facebooktwitterinstagramgoogle+
Edição 1142 - Já nas bancas!
03/10/2018

Conhecimento antigo, ervas medicinais voltam a ser popularizadas

Conhecimento antigo, ervas medicinais voltam a ser popularizadas

As ervas medicinais, que costumavam ser usadas pelas nossas avós e bisavós para curar vários problemas de saúde, tem aos poucos voltado à tona. Sobretudo, entre as pessoas que têm buscado alternativas mais naturais para cuidar da saúde. E o público jovem têm se interessado por isso.

Não só as pessoas mais idosas, os mais novos procuram bastante. Hoje o produto natural tem atingido todas as idades. As pessoas jovens também têm dores”, comenta Francielli Vidal, que é vendedora em uma loja que comercializa produtos naturais em Irati, a Sabor &Saúde.

No entanto, mesmo com o aumento da procura pelo estilo de vida mais natural, muitos ainda desconhecem a forma de utilizar as ervas medicinais e as veem como um “costume antigo” ou apenas como “um chá gostoso”.

Isso preocupa o Movimento Aprendizes da Sabedoria (MASA), das Benzedeiras de Irati, que percebem que muitos conhecimentos não estão mais sendo passados de pai para filho. “Tem essa preocupação, muitas vezes os jovens estão em cima da planta medicinal e não têm o conhecimento sobre a erva, pisam em cima e não sabem que pode ser um remédio”, relatou Antônio Michel Kuller, assessor do Movimento.

Faz mal?

Não há contraindicações para o consumo de chás. Mas o efeito de cada planta deve ser analisado de acordo com as características de quem irá consumir.

Algumas plantas energéticas para quem tem pressão alta não são indicadas, porque pode acelerar o coração. Para dor de cabeça o capim-limão, que é calmante, se a pessoa já tem a pressão baixa – por ser relaxante –, pode ser que baixe mais a pressão. Então sempre temos que perguntar para o cliente. Mal não vai fazer, só que tem que ter esse cuidado, tem limite”, comentou Francielli.

Logo, a regra é evitar o exagero e buscar conhecimentos sobre de como cada planta age no organismo.

Outro fator que merece atenção é modo de preparo, pois caso seja feito de maneira errada, o chá não trará resultados. “Alguns chás não podem ser cozidos, como é o caso da ameixeira, porque tira todo o efeito de cura. Tem que ser feita a infusão, que é abafar a planta com vapor. Cada planta tem seu modo de preparo, algumas são cozidas, outras é feita a infusão, algumas é só amassar e utilizar”, explicou Sebastiana Ferreira, benzedeira do movimento.

Ervas mais procuradas

Ervas para gripe, tosse e dores em geral despertam maior interesse e podem ser uma ótima opção financeira. “Tem um produto que vende muito aqui, o cura-tosse. A composição tem só plantas naturais – guaco, assa-peixe, própolis e mel. Ajuda a combater a gripe, bronquite e qualquer tipo de tosse seca. É um composto bem completo e um dos que mais vendemos. Em dois, três dias já se sente a diferença. Sai bem mais em conta do que comprar o remédio e dá resultado até mais rápido”, afirma Francielli.

Para Antônio Michel Kuller, assessor do Movimento Aprendizes da Sabedoria, a medicina caseira pode se tornar uma boa opção para as famílias. “É um gasto que a família deixará de ter usando plantas medicinais. Para isso precisamos do apoio dos políticos, para praticar mais nas escolas a medicina caseira, tradicional”, explicou Antônio Michel.

Para as benzedeiras a ameixeira, manjerona, o agrião, a erva-doce e a folha da banana são as mais comuns e de maior benefício.

Outra opção

Muitas pessoas acabam deixando de utilizar as ervas medicinais pela falta de tempo para o preparado do chá. Então, outra opção são as capsulas. “Temos diversas opções de ervas em cápsulas. Como todo mundo tem uma rotina muito puxada, nem sempre é possível fazer o chá”, comenta a vendedora da loja de produtos naturais. Ela acrescenta, “a cápsula é bem mais prática, carrega em qualquer lugar”.

Isso também costuma ser feito por quem utiliza os remédios farmacêuticos. Entretanto, os efeitos colaterais podem ocorrer para alguns. “Muitas pessoas tomam remédio para dor de cabeça, carregam junto. Uma cliente nossa tomava há dez anos, prejudicou muito a saúde dela. Ela procurou os produtos naturais e tem ajudado, não só aliviado, porque o remédio manipulado acabou só aliviando, não resolvendo o problema, e o natural ajuda a resolver”, defende Francielli.

Produtos das benzedeiras

Produtos comercializados pelas benzedeiras podem ser encontrados na casa do Artesão de Irati, próximo à Casa da Cultura, no centro de Irati.

Texto: Da Redação/ Hoje Centro Sul

Fotos: Jonas Stefanechen/Hoje Centro Sul