facebooktwitterinstagramgoogle+
Edição 1064 - Já nas bancas!
12/04/2018

Insatisfação com Correios

Insatisfação com Correios

Há muito tempo é percebidoque está ocorrendo uma grande mudança nos Correios. Antes uma empresa pública altamente lucrativa, mas que agora vive, desde o ano passado, com dificuldades. Só para se ter uma ideia, em 2017 fechou com prejuízo de R$ 1,3 bilhão. 

Foi o quinto ano consecutivo em que a companhia, que foi palco inaugural do Mensalão há mais de dez anos, fechou no vermelho. Nos primeiros quatro meses deste ano, o prejuízo acumulado é de R$ 800 milhões.

Em consequência dessa queda estão os funcionários de um lado que estão precisando se virar para dar conta de toda a demanda e do outro, os consumidores que estão insatisfeitos com o atraso de suas mercadorias.

As principais reclamações vindas da população são os atrasos das entregas, encomendas, contas e correspondência. E ficam as indagações: O que está acontecendo? Será que o volume de entregas aumentou, duplicou, triplicou? Qual o motivo de tanta mudança?

Devemos confessar que de alguns anos para cá, os Correios não são apenas utilizados para enviar as tradicionais cartas. Ele se tornou o principal responsável por entregar encomendas vindas de diferentes lugares do mundo. Toda essa demanda se deve à popularização da internet que oferece inúmeras vantagens ao comprador com preços e pagamentos atrativos.

As entregas das compras feitas dentro do Brasil não demonstram ser o problema principal dos Correios. O que afeta mesmo são as entregas vindas de outros países, principalmente, de países asiáticos. Aquela comprinha que saiu uma pechincha para você em um site da China, custa o triplo do preço para os Correios. Não estamos falando de valores em dinheiro, mas sim, do tempo gasto para que essa encomenda chegue à sua casa.

Enquanto muitas pessoas reclamam que compraram um esmalte háquatro mesese que ele não chegou, os funcionários dos Correios se perdemno meio de milhares de pacotes preenchidos de forma errada pelos chineses.

Como se não bastasse toda essa insatisfação, os Correios estão fazendo acordo com seus funcionários que são concursados, a fim de diminuir gastos. A dúvida que fica é: como eles vão dar conta de toda essa demanda de entregas que cresce dia após dia, se estão fazendo acordo para que os seus funcionários deixem seus cargos sem previsão de novas contratações?

A empresa afirma que não está com falta de funcionário, mas que está apenas se reestruturando. No entanto, atrasos e falta de funcionários são percebidos dia a dia pelos consumidores que continuam a sofrer sem saber quando terão suas encomendas recebidas.