facebooktwitterinstagramgoogle+
Edição 1050 - Já nas bancas!
08/02/2018

Esclarecimento de dúvidas

Esclarecimento de dúvidas

Os casos de febre amarela nos estados de São Paulo e Rio Janeiro têm chamado aatenção dos brasileiros e permanecido em diversas rodas de conversa pelo país.

No entanto, são poucos estados que estão em situação de risco. O Paraná, por exemplo, é um dos estados que não apresenta casos de febre amarela, apesar de ter tido casos suspeitos que foram descartados.

Mesmo estando fora da área de risco, muitas pessoas ainda estão preocupadas e com dúvidas sobre a vacina e como está ocorrendo no estado.

Muitas das dúvidas surgem através da desinformação, isto é, a partir de informações desencontradas. Uma delas é sobre a vacina da febre amarela. Segundo o Governo Estadual, não há falta de doses no estado e a recomendação é que se vacinem especialmente as pessoas que estão em área de risco – próximo à mata e rios – ou que irão viajar para alguma área de risco.

Contudo, a desinformação pode fazer com que casos de histeria apareçam, com diversas pessoas indo todas ao mesmo tempo buscar vacinas. O resultado são aslongas filas, normalmente formadas por pessoas que não estão em um grupo de risco para tomar a vacina, e acabam prejudicandoquem realmente precisa. Também há pessoas que já tomaram a vacina, mas que querem tomar novamente, mesmo com a recomendação de que não precisa mais se vacinar.

Por isso é importante que as pessoas estejam atentas ao buscar informações. Além dos meios de comunicação, as pessoas podem buscar informações em suas próprias localidades, através das unidades de saúde e das secretarias municipais. Sites como o Ministério da Saúde e da Secretaria Estadual de Saúde também trazem informações atualizadas sobre as principais dúvidas sobre a vacina e a doença. As informações são públicas e de fácil acesso à população.

Enfim, o momento é de atenção e de prevenção, especialmente para as pessoas que estão para visitar ou moram em locais de risco. É importante que a população entenda que o momento é de atenção e não de desespero. Deste modo, a prevenção pode atingir realmente os grupos de risco e o trabalho das autoridades poderá ser feito de forma organizada, a fim de que possa se ter um maior controle da doença, caso ela apareça no estado.