facebooktwitterinstagramgoogle+
Edição 1164 - Já nas bancas!
20/05/2019

Editorial - Mais de mil e quinhentas famílias em luto

Editorial - Mais de mil e quinhentas famílias em luto

O número total de acidentes tem caído nos últimos anos, mas segundo os últimos registros divulgados pelo Detran-PR referentes a 2017, ainda há mais de 47 mil pessoas que ficaram feridas em acidentes que aconteceram no Paraná.

O número é menor do que nos outros anos, mas o leve aumento de acidentes com vítimas emitiu um alerta às autoridades, que cada vez mais enfatizam a necessidade de segurança. A campanha Maio Amarelo é um desses exemplos de como as autoridades tentam alertar para os cuidados no trânsito.

Mesmo com os alertas, o excesso de velocidade ainda é a principal razão para que muitos motoristas percam seu direito de dirigir. O excesso de velocidade também resulta em diversos acidentes, principalmente, colisões que podem acabar vitimando pessoas.

Ao todo, em 2017, foram 1.581 pessoas mortas no trânsito. Dessas vítimas, a maior parte eram homens jovens, entre 19 e 29 anos, que perderam suas vidas nas estradas.

Todas essas vítimas podem ser apenas números no papel, mas na realidade a morte de cada pessoa não só é a perda de uma vida, pois afeta também as famílias de cada uma das pessoas. Por isso, ao olhar o número de vítimas fatais, não devemos pensar em apenas 1.581 pessoas mortas, mas sim, em 1.581 famílias afetadas pelos acidentes de trânsito somente no estado.

Olhando através desse ângulo é possível ter uma sensação maior da dimensão dessas perdas. É a perda de um filho, um marido, um tio, um pai, e tantos outros papeis na sociedade que essa pessoa tinha.

É também a perda de pessoas jovens que estão nos estágios da vida de mais produção, seja no trabalho ou na comunidade.

Por isso, mesmo com a diminuição dos números gerais, o pequeno aumento de acidentes com vítimas assusta. E chama a atenção de nós, sociedade, sobre a importância do cuidado no trânsito.

E este é um papel na sociedade. Dirigir com responsabilidade não depende de um político, autoridade ou qualquer outra pessoa, mas apenas de quem está dirigindo. Se todos (motoristas e pedestres) cumprirem com seu papel no trânsito poderemos ter um trânsito mais seguro.