facebooktwitterinstagramgoogle+
Edição 1177 - Já nas bancas!
12/03/2019

Mulheres tem maior grau de estudo, mas ainda ganham menos

Pesquisa do IBGE mostra que mulheres possuem maior nível de escolaridade que homens, porém, elas continuam ganhando menos. A diferença salarial é de mais de R$500 entre os gêneros

Mulheres tem maior grau de estudo, mas ainda ganham menos

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que mesmo com maior grau de estudo, mulheres ainda ganham menos que os homens. Os dados mais atualizados são de 2017 e foram divulgados no ano passado. As informações integram a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua) divulgada anualmente.

Elas estudam mais

De acordo com os dados,as mulheres com 25 anos ou mais estudam em média 9,3 anos, frente aos homens, que estudam em média, 8,9 anos. Os anos de estudos cresceram em ambos os gêneros comparado a 2016, quando mulheres estudavam 9,1 anos e homens, 8,7 anos.

Os dados ainda mostram que 17,5% das mulheres possuem nível superior completo, um aumento de 0,6% comparado a 2016. Já entre os homens, o percentual (13,7%)cresceu apenas 0,2%, considerado estagnado pela análise do IBGE.

No ensino médio ou com superior incompleto, as mulheres também estão à frente dos homens, mas com uma diferença menor. Em 2017, 30,6% possui o ensino médio ou superior incompleto, um aumento de 0,9% em relação a 2016 (29,9%).Entre os homens, o percentual em 2017 cresceu 0,6%, mas ficou em 30,2%.

Ao se olhar a taxa ajustada de frequência escolar líquida ao ensino médio das pessoas de 15 anos a 17 anos é possível ver que são elas que mais vão à escola. Entre as mulheres, a taxa de frequência líquida é de 73,5% em 2017, frente a 63,5% nos homens.

Mas ganham menos

No entanto, na prática, o maior grau de estudo não se traduz em maior rendimento. Dados sobre o rendimento mensal real de todos os trabalhos mostram que a média mensal é maior para homens do que para mulheres.

No país, a renda média mensal é de R$ 2.410 para homens e R$ 1.868 para mulheres, uma diferença de R$ 542 entre gênero. A média mensal geral é de R$2.178.

Na região Sul, a diferença também é percebida, com os homens ganhando R$ 646 a mais que mulheres. Os dados mostram que os homens possuem uma renda média mensal de R$ 2.676 e as mulheres, de R$2.030. A média geral é de R$ 2.397.

Analfabetismo

Ainda houve diminuição dos índices de analfabetismo entre mulheres com mais de 15 anos. Em 2016, 7% das mulheres com 15 anos ou mais eram analfabetas. Já em 2017, o cenário mudou, e o índice de analfabetismo baixou para 6,8%. Entre os homens, o analfabetismo baixou também passando de 7,4% em 2016, para 7,1% em 2017.

Texto: Karin Franco

Foto: Pixabay