facebooktwitterinstagramgoogle+
Edição 1134 - Já nas bancas!
10/05/2019

Reforma da Previdência: “Espero que a proposta mude bastante”, diz Leandre

Para deputada federal, proposta precisa passar por algumas mudanças antes de ser aprovada no plenário.

Reforma da Previdência: “Espero que a proposta mude bastante”, diz Leandre

Para a deputada federal Leandre Dal Ponte (PV) a proposta da reforma da previdência discutida na Câmara de Deputados precisa passar por mudanças antes de ser aprovada no plenário. “Espero que a proposta mude bastante”, disse. Ela comentou sobre o seu posicionamento em entrevista ao jornal Hoje Centro Sul nesta segunda-feira (06).

A proposta já passoupela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC), que aprovou a admissibilidade do projeto. Nesta terça-feira (07), uma comissão especial foi montada para começar a discutir os itens do projeto da reforma.

A deputada comentou que vê a admissibilidade do projeto como plausível na CCJC, mas que o projeto fosse apresentado no plenário como está hoje, ela não concordaria. “Tem muitas coisas ali dentro da reforma que eu não concordo”, disse.

Entre os pontos de que discorda está amudança noBenefício de Prestação Continuada (BPC), benefício dado a idosos e pessoas com deficiência que comprove situação de miserabilidade. Segundo a deputada, o beneficio não faz parte do sistema daprevidência e deve ser retirado da proposta de mudança, deixando-o como está agora.  “Isso não tem nada haver com a previdência, só é pago pelo INSS que operacionaliza o pagamento, mas é um auxílio assistencial, então isso tem que estar fora”, argumentou.

Outra questão é a aposentadoria rural. Para a deputada, este tipo de aposentadoria precisa ser repensada, especialmente levando em consideração o pequeno agricultor ou o agricultor familiar. “É esses que se quer tirar da reforma, que se quer que contribua diferente do que contribui hoje. Parece que R$ 50 por mês não é nada, mas para algumas famílias é muito dinheiro sim”, disse.

O aumento da idade mínima para aposentadoria também é questionado. Segundo a deputada, o país precisa criar condições para a geração de empregos, mas estar atento que tanto jovens como pessoas mais velhas possam conseguir uma colocação no mercado. A deputada ainda comentou que muitas mulheres não conseguem se aposentar na idade mínima e precisam esperar em média um ano e meio a mais para conseguir comprovar o tempo mínimo de contribuição. Por isso, ela deve apresentar uma emenda à reforma para tentar corrigir esta situação. “Toda mulher que for se aposentar, que não tiver o tempo mínimo ou idade, e exclusivamente cuidou de alguém com deficiência da sua família ou um idoso sem remuneração, também uma criança na fase da primeira infância, vai poder descontar esse tempo do tempo de contribuição obrigatória”, disse.

Conselhos

Outro ponto que tem sido discutido pela deputada é a retirada da obrigatoriedade da anuidade para Conselhos Regionais que está sendo discutida no Congresso, tornando esse pagamento facultativo. A deputada é favor da obrigatoriedade desse pagamento. “Quando foi criado era pra que existisse a fiscalização da atividade profissional. Isso não é um serviço pro conselho diretamente, pelo contrário, é um serviço pra sociedade”, disse.

Plano de drenagem

A deputada também participou da audiência pública realizada na Câmara de Vereadores de Irati, nesta segunda-feira (07). A audiência apresentou um Plano de Drenagem para o município. A deputada foi autora da emenda que disponibilizou R$ 300 mil para a realização do plano.

Segundo a deputada, o plano ajudará o município a realizar obras que serão eficientes nos próximos 30 anos. “A geografia do município principalmente da área urbana ela é atípica. Nós moramos quase que dentro de uma concha em alguns lugares. Não dá para pensar só emmitigar em baixo, aonde as águas transbordam e causa os alagamentos, se não pensar no município como um todo. Ver todos esses canais por onde a água passa para que possamos fazer uma bacia de contenção e tudo isso não dá para fazer sem um planejamento, um estudo prévio”, disse.

Da Redação/Hoje Centro Sul

Foto:Jonas Stefanechen/Hoje Centro Sul

Galeria de Fotos