regional de Saúde. O paciente mora em Curitiba, mas vem regularmente ao município. A identidade não foi divulgada.

O caso foi atendido na última semana pela Santa Casa de Irati, e deve entrar como caso notificado no próximo boletim a ser divulgado pela Secretaria Estadual de Saúde nesta semana. A doença ainda não foi confirmada e os exames ainda estão em análise.

Na última atualização, divulgada na semana passada, 13 casos foram confirmados no estado. Dos novos casos, um foi em Ponta Grossa, um em Curitiba e dois em Maringá. Outros 147 casos ainda estão sob investigação e 20 casos deram resultado negativo para a doença.

Dos 13 casos, oito são de pessoas entre 20 a 29 anos. Outros dois casos estão na faixa etária de 40 a 49 anos. Há ainda casos confirmados de pessoas entre 10 e 19 anos, 30 e 39 anos e 50 a 59 anos.

Os novos casos foram confirmados após 20 anos sem ter um caso da doença no Paraná. O último caso registrado foi em 1999, de uma pessoa que foi contaminada em uma epidemia ocorrida no ano anterior.

Vacina

O aumento dos números de casos de sarampo fez com que o Ministério de Saúde aumentasse a recomendação de quem deve se vacinar.

Agora, bebês de seis meses a 1 ano poderão receber uma dose extra da vacina, chamada “dose zero”, independente se viajarão ou não. “Essa vacinação não é considerada na rotina, então quando completar um ano ela tem que tomar novamente, mas esse público nosso, principalmente de Irati, não foi vacinado ainda”, conta a responsável pela Vigilância Epidemiológica de Irati, enfermeira Denise Homiak Fernandes.

A “dose extra” ajuda na imunidade do bebê. “Não entra para o calendário básico dessa criança, mas é como se fosse uma dose de bloqueio para que ela tenha essa imunidade contra o sarampo”, explica Emanuele Mattos, da Vigilância Epidemiológica da 4ª Regional de Saúde.

A vacina em duas doses de bebês de 1 ano a pessoas com 29 anos continua. Em Irati, a cobertura vacinal dos mais novos é acima de 95%, o que é recomendado pelo Ministério da Saúde. No entanto, não há informações sobre a vacinação de jovens adultos. “Nós atingimos a meta da cobertura preconizada da campanha. Porém, não temos dados da cobertura dos adultos, principalmente, a faixa etária dos 20 a 29 anos, que é uma população que está sendo afetada pelo sarampo hoje. Grande parte dos casos que estão acontecendo é nessa faixa etária”, relata Denise.

Quem tem menos de 29 anos, precisa estar atento se há uma dose faltando. “Todas as pessoas que não tem as duas doses até 29 anos devem buscar uma unidade de saúde pra fazer a dose faltante ou as doses necessárias, nesta faixa etária”, conta Emanuele. Quem não souber localizar, pode ir a um posto de saúde com a carteira de vacinação para verificar se possui as duas doses.

Perda de carteirinha

Se a pessoa perdeu sua carteira de vacinação, precisa tentar fazer uma busca. “Primeira coisa é esgotar todas as possibilidade de busca. Não encontrou realmente a carteirinha, se lembrar da unidade de saúde onde tomou as vacinas quando criança no passado. Busque essa unidade para ver se consegue resgatar um segundo registro”, explique Denise.

Algumas unidades já têm dados digitalizados, mas ainda pode haver unidades com dados manuais. Nesse caso, as unidades podem ter documentado a vacinação. “Por isso é importante buscar a unidade de saúde, porque às vezes a pessoa perdeu o registro físico, mas tem o registro na unidade que foi vacinada” enfermeira da Vigilância Epidemiológica da 4ª Regional de Saúde, Cleusimara Tumasz.

Se não encontrar, a orientação é vacinar-se. “Nós temos um pouco de dificuldade da população desta faixa etária [20 a 29 anos] por perda de carteirinhas, mas na dúvida, ou não tem ou não encontrou a carteirinha, procura a unidade pra fazer a dose. Não vamos deixar que chegue mais perto de nós. A doença já está circulando no estado”, conta Emanuele.

Distribuição

Uma mudança na distribuição a partir de setembro também ajudará a aumentar a vacinação. Isso porque os postos de saúde estão recebendo doses únicas, que podem ser aplicadas a qualquer hora. “A partir de setembro nós recebemos um novo lote de vacinas contra o sarampo. Agora vieram em frascos de doses individuais. A população pode buscar a vacina em qualquer dia nas salas de vacinas. Não há um agendamento para a abertura de frasco. Isso facilita”, relata Emanuele.

Anteriormente, os frascos vinham com mais doses e assim que abertos tinham um tempo determinado para serem usados. Para evitar desperdícios, alguns postos de saúde faziam agendamento.

