facebooktwitterinstagramgoogle+
Edição 1080 - Já nas bancas!
11/04/2018

Secretaria de Saúde de Irati aponta risco de surto de dengue

Irati está em estado de alerta contra o Aedes Aegypti. Várias ações devem iniciar no próximo sábado (07) para combater o mosquito

Secretaria de Saúde de Irati aponta risco de surto de dengue

Na última quinta-feira (5), durante uma reunião com a imprensa na Prefeitura de Irati, a secretária de Saúde, Magali de Camargo, alertou sobre a infestação do mosquito Aedes aegypti, causador da dengue, zika e chikungunya em Irati. Segundo a secretária, muitos focos do mosquito estão sendo encontrados.

A secretária comenta que o que está acontecendo hoje em Irati são as consequências de anos de falta de cuidado. Para melhorar o atendimento nessa área, foram contratados novos agentes de endemias. “Até junho de 2017, a estrutura da Secretaria de Saúde contava apenas com oito agentes de endemia para dar conta de todo o Irati. Inviável. O mínimo necessário seriam 30 agentes de endemias. No mês de julho, foram contratos 20 novos agentes. Nós temos 28 agentes de endemias e em setembro, eles foram treinados, e só após setembro iniciaram as atividades de campo”, conta.

No último mês do ano passado, a Secretaria de Saúde realizou uma análise com o objetivo de constatar como estavam os focos em Irati. “Em dezembro quando foi feito o primeiro relatório que aponta os índices de amostra dos pernilongos, feito pelo Levantamento Rápido de Índice de Infestação por Aedes aegypti (LIRA) estávamos com 0,3%”, diz Magali.

A definição do local onde será feita a vistoria é pelo LIRA. “É um sistema que sorteia a quadra onde vamos fazer a vistoria. É feita em uma residência, pula quatro e faz na quinta, pula quatro e faz na quinta. Esse é o sistema padronizado de vistoria. A cada dois meses são visitados em torno de 25 mil imóveis, entre casas, comércios e terrenos baldios”, conta a secretária.

Magali comenta que o número de focos encontrados foi muito alto. “No LIRA, agora no mês de março foram visitados 1.046 estabelecimentos, desses  70 pontos de contaminação foram encontrados”, fala.

O centro da cidade é o lugar onde foram encontrados mais focos do mosquito. “A gente geralmente pensa que o cemitério é um dos maiores pontos, mas não é o cemitério. Ele é um dos pontos que tem menos focos. O maior índice de focos encontrados é nas residências e nos recipientes de prato de vaso que a população ainda não se conscientizou que não pode ter. O lugar com maior infestação de dengue é o centro, o entorno da Secretaria de Saúde, hospital, prefeitura e a colina da Santa. São os pontos de mais focos de infestação do pernilongo”, explica.

Tornou-se necessário realizar uma ação imediata para combater os mosquitos e também as larvas que podem resistir por muitos anos. “Nós precisamos fazer uma ação urgente. Nesse relatório do LIRA uma manifestação abaixo de 1% é considerada satisfatória, de 1% a 3,9% ela já é alerta, acima de 4%, ela é de risco de infestação e o nosso indicador é de 7%, quase o dobro do que é o risco”, fala.

Ela também destaca que a falta de cuidado nesse momento poderá causar uma grande epidemia. “Precisamos, com urgência, de todos em uma grande ação de mobilização para limpar Irati. Se nós não fizermos nada, vamos colher tristes e trágicos frutos, porque se isso está acontecendo hoje, é porque nós não fizemos a nossa parte. O ovo do mosquito permanece vivo por até cinco anos”, destaca Magali.

Campanha

A campanha envolve todas as secretarias da prefeitura para sanar a infestação. “Todos estão envolvidos, estamos reativando o Comitê da Dengue, onde fazem parte Polícia Militar, Corpo de Bombeiros e a Defesa Civil. Vamos fazer nessa semana reuniões com todos pra unir forças. Nós precisamos dar conta disso, porque se nós não fizermos esse trabalho agora, teremos problemas ainda nesse ano”, fala preocupada.

As ações se iniciam já no sábado (7). “Sábado agora já tinha uma ação programada da Assistência Social no Alto da Lagoa, então nós estaremos lá com os agentes, fazendo orientação e distribuindo sacos de lixo para aqueles que precisarem”, comenta.

Na próxima semana, as ações vão iniciar no centro da cidade. Os agentes estarão prestando orientação para a população, entregando folders e cartilhas que explicam como combater o mosquito. A Secretaria também irá marcar um dia para coletar o lixo.

Irati ainda não registrou nenhum caso da doença este ano. Porém, com o grande fluxo de caminhões e carros que passam pela BR 277 e pela BR 153, o risco da contaminação é grande, já que em questão de dias a doença pode se espalhar.

Texto e fotos: Silmara Andrade/Hoje Centro Sul

Galeria de Fotos