facebooktwitterinstagramgoogle+
Edição 991 - Já nas bancas!
01/09/2017

Um passo à frente em relação ao planejamento

Um passo à frente em relação ao planejamento

Na última semana a Amcespar e o Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU-PR) assinaram um termo de cooperação para a realização do Observatório Paraná Urbano.

Um dos pontos do projeto é oferecer informações e dados aos municípios para que eles possam construir um melhor planejamento urbano.

Contudo, além de fornecer dados, o Observatório também atuará coletando informações que ajudarão em futuros projetos da região.

Essas informações são essenciais para os gestores da região já que são ferramentas extremamente necessárias para o bom planejamento das cidades.

É através dessas informações e dados que o gestor poderá decidir onde investir, quando investir e como investir.

Junto a isso, também está a valorização do profissional de arquitetura, que deverá ter o reconhecimento de seu trabalho nos projetos públicos.

Pensar a cidade e planejá-la de forma fluída, ao mesmo tempo em que se reconhece a necessidade de profissionais habilitados, é uma forma de evitar obras inadequadas, que não considerem a sustentabilidade –  a ventilação ideal fornecendo conforto térmico, o uso racional da energia solar ou da água das chuvas por exemplo. Ou mesmo obras que tenham falhas por não serem detalhadamente pensadas em relação às reais necessidades de quem a usará ou não sejam planejadas considerando a projeção futura de desenvolvimento do município.   Sem isto, o dinheiro público acaba sendo desperdiçado, pois uma obra pode ter seu valor aumentado por causa de situações que não haviam sido planejadas.

A troca de informações entre entidades ajudará com que os gestores entendam o que é necessário cobrar e que no momento em que os projetos forem feitos, seja previsto que problemas relacionados, por exemplo, ao solo, ao ambiente ou até mesmo ao clima.

A parceira foi uma forma também de suprir uma dificuldade existente em alguns municípios de conseguirem informações qualificadas e direcionadas às suas necessidades, exatamente por não terem recursos para arcar com os custos de coletar e tabular tais informações.

Enfim, os municípios da região possuem agora uma ferramenta importante para o planejamento das cidades e das futuras obras. O que é necessário é que as informações técnicas possam ser respeitadas e seguidas de forma a evitar que futuramente haja um desperdício de dinheiro público em uma obra que possui erros, ou até mesmo traga riscos à segurança das pessoas. Com a parceria, a promessa é que isso não aconteça. Resta a nós,  população,  estarmos atentos de que isso realmente não aconteça.