facebooktwitterinstagramgoogle+
Edição 1072 - Já nas bancas!
05/02/2018

Indignação

Indignação

Preços em constante elevação. Consumidores insatisfeitos e alegações que não convencem. Assim tem sido o enredo da novela do preço dos combustíveis no país. A cada dia fica mais caro conseguir se locomover ou transportar qualquer produto de um ponto a outro. E o efeito é em cascata. Os preços dos alimentos sobem devido ao custo maior do transporte. Com o preço dos produtos industrializados e itens do agronegócio – em um período diferente de tempo –ocorre o mesmo. Tudo fica mais caro e o custo de vida aumenta.

Na região, as reclamações quanto ao preço da gasolina vêm de longa data, mas intensificaram-se recentemente. Tanto que até mesmo um protesto está marcado para o fim de semana. Consumidores queremexplicações do porquê de ser tão caro comprar combustível nos municípios do Centro Sul.

Um levantamento realizado pelo Jornal Hoje Centro Sul encontrou o litro da gasolina comum sendo vendido até a R$ 4,550, enquanto o preço médio do litro da gasolina comum está R$ 4,25 em Ponta Grossa e R$ 4,036 em Curitiba.  Em Irati o consumidor paga até R$ 0,52 centavos a mais na gasolina que o consumidor de Curitiba e até R$ 0,30 a mais que o consumidor da cidade de Ponta Grossa.

Vale um exemplo prático, para definir o que isso representa. No tanque de um Chevrolet Onix, que é o carro mais vendido no país, por exemplo, cabem 54 litros de gasolina.  Considerando a diferença de preços entre Irati e Curitiba, o proprietário de um Chevrolet Onix em Irati gasta R$ 245,70 para encher o tanque do veículo, enquanto o proprietário de um Chevrolet Onix em Curitiba gasta R$ 217,94. O morador de Irati gasta R$ 27,75 a mais a cada vez que enche o tanque do veículo do que o morador de Curitiba. Isso significa que o combustível em Irati, é até 12,73% mais caro do que a média de Curitiba. Em um ano, um consumidor iratiense que encha o tanque do carro apenas duas vezes por mês gasta R$ 666,00 a mais do que um curitibano que também encha o tanque do veículo com gasolina duas vezes por mês. 

A diferença é grande. Representantes do setor alegam que fatores como aluguel, preço de aquisição do produto, tributos, logística são decisivos para a composição do preço. Não convencem. E prova disso é que em municípios vizinhos na região Centro Sul, distantes apenas 21 quilômetros, Irati e Fernandes Pinheiro, a variação de preços chega a R$ 0,23.

Os consumidores têm mais é que se indignarem mesmo. Com o preço elevado e com os constantes aumentos de preço. Além disso, em Irati, quando o combustível sobe, o aumento costuma ser repassado imediatamente ao consumidor, quando o preço diminui, dificilmente a correção chega aos postos de combustíveis.