facebooktwitterinstagramgoogle+
Edição 1164 - Já nas bancas!
20/08/2019

Quem viajar para SP, RJ e PA deve estar vacinado contra o sarampo

Orientação ocorre após confirmação do 1º caso de sarampo no Paraná depois de 20 anos

Quem viajar para SP, RJ e PA deve estar vacinado contra o sarampo

Pessoas que viajarão para os estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Pará devem estar vacinadas contra o sarampo, especialmente bebês de seis meses a 11 meses. A recomendação é da 4ª Regional de Saúde e foi feita após a confirmação do primeiro caso de sarampo no Paraná em 20 anos.

O caso foi confirmado pela Secretaria de Estado da Saúde na última semana. A paciente é uma mulher de 41 anos, moradora de Campina Grande do Sul, que havia viajado em julho para o estado de São Paulo, que já está com 900 casos confirmados. Há ainda dois casos suspeitos, mas não foram divulgadas mais informações.

A vacina tríplice viral, na qual a vacina contra o sarampo está incluída, deve ser tomada por crianças a partir de 12 meses, sendo que até os 29 anos, duas doses precisam ser tomadas. Dos 30 aos 49 anos, apenas uma dose é necessária.

No entanto, um informe do Ministério da Saúde alerta que crianças de seis meses a 11 meses, que não estão incluídas no calendário normal, tomem uma dose da vacina caso viajem para municípios dos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Pará, para evitar riscos de contaminação. “Que essas crianças que vão se deslocar para esses municípios que [os pais] se informem na sua unidade de saúde para que [os bebês] tomem uma dose da vacina tríplice viral antes da viagem”, explica a enfermeira da Vigilância Epidemiológica da 4ª Regional de Saúde, Emanuele Mattos.

Essa dose extra não substitui as doses normais, e quando o bebê atingir a idade do calendário normal, deve tomar novamente as duas doses.

O alerta para a prevenção também é feito para as outras faixas etárias. “As pessoas nas outras idades até 49 anos tenham seu esquema no calendário vacinal”, diz Emanuele. Já quem possui registro da vacina na carteirinha não precisa tomar novamente.

“A nossa preocupação é que todas as pessoas tenham consciência de que a vacinação só traz benefícios para a vida das pessoas. Previne, é a forma mais barata, mais tranquila para os pais, para as famílias, para não verem os problemas com saúde”, alerta o diretor da 4º Regional de Saúde, Walter Trevisan.

Dificuldade de vacinas

Alguns postos de saúde possuem um dia específico para a realização de vacinas. Isso porque as vacinas vêm em dois frascos, uma individual e outra em 10 doses. “Neste mês, especificamente, temos uma quantidade maior da vacina que está num frasco de 10 doses. Algumas unidades não terão o frasco com a vacina individual e vão ter que fazer um agendamento, porque se eu abro esse frasco com 10 doses da vacina ele tem validade por 8 horas. Se eu abrir num dia preciso usar aquelas 10 doses, ou o máximo de dose naquele dia”, conta Emanuele.

Por isso, o conselho é que as pessoas liguem para os postos de saúde para saber se há um dia específico para a vacinação. Segundo a 4ª Regional de Saúde, todos os municípios de abrangência possuem a vacina.

Sarampo

O sarampo é uma doença causada por um vírus e pode ser facilmente transmitida. “Esse vírus é transmitido através das vias respiratórias, ele tem a característica de se espalhar rapidamente, contaminar as pessoas de forma muito fácil, através das partículas suspensas no ar”, explica a enfermeira da Vigilância Epidemiológica da 4ª Regional de Saúde, Cleusimara Tumasz.

A pessoa que entrar em contato com o vírus pode demorar de 10 dias a 21 dias para apresentar os primeiros sintomas. “A pessoa vai apresentar primeiramente febre muito alta, acima de 38,5°C, não é uma febre baixa. Seguido de uma tosse, coriza, que é a secreção nasal, conjuntivite e aí depois dos sintomas aparece o exantema que é característico do sarampo. São manchas avermelhadas na pele”, relata.

A transmissão da doença pode acontecer antes do aparecimento das manchas e se estender até o sexto dias após o aparecimento das manchas.

Pessoas imunodeprimidas, com o sistema imunológico enfraquecido, e crianças abaixo de 5 anos têm mais chances de sofrer complicações. “Percebemos por uma série histórica de casos que as pessoas mais suscetíveis a complicações são as crianças de 0 a 5 anos”, explica. Quem já teve a doença não corre o risco de ser contaminado.

O sarampo pode causar óbito ou apresentar complicações como otites, infecções respiratórias e doenças neurológicas, e em casos mais graves podem provocar a redução da capacidade mental, surdez, cegueira e retardo do crescimento.

Dúvidas

Onde me vacino? Nas unidades de saúde mais próximas. Antes de ir, consulte a disponibilidade e veja se há um dia dedicado para a vacinação no posto.

O que levo? Leve a sua carteirinha de vacinação.

Não tenho mais minha carteira de vacinação. O que faço? Consulte o local onde você já se vacinou para ver se não há registros. Caso não tenha registros, a orientação da Secretaria Estadual de Saúde é tomar a vacina. Não deixe de procurar imunização se você não tem a carteirinha.

Quantas doses preciso tomar? Até os 29 anos, são necessárias duas doses. Se tiver apenas uma, tem que fazer a segunda dose. Dos 30 a 49 anos, apenas uma dose é necessária.

Quando posso tomar a vacina? Se você for viajar, é preciso fazer a vacina 15 dias antes da viagem para melhor imunização.

Vacina é segura

A vacina é segura e possibilita que o corpo tenha uma resposta imunológica, caso entre em contato com o vírus. “Todos os imunobiológicos oferecidos pelo Ministério da Saúde passam por controle de qualidade, eles passam por processo de armazenamento em todas as instâncias com muito rigor, dentro da temperatura real, então são vacinas de qualidade e a população deve procurar”, Emanuele Mattos.

Texto/Foto: Karin Franco/Hoje Centro Sul