facebooktwitterinstagramgoogle+
Edição 1099 - Já nas bancas!
22/11/2018

Editorial - Saúde do homem

Editorial - Saúde do homem

No início do mês, o Ministério da Saúde divulgou uma pesquisa mostrando que a participação do homem nas consultas de pré-natal os tem motivado a cuidar mais da saúde. No Paraná, 78% dos homens que participaram de todo o processo afirmaram que a motivação apareceu.

No entanto, não basta apenas motivação. Quando perguntados sobre a frequência de consultas, 34% afirmaram não ter hábito de procurar estabelecimentos de saúde e 55% desse total, afirmou não ter ido porque nunca precisou, faltou interesse ou porque não gosta de hospital.

A falta de procura por exames e consultas por parte do homem é extremamente preocupante. Isso porque sem esse acompanhamento, não é possível diagnosticar doenças de forma mais cedo, e sem esse diagnostico no início da doença, fica cada vez mais difícil combatê-la. Além disso, doenças que poderiam ser tratadas de forma simples, não são tratadas, e a procura por tratamento acontece somente mais tarde, quando a doença já está avançada, precisando de tratamento mais sofisticados e maiores para conseguir combater.

É algo positivo saber que é possível motivar os homens a procurar ajuda, mas é difícil conseguir fazer com que ele de fato vá até um posto de saúde por conta própria para realizar acompanhamento. Por isso, neste mês é comemorado o Novembro Azul, uma campanha que procura dar atenção à saúde do homem e conscientizar sobre a necessidade imprescindível de alguns procedimentos que são vistos como menores para muitos.

Mas mais do que isso, o mês serve para discutirmos o assunto. Olharmos para a nossa sociedade e procurarmos o que pode ser feito para que esta situação possa mudar. Um dos exemplos é que para muitos homens, estar doente ou procurar por uma ajuda médica é sinal de fraqueza ou perda de masculinidade. O que não é verdade.

A procura de ajuda é a conscientização de que há um problema e que ele precisa ser arrumado. Mas mais ainda, o acompanhamento frequente da saúde, ainda mais em idades avançadas, é uma forma de cuidado da autoestima e valorização do homem, que não está preocupado apenas em situações materiais, mas também em se cuidar e em consequência, cuidar das pessoas que estão próximas.