facebooktwitterinstagramgoogle+
Edição 1148 - Já nas bancas!
25/04/2019

Política em Questão - Por Letícia Torres e Ciro Ivatiuk

Política em Questão - Por Letícia Torres e Ciro Ivatiuk

Ratinho Jr. e Sandro Alex buscam investimentos para o Paraná na China

O governador Ratinho Junior (PSD) e o secretário de Estado da Infraestrutura Logística, Sandro Alex (PSD) viajaram para a China para apresentar oportunidades de negócios e prospectar novos investimentos para o Paraná.  O mercado chinês é o principal destino das exportações paranaenses, 44% do total exportado em 2018. Em Shangai, eles participam de reuniões com representantes do Fundo de Investimentos Brasil-China, interessado em projetos sobre estrutura portuária e ferrovia. E outro compromisso da comitiva é marcar presença na 22ª Conferência Mundial de Dragagem. O governador e o secretário, além do presidente dos Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia, que também os acompanhou permanecem na China até o dia 27. Entre os dias 21 e 27 de abril, o vice-governador Darci Piana permanece no comando do Paraná.

 

Derbli e Darci Piana

Nesta terça-feira (23), o prefeito de Irati, Jorge Derbli (PSDB,) participou da posse da nova diretoria da Associação dos Municípios do Paraná (AMP). O prefeito de Pérola, Darlan Scalco, assumiu a presidência da entidade.  Na ocasião, Derbli aproveitou para ter uma conversa descontraída com o governador em exercício, Darci Piana, lembrando-o das demandas de Irati.

 

Hussein, o “salvador da pátria”

Tudo o que a ex-governadora Cida Borghetti (PP) prometeu fazer por Irati no apagar das luzes, antes da confirmação de sua candidatura derrotada ao Governo do Paraná, e não fez, agora o deputado estadual Hussein Bakri (PSD) está prometendo fazer. São convênios e mais convênios, inclusive os que foram cancelados. Hussein não quer só ser o pai de uma criança, pretende manter um orfanato inteiro. Terá ele acesso real a tantos recursos do Estado, tempo e disposição para fazer tudo o que disse? Seria o peso da cobrança dos representantes do parlamentar que fizeram os míseros 272 votos para Hussein em Irati nas eleições 2018?

 

Promessas de “destravar”

Vamos aos projetos que o deputado estadual Hussein Bakri (PSD) prometeu
“destravar”, conforme  entrevista concedida ao radialista da Najuá e secretário de Comunicação da Prefeitura de Irati, Sidnei Jorge(PSD): instalação de câmeras de vigilância, convênio 676/18, assinado em 3 de abril de 2018, no valor de R$ 315.810,00, que foi cancelado; convênio 811/18, assinado em 15 de abril de 2018, no valor de R$ 1.052.700,00, para pavimentação de ruas no bairro Riozinho, que foi cancelado;  convênio 274/18, de R$ 3.154.100,00, para construção do Centro de Eventos no CT Willy Laars; convênio 185/17,  no valor de R$ 473.715,00 para a pavimentação da Rua Augusto Anciutti Sobrinho, que é a via de acesso ao Instituto Federal (IFPR), que aguarda homologação da SEDU. No dia 21 de março deste ano o prefeito Jorge Derbli (PSDB) já esteve com o secretário da SEDU, José Carlos Ortega, que confirmou que a licitação para que a rua de acesso ao IFPR seja pavimentada será homologada.  Fica uma dúvida, a palavra do próprio secretário Ortega ao prefeito não vale? É preciso mais uma promessa de um deputado dizendo que vai falar com o mesmo secretário para que ele faça o que já se comprometeu em fazer?

 

Mais promessas

Hussein Bakri (PSD) também prometeu que vai reivindicar que o Corpo de Bombeiros de Irati deixe de ser subordinado à Ponta Grossa, sendo elevado aSubgrupamento Independente do Corpo de Bombeiros. A elevação foi anunciada pessoalmente pela então governadora Cida Borghetti (PP) em 13 de dezembro de 2018, em Irati, mas a mudança nunca se concretizou. Outra “repromessa” é de pleitear junto ao Estado a construção de um Colégio Militar em Irati. 

No mês de julho de 2018, o deputado federal Evandro Rogério Roman (PSD) declarou à Najuá que o governo federal já havia empenhado o recurso de R$ 4,3 milhões para construção de um colégio militar com 12 salas em Irati. Será que a ideia é termos dois colégios militares na cidade? Ou são palavras ao vento, de novo?