facebooktwitterinstagramgoogle+
Edição 1072 - Já nas bancas!
07/05/2018

Poucas vagas e muita exigência

Poucas vagas e muita exigência

Quem acorda cedo na esperança de finalmente conseguir uma colocação no mercado de trabalho tem enfrentado uma dura realidade. Segundo dados do IBGE, divulgados em abril, o cenário brasileiro tem dado alguns sinais pequenos de recuperação, mas ainda está longe do ideal.

Ainda são mais de 13 milhões de brasileiros desempregados. O número é menor se comparado ao início do ano passado, mas maior se o período considerado para a comparação for de outubro a dezembro do ano passado. Uma explicação está nos empregos de final de ano, que incrementam a economia, mas podem não continuar existindo no restante do ano.

No outro lado, o número de empregadores aumentou. São mais de 4 milhões de empregadores. Muito disso é vindo exatamente de pessoas que não conseguiram encontrar um trabalho e viram no empreendedorismo uma alternativa a se investir.

Contudo, o que vemos quando vamos a campo e conversamos com os empresários é a necessidade de qualificação. Mas não apenas a qualificação feita com um diploma, mas também de um trabalhador que saiba o que está fazendo e como está fazendo.

Essa exigência é vista tanto no setor privado, quanto no setor público. Os maiores salários do setor público, por exemplo, estão em profissões que exigem uma qualificação extrema, como médico e professor universitário. Nesses casos, o salário base pode chegar até R$ 12 mil.

Mas mesmo em profissões que exigem pelo menos o Ensino Médio, os melhores salários estão em profissões que possuem alguma exigência de curso técnico.

Com poucas vagas e muita exigência, apenas o diploma não basta. Além de procurar mais cursos para se qualificar, o trabalhador em busca de emprego precisa também olhar para si e buscar qualificação. Isto é, olhar suas qualidade e competências e fazer uma autocritica de quanto é responsável e o quanto é comprometido.

O que vemos com conversas com os empresários é que a busca está além do diploma, mas também do real comprometimento com a vaga de emprego, e com a real vontade desse trabalhador em querer trabalhar.

Apesar da dificuldade e da exigência, o trabalhador que está desempregado não pode desistir. Aos poucos as vagas estão sendo criadas e estão aparecendo. Enquanto ainda não consegue uma recolocação no mercado de trabalho, o trabalhador precisa ir se qualificando para estar no nível que os empresários exigem.