facebooktwitterinstagramgoogle+
Edição 991 - Já nas bancas!
04/09/2017

População da região Centro Sul cresceu 0,60% no último ano

Dos dez municípios que fazem parte da Amcespar, de acordo com a estimativa populacional divulgada pelo IBGE, o único que não apresentou crescimento foi Fernandes Pinheiro

População da região Centro Sul cresceu 0,60% no último ano

A população da região da Associação dos Municípios do Centro Sul do Paraná (Amcespar)– formada pelos municípios de Inácio Martins, Irati, Imbituva, Mallet, Prudentópolis, Rebouças, Rio Azul, Teixeira Soares, Fernandes Pinheiro e Guamiranga – aumentou 0,60% de acordo com a estimativa populacional divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE) nesta semana. Ao todo, os dez municípios já somam mais de 225 mil pessoas, uma diferença de 1.376 habitantes em comparação ao ano passado. Os números são referentes a julho de 2017.

O município com maior crescimento comparado ao ano passado é Teixeira Soares que teve um aumento de 1,41%. Em 2016 eram 11.666 habitantes e em 2017 esse número passou para 11.834. Em seguida vem Imbituva que cresceu 1,03%. A população passou de 31.391 para 31.719.

O restante dos municípios que teve crescimento apresentou um percentual abaixo de 1%. Destes, o maior é Mallet, com um crescimento de 0,92%, sendo que a população ficou neste ano com 13.738 pessoas.

Dos dez municípios da Amcespar, o único que não apresentou crescimento foi Fernandes Pinheiro que chegou a ter sua população diminuída em 0,42%. Segundo o técnico do IBGE, Christian Prestes, a queda foi pequena. “Da região, foi somente Fernandes Pinheiro que não está tendo essa expansão, mas a queda de população foi mínima e não teve um impacto grande”, disse.

Os municípios com maiores populações continuam sendo Irati, com 60.425 habitantes, e Prudentópolis, com 52.125 habitantes. O menor é Fernandes Pinheiro com 5.904 habitantes, seguido de Guamiranga com 8.619 habitantes.

Para Christian, o crescimento na estimativa populacional da região representa uma tendência de expansão que está acontecendo. “A gente percebe na conversa com o pessoal de outras cidades que esses dados realmente representam aquilo que está acontecendo. Por exemplo, Imbituva, que teve um crescimento mais acentuado, e Prudentópolis são duas cidades em expansão. Irati também, se comparar com os dados do censo. Em 2010, eram mais de 56 mil e agora já está em 60 mil”, disse.

Metodologia

Christian explica que a contagem com dados concretos ocorre somente quando há os censos demográficos, em queos recenseadores vão de casa em casa verificar a contagem da população.

No entanto, ele conta que a estimativa populacional é divulgada anualmente. Os números são obtidos a partir de análises dos últimos dois censos realizados. “Os dados divulgados ano a ano, conforme foi agora em 2017,são estimativas baseadas nos últimos dois censos, além de outras variáveis. É feita uma projeção se cada município vai aumentar ou diminuir a população no ano seguinte. Então, a cada ano, referente ao mês de julho, é divulgada a população de todos os municípios. É uma estimativa baseada nos dois censos passados”, explica.

A estimativa da população do estado também é calculada desse modo. “Também é analisada a população do estado. É feita uma comparação entre a cidade com o estado. E para analisar a população do estado é feita uma análise com a população geral do Brasil. Não é só questão de nascimento, mas também o número de mortes que é levado em conta para chegar ao número final, que é divulgado ano a ano, mas a atualização que é feita é constante. Então se a pessoa entrar no site do IBGE e procurar por esses dados ela vai ver que já é um número maior ou menor dependendo do caso do que foi divulgado porque ele fica constantemente atualizando”, explica.

Um dos números que são atualizados é o do total de habitantes no Brasil. O número aparece na primeira página do site do IBGE e segue uma projeção baseada nas informações do Censo. “A cada 20 segundos aumenta uma pessoa na população do Brasil. Em um dia aumenta quase quatro mil pessoas na população brasileira. As informações serão revistas de acordo como próximo censo demográfico previsto para 2020”, relata.

Censo Agropecuário

Neste ano, o IBGE irá realizar o Censo Agropecuário que investigará a realidade do produtor brasileiro. “Vai ser investigada a produção do produtor rural, qual a cultura que está sendo produzida na região, qual que está sendo a renda dos produtores rurais, as dificuldades que estão enfrentando, vai perguntar sobre os agrotóxicos, vai perguntar sobre diversos assuntos da realidade do produtor rural”, disse.

Em setembro, os recenseadores deverão ser treinados e a coleta iniciará em outubro. Ao todo, deverão ser quatro meses de coleta e os dados serão divulgados no meio do próximo ano.

Brasil e Paraná

O Brasil já soma207,7 milhões de habitantes. A taxa de crescimento populacional é estimada em 0,77% entre 2016 e 2017, menor do que a última divulgada no ano passado, quando houve crescimento de 0,80%.

O município mais populoso é São Paulo com mais de 12 milhões de habitantes, seguido do Rio de Janeiro (6.520.266 habitantes) e Brasília (3.039.444 habitantes).

De acordo com o IBGE, dos 5.570 municípios brasileiros, 1.378 municípios apresentaram redução da população, o que representa quase 25% dos municípios. Em 2.986 municípios, a taxa de crescimento foi inferior a 1% e em apenas 258 municípios o aumento foi igual ou superior a 2%.

Na região Sul, o Paraná é o segundo estado mais populoso com 11.320.892 habitantes, perdendo apenas para o Rio Grande do Sul, com 11.322.895 habitantes. Santa Catarina é o terceiro mais populoso da região com 7.001.161 habitantes.

Texto: Karin Franco/Hoje Centro Sul

Fotos: Karin Franco e Arquivo/Hoje Centro Sul

Galeria de Fotos