facebooktwitterinstagramgoogle+
Edição 1003 - Já nas bancas!
23/10/2017

Editorial - Emprego temporário

Editorial - Emprego temporário

Mais um fim de ano se aproxima e a esperança de milhões de desempregados no Brasil está em duas palavras: vagas temporárias.

Isso porque este tipo de vaga é um dos principais meios que muitas pessoas possuem para se efetivarem no mercado de trabalho. Se o trabalhador é bem avaliado, nesse meio tempo pode conseguir começar o próximo ano já com a carteira assinada.

Em nível nacional, a expectativa é que essas vagas aumentem neste fim de ano, especialmente no comércio. No entanto, em Irati, a realidade poderá ser diferente do país, já que muitos empresários poderão não contratar  parar o período do Natal.

A falta de movimento é um dos principais motivos apontados pelos comerciantes para a não contratação de mais funcionários.

Essa é uma preocupação das entidades ligadas ao setor que já se mobilizam para que a situação mude. Em Irati, a Agência do Trabalhador e a Aciai já discutem formas que possam atrair o consumidor para o comércio local, movimentando assim as lojas.

Entretanto, dois lados precisam ser vistos neste caso. Um deles é o dos próprios comerciantes que precisam buscar o motivo para que as pessoas de Irati prefiram ir a outro lugar comprar. Preço? Comodidade? Produtos? Qualquer tentativa de se explicar a situação será especulação. É necessária uma pesquisa de mercado para entender o que este consumidor está ansiando e desejando do comércio local.

Já o outro é dos próprios consumidores locais, que precisam adquirir o hábito de olhar para o próprio município e consumir os itens da terra. Ao consumir localmente, não só empregos surgem, como impostos são colhidos e que serão revertidos para a própria sociedade. Valorizar o que é local, não é apenas um ato bairrista, mas principalmente um ato que ajudará a economia local.

É exatamente olhando para a economia local que entidades de Irati estão tentando se organizar para montar um Conselho de Desenvolvimento Econômico. O objetivo é que através desse conselho, a cidade possa ser planejada, e que situações como esta, de poucos empregos em um dos setores que mais reverte para o município, possam ser pensadas com antecedência.

Em tempos de crise, o planejamento e ações estratégicas precisam ser eficientes de forma a encontrar soluções. Falta ainda que mais entidades e pessoas estejam dispostas a colaborar com o coletivo – e não pensar apenas em si. A melhora na economia e consequentemente a geração de mais empregos passam pela união em prol do desenvolvimento do município, da região e do estado. Desse modo, poderá ser possível vislumbrar um futuro mais promissor para economia local e evitar que situações como a de agora aconteçam.