facebooktwitterinstagramgoogle+
Edição 1056 - Já nas bancas!
06/04/2018

“Não vou deixar que passe impune”, diz assessora do Operário que sofreu agressões verbais em Irati

Logo após o jogo entre Iraty e Operário, a assessora de imprensa do time de Ponta Grossa sofreu agressões verbais vindas de vários torcedores do Iraty Sport Club

“Não vou deixar que passe impune”, diz assessora do Operário que sofreu agressões verbais em Irati

No domingo (01), a jornalista e assessora de imprensa do Operário Futebol Clube, de Ponta Grossa, Bianca Machado, sofreu agressões verbais vindas de torcedores do Iraty Sport Club. As agressões aconteceram no Estádio Coronel Emílio Gomes após a partida entre os dois times, pela primeira rodada da segunda fase da Divisão de Acesso.

A jornalista comenta que as agressões verbais aconteceram durante a coletiva de imprensa prestada pelo técnico do Operário,Gerson Gusmão, que estava sendo realizada no gramado do estádio. “Nesse momento, enquanto aguardávamos a chegada do técnico e, também durante a coletiva, alguns torcedores e torcedoras do Iratyme ofenderam, me agrediram verbalmente, me chamaram de termos pejorativos de ordem sexual. Foi horrível. Isso durou mais ou menos 20 minutos enquanto esse grupo me xingava, me hostilizava, foi algo bem traumático para mim”, conta.

A jovem também reclama que nada foi feito por parte dos responsáveis pela segurança do jogo. “Eu não sei como funciona a segurança em Irati em dia de jogo, não sei se tinha alguém lá ou não. Se tinha, ninguém fez nada e deixaram isso acontecer normalmente”, falou indignada com o fato.

Bianca Machado conta que os xingamentos só cessaram quando ela saiu da vista dos torcedores. “Eles só pararam quando eu desci na entrada do vestiário. Fiquei aguardando eles saírem dali, para eu conseguir sair do gramado e poder retornar ao ônibus do clube, para ir embora. Foi algo bem traumático para mim porque eles me xingaram dos piores termos que uma mulher pode ouvir”, disse.

Ela conta que se sentiu impotente dianteda situação. “Foi algo que me marcou bastante e que domingo me afetou muito. Eu me senti muito fraca, eu não sabia o que fazer, eu não sabia nem como contar para as pessoas que não presenciaram o fato, porque o pessoal da imprensa de Ponta Grossa que estava aguardando a coletiva também presenciou o fato, foi algo horrível”, fala.

Alguns dos xingamentos foram gravados pela jornalista. Os vídeos podem ser conferidos na página do Facebook do Jornal Hoje Centro Sul (www.facebook.com/hojecentrosul).

Repercussão

O fato teve repercussão estadual, saindo nos principais veículos de esporte do Paraná. Os clubes envolvidos também se posicionaram.

Em sua página oficial, oIraty Sport Club divulgou na segunda-feira (02) uma nota oficial onde diz não compactuar com o que aconteceu no domingo.  “O Iraty Sport Club vem tornar a público que não compactua com as atitudes ocorridas no final do jogo de Iraty e Operário, quando no final da partida, algumas pessoas que se dizem ´torcedores´, vieram a proferir palavras de baixo calão à assessora de imprensa do Operário. Lamentamos profundamente o fato ocorrido e o Iraty Sport Club estará à disposição para o que for necessário à punição dos responsáveis. Queremos também salientar que é uma minoria que não representa a grande torcida do Iraty e sua população”, disseram.

A diretória do Operário também divulgou uma nota de repúdio em sua página oficial, e diz que está tomando as providências para que esse fato não fique impune. “O Operário Ferroviário Esporte Clube repudia a falta de urbanidade de alguns torcedores do Iraty Sport Club, que ofenderam calorosamente e gratuitamente a assessora de comunicação do Operário, Bianca Machado, enquanto ela desempenhava as suas funções ao término do jogo na cidade de Irati”, falaram.

Ainda na nota, foi enaltecido o trabalho das mulheres no clube. “O Operário tem orgulho das mulheres que trabalham no clube e de todas aquelas que estão inseridas no esporte e que lutam diariamente para legitimar a sua participação em um ambiente muitas vezes machista e intolerante.A Diretoria adotará as medidas cabíveis para que este ato não fique impune e expressa todo apoio e solidariedade a nossa profissional de comunicação”, destacaram.

A reportagem tentou entrar em contato com o presidente da Torcida Jovem, Vinicius Azevedo que representa a torcida do Iraty Sport Clube, mas ele não quis se pronunciar sobre o assunto.

Consequências

Segundo Bianca, um boletim de ocorrência já foi realizado nesta terça-feira (02) e a parte jurídica do Operário foi acionada. “OOperário deve entrar com uma representação junto à Federação para que seja tomada alguma providência sobre isso, principalmente com relação à segurança dos profissionais de imprensaque trabalham em jogo de futebol”, conta.

Alguns torcedores também já foram identificados e segundo Bianca, as informações deverão ser encaminhadas para a Delegacia de Irati.

A jornalista afirmou que não deixará que o caso saia impune. “Nós estamos correndo para que os responsáveis sejam punidos para que ninguém, nem eu, precise passar por isso novamente, porque foi realmente traumático. Algo horrível mesmo, mas eu não vou baixar a cabeça. Não vou deixar que passe impune. Nós vamos buscar os culpados para que eles sejam punidos pela agressão verbal que eu sofri”, disse.

#DeixaElaTrabalhar

A agressão à assessora aconteceu uma semana após o lançamento da campanha “Deixa Ela Trabalhar”. O movimento foi lançado no dia 25 de março por jornalistas de todo o Brasil comafinalidade representar a mulher da mídia esportiva e tem o objetivo de lutar contra o assédio moral e sexual sofrido por elas nos estádios, nas ruas e redações.

Essa campanha foi lançada depois de mais um assédio sofrido por uma jornalista. O assédio em questão foi o da repórter do Esporte Interativo, Bruna Dealtry, que foi beijada ao vivo enquanto trabalhava. Alguns dias antes, Renata de Medeiros, da Radio Gaúcha, também havia sido ofendida e agredida no estádio Beira-Rio, em Porto Alegre, por um torcedor.

Texto: Da Redação/Hoje Centro Sul

Foto: Divulgação

Galeria de Fotos