facebooktwitterinstagramgoogle+
Edição 1010 - Já nas bancas!
20/11/2017

Tradição de família garante pipoca quentinha para o público

Tradição de família garante pipoca quentinha para o público

Uma tradição familiar que já dura mais de 50 anos e vem sendo transmitida de pai para filho tem Jean Martins Stec como sucessor no negócio de comercialização de pipoca. Ele tem 22 anos e há 10 anos está seguindo os passos do pai e do avô no ramo de pipocaria. “O meu avô já ajudava os pipoqueiros que trabalhavam na frente do antigo cinema aqui na cidade de Irati, aí comprou um carrinho e viu que o negócio era lucrativo, que dava para ganhar dinheiro”, conta.

Apesar da tradição familiar, poucos quiseram trabalhar nesse ramo. “Os únicos que continuaram com a pipoca de toda a família foram o meu pai, a minha mãe e eu. Então está há 50 anos na família a pipoca”, disse. O que Jean espera que continue nas próximas gerações.  “Pretendo, se eu tiver filhos, que eles continuem o meu negócio. Se eles tiverem a vontade de fazer outra coisa, independente, vão estar livres para escolher, mas a minha grande vontade é que eles continuem com a empresa Pipoca Estouro”, afirma.

Dentre as atuações de destaque, ele cita a oportunidade que teve de comercializar seus produtos em grandes eventos, como em um show internacional na capital paranaense, onde trabalhou junto com seu pai. “Um sonho que eu tinha era trabalhar fora da região, abranger e pegar um evento grande, trabalhar com evento grande, ai eu comprei um lá em Curitiba, o show do Morrom5, no Couto Pereira, o evento contou com 42 mil pessoas”, relata.

Para o futuro, Jean  pretende expandir os pontos de venda de pipoca na região, através de parcerias com estabelecimentos comerciais. Ele explica: “Eu quero fechar com alguns comércios para que eu pague uma porcentagem para eles e possa vender a minha pipoca na frente do estabelecimento”.

E ele ainda sonha criar uma franquia da Pipoca Estouro. “Eu pretendo criar uma franquia e poder alavancar ainda mais o negócio da família”, comentou. 

Texto: Da Redação/Hoje Centro Sul com reportagem de Bruno Vivi

Fotos: Divulgação