facebooktwitterinstagramgoogle+
Edição 1148 - Já nas bancas!
29/04/2019

Política em Questão - Por Letícia Torres e Ciro Ivatiuk

Política em Questão - Por Letícia Torres e Ciro Ivatiuk

Lula condenado

A decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) de manter a condenação do ex-presidente Lula pelo caso do triplex do Guarujá (SP) foi recebida com preocupação pelos petistas. Depois de ser condenado pelo então juiz federal Sérgio Moro em primeira instância e em segunda instância por um colegiado do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, agora Lula foi condenado por quatro ministros de um colegiado do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ou seja, em terceira instância.Isso enfraquece de forma significativa a chamada “narrativa do PT” de que Lula é um perseguido político da Justiça no Brasil, que queria impedir a candidatura dele em 2018.

 

Mutirão de conciliação

Um mutirão de conciliação para acordos de processos e renegociações de dívidas já ajuizadas ocorrerá na Comarca de Irati durante o mês de maio.  De acordo com a Aciai, os empresários que possuem créditos a receber, poderão fazer acordo com seus clientes que possuam dívidas de até 60 salários mínimos. E no dia 18 de maio, das 9h às 16h, em frente à sede do Fórum, na rua 19 de Dezembro, ocorrerá o Dia da Cidadania. Para este dia estão programadas audiências, atendimentos jurídicos, orientações, distribuições de vacinas, confecção de carteira de identidade e de trabalho, inscrição no cadastro de vagas de emprego, consultas ao SPC,entre outros serviços.

 

Deputado Aliel Machado é xingado de “vagabundo”

Na sessão desta quarta-feira (24), o deputado federal Aliel Machado (PSB-PR) se pronunciou sobre as articulações feitas pelo governo para a aprovação da Reforma da Previdência, que está sendo debatida na Câmara Federal.  Ao se manifestar, ele falou que “o governo ofertou R$40 milhões para comprar votos, está ofertando cargos, acertando os deputados. Essa conversa aconteceu na casa do presidente Jair Bolsonaro. Os parlamentares estão se vendendo”, alegouele.O parlamentar não conseguiu terminar a fala e acabou sendo interrompido aos gritos de “vagabundo”. E, na sequência, houve um princípio de tumulto. O deputado federal José Medeiros (PODE-MT) ainda emendou “não nos meça pela sua régua”.Já deputados do PSLdefenderam o governo Jair Bolsonaro:“O governo Bolsonaro não faz nada disso. O senhor vai ter que provar isso, o senhor traz uma denúncia vazia para este plenário, o senhor vai ser levado para o Conselho de Ética”, disse Daniel Freitas (PSL-SC) a Aliel Machado.Nelson Barbudo (PSL-MT) pediu para “chamarem o camburão” para a oposição. “Se tudo que a imprensa publica é verdade, pode chamar o camburão porque dizem que o PT é uma quadrilha”.

 

Derbli visita Artagão Junior 

O deputado estadual Artagão Júnior (PSB) recebeu o prefeito de Irati, Jorge Derbli (PSDB), nesta terça-feira (23), oportunidade em que foram discutidos projetos do município que aguardam autorização do Governo do Estado.“Estamos aguardando principalmente a liberação de recursos da SEDU (Secretaria do Desenvolvimento Urbano), como é o caso do asfalto de acesso ao IFPR”, disse o prefeito.Já licitada, a obra aguarda homologação do Estado para que tenha início. Os recursos giram em torno de R$ 480 mil.

 

Lula Thomaz busca recursos na capital

O prefeito de Teixeira Soares, Lula Thomaz (PSB), e a vice, Juliana Belinoski (PSC),acompanhados pelo deputado estadual Alexandre Curi(PSB) estiveram esta semana na Secretaria do Desenvolvimento Urbano (SEDU), com o secretario João Carlos Ortega, para o início de tratativas visando a construção de um novo cemitério na Colônia Nove. Prefeito e vice receberam também do secretario a notícia que o município de Teixeira Soares receberá mais um rolo compactador, solicitado através do deputado estadual Alexandre Curi.

 

Itaipu rescinde R$ 42 milhões em convênios

O diretor-geral brasileiro da Itaipu Binacional, general Joaquim Silva e Luna, determinou a reavaliação de diversos convênios. Os que foram considerados fora dos padrões estabelecidos pela nova diretoria foram cancelados.Um dos primeiros exemplos foi o corte do repasse de verbas para o convênio com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), que promove o VII Fórum Jurídico de Lisboa, de 22 a 24 de abril, em Portugal.O convênio foi assinado em novembro do ano passado. No mês seguinte, foram repassados para a fundação R$ 2.492.375. A partir de fevereiro, com a posse do diretor, o convênio foi analisado e, por não ser considerado aderente à missão de Itaipu, foi determinado seu cancelamento.“Sou favorável a convênios que deixem legado para a sociedade, como obras estruturantes ou que gerem um impacto social mensurável, e não em 'coisas que no dia seguinte terminam'.”, diz Silva e Luna.