Agora, a distribuição também aumentou. “Temos uma quantidade razoável de vacina distribuída em todos os municípios da região, em todas as unidades de saúde. Pelo menos 50% a mais do que o uso da rotina normal. É uma quantidade tranquila. Nós temos estoque na Regional pra fazer reabastecimento dos municípios conforme a demanda”, conta Emanuele.

Em Irati, a Secretaria de Saúde garante que há vacina disponível em todos os postos de saúde. “É uma vacina muito importante. A população precisa procurar e estamos com todas as unidades abertas. Agora em outubro vamos estender um pouquinho os horários das unidades então procurem a unidade pra se vacinar. Prevenção ainda é o melhor remédio”, disse a secretária de Saúde de Irati, Jussara Aparecida Kublinski.

Entretanto, os órgãos admitem que se a procura for excessiva pode faltar no fim do dia, mas no próximo dia, o posto já deverá ser abastecido novamente, pois há estoques nos municípios e na 4ª Regional de Saúde. “É só o funcionário buscar mais doses que tem. Não está em falta”, explica Denise.

Sarampo

O sarampo é uma doença causada por um vírus e é facilmente transmitida, através de respiração, fala, tosse e espirro, por meio de micropartículas virais que ficam suspensas no ar.

A pessoa que entrar em contato com o vírus pode demorar de 10 dias a 21 dias para apresentar os primeiros sintomas. Primeiramente haverá febre muito alta, acima de 38,5°C, tosse, coriza, conjuntivite e manchas vermelhas na pele. Também pode ser acompanhada de dor de cabeça e diarreia. A transmissão da doença pode acontecer antes do aparecimento das manchas e se estender até o 6º dia após o aparecimento das manchas.

Pessoas imunodeprimidas, com o sistema imunológico enfraquecido, e crianças abaixo de 5 anos têm mais chances de sofrer complicações. Em crianças, as complicações podem ser pneumonia, infecções de ouvido, encefalite aguda, meningite e até óbito. Nos adultos, a pneumonia é uma das principais complicações. Quem já teve a doença não corre o risco de ser contaminado.

Depois da descoberta

Com a suspeita de um caso de sarampo, as Vigilâncias Epidemiológicas dos municípios são informadas. A partir desse momento, começa a realizar uma investigação dos locais e das pessoas que o paciente teve contato nos últimos seis dias.

O bloqueio da doença é feito através de vacina. Se as pessoas que tiveram contato com o paciente não estiverem imunizadas, elas deverão ser vacinadas.

Não há um tratamento específico para o sarampo, apenas os sintomas da doença são tratados, para reduzir o desconforto ocasionado.

Quem pode se vacinar? Bebês de seis meses a pessoas com 49 anos podem se vacinar:

6 meses a 1 ano – uma dose. Quando o bebê completar 12 meses, ele entrará normalmente no calendário de vacinas, recebendo mais duas doses.

12 meses a 29 anos – precisa ter duas doses da vacina registrada na carteirinha de vacinação. Se não tiver, regularize. As doses são aplicadas em um intervalo de um mês.

30 a 49 anos – apenas uma dose.

Mais de 49 anos – não há necessidade. Apenas em bloqueios vacinais, quando há exposição a um caso confirmado.

Quem não pode se vacinar? Pessoas com imunidade baixa, mulheres grávidas e menores de seis meses de idade. Mulheres amamentando podem se vacinar, e mulheres que queiram engravidar precisam esperar um mês após a vacina para engravidar.

Onde me vacino? Nas unidades de saúde mais próximas, com salas de vacinação.

O que levo? Leve a sua carteirinha de vacinação.

Não tenho mais minha carteira de vacinação. O que faço? Consulte o local onde você já se vacinou para ver se não há registros. Procure informações também nas secretarias de Saúde do seu município. Caso não consiga nenhum registro, a orientação da Secretaria Estadual de Saúde é tomar a vacina. Não deixe de procurar imunização se você não tem a carteirinha.

Campanha Nacional

Uma campanha nacional para a vacinação contra o sarampo será feita a partir de outubro. De 7 a 25 de outubro serão vacinadas crianças de seis meses a menores de 5 anos. No sábado, 19 de outubro, todas as salas de vacinas vão estar abertas. Serão vacinadas as crianças que ainda não possuem as duas doses ou tem uma dose faltando.

Em novembro, a campanha será direcionada aos jovens de 20 a 29 anos. A campanha acontece de 18 a 30 de novembro. No último dia será o Dia D, onde todas as salas de vacinas vão estar abertas durante o sábado, 30 de novembro.

Durante toda a campanha, os postos de saúde continuarão com vacina para os demais públicos.

Texto: Karin Franco

Fotos: Marcelo Camargo/Agência Brasil, Erasmo Salomão/Ministério da Saúde

Galeria de Fotos