facebooktwitterinstagramgoogle+
Edição 1099 - Já nas bancas!
05/03/2018

Um limite

Um limite

Com a modernização da sociedade, os casamentos nas igrejas católicas foram pouco a pouco mudando. Um arranjo a mais, um padrinho a mais, uma música diferente. Diversos vídeos apareceram na internet e diversos casais se inspiraram nestas ideiaspara realizar o seu próprio casamento dos sonhos.

Junto a isso, os empreendimentos de realização de festas foram crescendo pouco a pouco. As empresas seguiram os sonhos dos clientes e foram oferecendo serviços e mais serviços. Mais opções, mais arranjos, mais diferenciais para o casamento. Tudo para tornar o casamento único.

Contudo, as cerimônias em igrejas católicas possuem um limite. E esse limite é agora imposto pela Diocese de Ponta Grossa às 17 cidades pertencentes a ela, incluindo Irati.

As novas normas passaram a valer neste ano, mas já eram de conhecimento dos noivos que procuraram a igreja no ano passado. Mas isso não fez com que muitos criticassem as mudanças, especialmente em relação aos padrinhos.

No entanto, o que aconteceu é que a exigência da igreja católica foi proporcional ao exagero que muitos casais fizeram ao longo dos anos. Foram situações desde a entrada na igreja com animais de estimação, procissão de mais de 20 padrinhos e madrinhas antes da entrada da noiva, músicas de filmes como Shrek e Rei Leão, arranjos que quase tapavam o altar da igreja, e profissionais que não sabiam respeitar cerimônias religiosas. Tudo isso fez com que a igreja católica desse um retorno e proibisse diversas situações: não pode entrada de padrinhos, não pode músicas que não sejam católicas, não pode arranjo no altar, não pode casamento religioso fora da igreja, entre outros.

Infelizmente, casais que têmbom senso e sabiam equilibrar uma cerimônia religiosa com o sonho de casamento, vão pagar pelo exagero de outros.

Contudo, a normatização tem sua razão. O objetivo é trazer de novo o foco para o ritual de celebração espiritual do casamento na igreja católica. Em outras religiões, o rito é respeitado. Casamentos budistas, protestantes e evangélicos, por exemplo, também tem suas normas. Ou se toca Ave Maria em um casamento numa igreja evangélica?

O que é preciso se ter a consciência na hora da decisão do casamento é porque está se casando e para quê. Casais conscientes e que querem realmente se unir sob a bênção católica entenderão as novas normas, por mais exageradas e excessivamente rigorosasque pareçam.