facebooktwitterinstagramgoogle+
Edição 1158 - Já nas bancas!
18/04/2019

Ovo de Páscoa ainda é o presente preferido na Páscoa

Levantamento do CNDL/SPC Brasil mostra que 79% dos entrevistados escolherá o tradicional ovo da páscoa para presentear

Ovo de Páscoa ainda é o presente preferido na Páscoa

Cerca de 113, 2 milhões de pessoas devem gastar com a compra de presentes e chocolates durante a Páscoa neste ano, de acordo com levantamento da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil).

O levantamento ainda indicou que 79% dos entrevistados escolherá o tradicional ovo da páscoa para presentear. É o caso de Anderson Scharlau. “A preferência por escolher o ovo foi pelo conhecimento sobre minha mãe e namorada”, disse. Cleide Batista conta que decidiu presentear o filho, sobrinho e afilhados com ovos da páscoa. “Não vejo diferença da barra para o ovo, só o tamanho mesmo. É mais pelo símbolo da Páscoa”, conta.

Já outros 71% indicaram que preferirão bombons e barras de chocolate. É o caso de Gustavo Pioli, que optará por outros chocolates por causa do preço. “Vou dar caixa [de bombons], porque se for dar ovo gasta muito dinheiro. Pelo custo benefício, acho mais vantajoso dar uma caixa”, conta.

O preço também é o principal motivo de escolha para Nilce Kosieski. “Uma caixa de chocolate rende muito mais do que um ovo, que é só uma casquinha, a não ser que seja um ovo recheado. E também por ser muito mais barato”, conta.

Expectativa

A Páscoa para a indústria é de muita expectativa. Segundo o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Amendoim e Balas (Abicab), Ubiracy Fonsêca, no ano passado houve crescimento na área. “Na Páscoa de 2018 foram produzidas mais de 11 mil toneladas de ovos e produtos de Páscoa, número 26% maior do que o total de 2017”, conta.

Além disso, neste ano houve aumento de negócios. “O Brasil tem uma das maiores Páscoas do mundo que gera, neste período do ano, um aumento significativo de empregos e negócios. Em 2019, por exemplo, foram gerados mais de 18 mil empregos temporários pela indústria”, explica.

É possível ver o otimismo com as empresas também. “Estamos otimistas para esta Páscoa e podemos afirmar que foram colocados mais de 12 milhões de ovos de páscoa no mercado, crescimento similar ao do mercado total de ovos de páscoa”, conta Keila Broedel, gerente de marketing de sazonais da Nestlé.

Preço

Mesmo com o otimismo do mercado, o levantamento da CNDL/SPC Brasil mostrou que 86% dos consumidores devem ir pesquisar os preços antes de comprar. E a medida tem sentido, já que somente em Curitiba, o Procon-PR encontrou uma variação de até 94% de preços do mesmo item em lugares diferentes.

Apesar de comentar os preços, o presidente da Abicab conta que o preço do chocolate durante o ano inteiro é impactado de diferentes maneiras, mais do que o custo do cacau. “O açúcar e o leite, por exemplo, assim como a variação do dólar, contratações, distribuição e impostos, também influenciam na formação do preço. No caso dos ovos de páscoa, há de se considerar um processo de produção de alta complexidade, custos de embalagem, armazenagem e logística”, explica.

Nesses casos, são muitos fatores que interferem no valor agregado. “Para entender o valor agregado é necessário considerar que o processo de embalagem é manual e utiliza materiais maiores e mais sofisticados que os de uma linha de chocolates regular, produzidos fora do período de Páscoa. Somado a isso, a fragilidade do produto é fator que exige dos fabricantes processos especiais de produção, logística e armazenamento. Por fim, para atender à demanda do período de Páscoa, as indústrias precisam contratar profissionais temporários, que muitas vezes permanecem em atividade nas companhias por até seis meses”, relata.

Estratégia

Para atrair os consumidores, as empresas têm encontrado diversos atrativos. Um dos exemplos é com a empresa Nestlé que tem trabalho com a Realidade  Aumentada como forma de atrair o público. Através de um aplicativo no celular, quem tiver um ovo de páscoa da linha Nestlé Surpresa, ganhará além da miniatura, um disco de metal que poderá ser usado na realidade aumentada.

“Quando lido por meio do aplicativo, mostra o animal se movimentando e interagindo através do celular. Além disso, o app traz informações sobre o bichinho e seu habitat – elaboradas em parceria com o Animal Planet, reforçando o objetivo da marca em trazer um conteúdo educativo para os pequenos”, explica Keila.

Mercado do chocolate

Para o presidente da Abicab, a indústria do chocolate no Brasil tem potencialidades até mesmo fora de períodos festivos. “O brasileiro ainda consome pouco chocolate se comparado a outros mercados e tem potencial para crescimento. Adicionalmente, o poder aquisitivo e o nível de emprego também contribuem para o comportamento de compra. Temos uma indústria consolidada, que tem oferecido inovações e produtos de qualidade, preparada para atender este aumento de demanda”, conta.

Ele ainda destaca que o mercado do chocolate tem crescido no país. “Em 2017, foi possível observar uma leve melhora no quadro de produção do setor de chocolate, incluindo achocolatado em pó e, em 2018, tivemos um crescimento de 6,5%. Ainda em 2018, de acordo com dados do Euromonitor, o faturamento total do mercado de chocolates no Brasil somado toda a venda e não apenas Páscoa, foi de R$ 13,3 bilhões”, relata.

Texto: Karin Franco/Hoje Centro Sul

Fotos: Jonas Stefanechen/Hoje Centro Sul

Galeria de Fotos