facebooktwitterinstagramgoogle+
Edição 1112 - Já nas bancas!
28/01/2019

Editorial - Traição, vingança e consequências

Editorial - Traição, vingança e consequências

A traição é um assunto que é muito falado no dia a dia das pessoas. Alguém soube que um casal se separou por este motivo, traições de celebridades entram na roda de conversa e sempre alguém conhece alguém envolvido numa traição, seja o traidor ou o traído.

No entanto, entre os julgamentos, fofocas e posicionamentos, pouco se fala realmente da traição. Seus reais motivos, modos de encarar e formas de superar a traição desaparecem em meio à avalanche de informações que esses casos trazem consigo.

Junto a isso a exposição na internet piora a situação, principalmente se há alguma vingança envolvida nesse processo. Na maioria das vezes essa vingança é filmada e exposta na internet, onde os julgamentos ocorrem sem cuidado algum.

Para os psicólogos, a vingança não é um caminho recomendável para conseguir reagir a uma traição. Com o objetivo de ferir o outro, a pessoa traída pode acabar se ferindo, não resolvendo a situação.

Os psicólogos ressaltam que a traição é motivada por diversos fatores, sendo que ela acontece não por causa apenas de uma pessoa do relacionamento, mas sim, das duas pessoas que estão nesse relacionamento. Medo de ficar sozinho, procurar soluções emocionais em outras pessoas e se acomodar em uma situação são meios que , muitas vezes, levam a uma traição.

Quando acontece, a indicação é que se procure ajuda. Alguns encontram ajuda na área pessoal, com amigos e familiares, outros na área profissional, com terapias. Mas o que é necessário é que os afetados pela traição – traído e traidor – possam ter um momento para refletir porque se chegou a essa situação. Esse exercício não é algo individual, mas também precisa ser feito em conjunto, para que se consiga vislumbrar a real situação do casal.

Após essa etapa, é que será possível ter um caminho. Para alguns, a separação é inevitável, para outros, é possível perdoar. Vale destacar que esse perdoar, envolve esquecer. Dizer que perdoou e na primeira dificuldade, usar a traição como forma de persuadir o outro, não é perdoar, mas sim, mentir para si mesmo.

Enfim, esse caminho de entendimento e compreensão precisa ser realizado em conjunto, pelas duas partes, para que assim haja uma luz no fim do túnel para esse momento.