facebooktwitterinstagramgoogle+
Edição 982
07/08/2017

Feira do Brás gera reclamação dos comerciantes iratienses

Comerciantes alegam que foram vendidos produtos sem nota fiscal durante a feira que aconteceu no fim de julho. Reunião nesta sexta-feira deverá discutir assunto

Feira do Brás gera reclamação dos comerciantes iratienses

A Feira do Brás, que aconteceu em Irati nos dias 28,29 e 30 de julho no salão da Paróquia Imaculado Coração de Maria, fez com que comerciantes do município reclamassem da realização do evento. As reivindicações foram feitas na Associação Comercial de Irati (Aciai) que comunicou os órgãos responsáveis.

Segundo o presidente da Aciai, Oscar Muchau, a reclamação foi devido à mercadoria que foi oferecida na feira. “O que tem chego para nós, alguns empresários reclamando do que aconteceu lá, porque perceberam que tinha muito produto de origem ilícita, sem emissão de documentos fiscais, isso gerou a insatisfação dos lojistas, inclusive a nossa”, comenta.

Oscar conta que o alvará foi emitido pela prefeitura no dia 25 de julho, e no dia seguinte a Aciai ficou sabendo, quando a feira foi divulgada ao público por meio das redes sociais. E no dia 27 a entidade emitiu ofícios aos órgãos competentes solicitando que fiscalizassem a feira.

“Soubemos da feira na véspera, deixamos um ofício para a Receita Federal e outro para a Receita Estadual, os quais foram encaminhados no dia 27 de julho, pela manhã. E a questão da fiscalização, como nós percebemos, que ficou a critério desses órgãos, não houve. Por outro lado, a prefeitura emitiu lá no setor de tributação um parecer favorável da feira”, ressalta.

O presidente conta que procurou a prefeitura, que repassou que a documentação foi encaminhada de forma coerente e não pôde evitar a feira.

O secretário de desenvolvimento econômico, Ico Andreassa, falou que os responsáveis pela feira emitiram o alvará na prefeitura, alugaram o local, e fizeram a feira, sem nenhuma irregularidade. E que os documentos foram enviados dentro do prazo para ACIAI. Se a prefeitura barrasse o alvará eles poderiam fazer a feira com um mandado de segurança.

O secretário diz que não concorda com a realização da feira, e que os vereadores estão empenhados para fazer uma regulamentação mais pesada. “Eu também não concordo, porque eles vêm aqui, levam o dinheiro daqui. Só que eles estão dento de uma lei que os protege”, comenta.

Nesta sexta-feira (04) acontece no gabinete do prefeito Jorge Derbli, uma reunião para discutir o assunto, solicitada pela Câmara da Mulher, onde estarão presentes também os vereadores e responsáveis pela ACIAI.

Texto: Jaqueline Lopes/Hoje Centro Sul

Fotos: Divulgação

Galeria de Fotos