facebooktwitterinstagramgoogle+
Edição 1119 - Já nas bancas!
06/03/2019

Política em Questão - Por Letícia Torres e Ciro Ivatiuk

Política em Questão - Por Letícia Torres e Ciro Ivatiuk

Adriana Baumel fica no comando da Seab

O secretário de Estado da Agricultura e Abastecimento, Norberto Ortigara já bateu o martelo: que comandará o núcleo regional da secretaria, a Seab de Irati, será a engenheira agrônoma Adriana Baumel. A escolha foi técnica e deverá trazer bons frutos para a região. Competente e dinâmica, Adriana teráagora mais liberdade para gerir aSeab e propor novos projetos para atender as demandas dos agricultores da região, que ela conhece bem.

 

Artagão Júnior defende a Santa Casa

Na terça-feira (26), em sua primeira visitaao novo secretário de Estado de Saúde, Beto Preto, o deputado Artagão Júnior (PSB) levou reivindicações de Irati. Além de pedir atenção especial à conclusão das obras dos hospitais regionais de Ivaiporã e Guarapuava, o parlamentar tambémapresentou a Beto Preto as demandas da Santa Casa de Irati.

 

Obras a todo vapor 

Em Teixeira Soares, as obras para melhorar a infraestrutura das ruas dos bairros da cidade não param. Graças às medidas para economizar adotadas em 2018 pelo prefeito Lula Thomaz(PSB) e pela vice Juliana Belinoski (PSC) já são realidade as pavimentações de ruas no Parque Cidade Nova e no bairro Blumenau. A boa gestão dos recursos garantiu a contrapartida do município para que as obras ocorrerem. Recentemente foi feito asfalto na ruaEmídio Costa Sobrinho e calçamento em ruas do Blumenau. 

 

Três pontos de uma polêmica

Nesta semana, o ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez,  colocou o MEC no centro de uma polêmica tosca no início desta semana. Ele enviou comunicado às escolas, para ser lido aos estudantes, solicitando que fosse cantado o Hino Nacional e que as escolas filmassem a ação e enviassem ao MEC. Ao final do comunicado, constava o slogan de campanha de Bolsonaro. Vamos dividir a polêmica em três pontos: Hino, filmagem e slogan de campanha.

 

Três pontos de uma polêmica II

Quanto ao Hino Nacional, de acordo com a Lei 5.700/1971, ainda em vigor no país, é obrigatório que ele seja cantado nas escolas. O Art. 39 da lei diz:“É obrigatório o ensino do desenho e do significado da Bandeira Nacional, bem como do canto e da interpretação da letra do Hino Nacional em todos os estabelecimentos de ensino, públicos ou particulares, do primeiro e segundo graus”. Quanto à filmagem de crianças e adolescentes nos estabelecimentos de ensino, ela só pode ocorrer com a autorização dos pais – fato ao qual o MEC deveria ter se atentado. Neste contexto, cabe a cada escola decidir se pedirá tal autorização ou não. Entretanto, dados recentes apontam que 30% das escolas de ensino fundamental do país sequer tem internet para poder atender à proposta do ministro. Sobre pedir para leitura de slogan de campanha em escolas, foi uma solicitação ilegal e estapafúrdia do ministro Ricardo VélezRodríguez, que já teve manifestação do Ministério Público Federal pedindo esclarecimentos. Depois da polêmica, o ministro admitiu o erro e voltou atrás. Permanece apenas o pedido para que o Hino Nacional seja cantado e que a filmagem ocorra se houver autorização dos pais. Quanto ao slogan de campanha, foi enviado novo comunicado às escolas sem ele.