facebooktwitterinstagramgoogle+
Edição 1010 - Já nas bancas!
24/07/2017

Golpe por telefone induz vítima a fazer transferência bancária

Golpe por telefone induz vítima a fazer transferência bancária

Sem pedir dados pessoais, um golpe por telefone está induzindo pessoas sem conhecimento sobre o sistema bancário a fazer uma transferência de dinheiro das suas contas pessoais.

A equipe de reportagem do Jornal Hoje Centro Sul ligou para um desses números que realiza o golpe. Um membro da equipe do jornal recebeu uma mensagem de texto onde dizia que ele ganhou R$ 20 mil em uma premiação. Logo após pede para retornar para o número citado na mensagem e ao lado é disponibilizado um suposto número de senha. O número indicado tinha o DDD 85, do estado do Ceará, e com os números iniciais de telefones da operadora Tim.

Ao ligar, uma voz masculina com um leve sotaque nordestino atende fingindo ser um atendente da Tim, do Setor de Premiações. Ele pede para que a pessoa fale o número da senha disponibilizada na mensagem. Então, ele confirma que a linha do telefone foi premiada – mesmo a ligação tendo sido feita por um número diferente daquele para o qual foi enviada a mensagem de texto.

Ele pede se há alguma conta em algum banco e se possui cartões de crédito. A jornalista simulou ser uma senhora aposentada, que morava com seu sobrinho e que ele teria uma conta em banco. O golpista pede então que a senhora fale com o sobrinho para que ele possa fazer os procedimentos para entregar a premiação.

Antes de terminar a primeira ligação, o golpista repete que é do Setor de Premiações da Tim do estado do Paraná.

Na segunda ligação feita, ele explica como seria o procedimento. Ele pede para que a vítima vá ao caixa eletrônico do banco, retire dois extratos da conta bancária e passe a ele apenas data, hora e número do terminal de onde foi retirado o extrato.

Durante a ligação ele reitera diversas vezes que a vítima não precisará enviar ou falar nenhum dado pessoal e que ao falar a data, hora e número do terminal ele confirmaria automaticamente a conta na qual o prêmio seria depositado. No entanto, a tática é para forçar que a vítima esteja em frente a um caixa eletrônico e que o golpista se certifique que a transferência será feita.

Por questões de segurança, a equipe de reportagem fingiu estar em frente a um caixa eletrônico e usamos extratos de uma conta que não existe mais. Ao falar data, horário e terminal, o golpista pede para que a pessoa some o valor de 20 mil com o saldo da conta, seja ele positivo ou negativo. A intenção neste momento é descobrir o quanto a vítima tem em dinheiro para fazer a transferência. Ele também usa diversos termos diferentes para ludibriar quem não está familiarizado com o sistema bancário. Termos como “translado de transferência” e “transferência holográfica”,  para dar a impressão de que são termos técnicos e assim dar veracidade ao que está falando.

Depois disso, ele pede para que a vítima leia os itens que estão na tela do caixa eletrônico. A equipe de reportagem falou alguns itens que costumam estar nas telas e quando a palavra “transferência” apareceu, ele pediu para confirmar. Já desconfiado, o golpista continuou a pedir para que a vítima falasse o que havia na tela para que então ele pudesse dar os próximos passos, que seria o preenchimento do valor para a transferência. No entanto, nesse momento o golpista percebeu que a vítima não estava em frente a um caixa eletrônico e desligou.

Polícia

De acordo com o delegado da Polícia Civil de Irati, Paulo César Eugênio Ribeiro, as pessoas que costumam cair em golpes desse tipo não possuem muito conhecimento sobre o funcionamento da tecnologia. “90% dos casos são com pessoas mais idosas. Infelizmente eles abusam da idade da pessoa para poder aplicar esses golpes e muitas das vezes também isso acontece de dentro de presídios. Tanto que são números de celulares que acabam entrando, eles escolhem aleatoriamente e começam a enviar a mensagem”, conta.

O delegado ainda destaca que os golpistas acabam usando meios durante a conversa para tentar conseguir algumas informações sem que a pessoa perceba.

Na primeira ligação, o golpista não chegou a revelar o procedimento, mas perguntou se a vítima possuía conta bancária ou cartão de crédito. O delegado alerta que criminosos podem conseguir realizar operações com dados que são passados na ligação. “Só com os dados na ligação, do cartão de crédito e os seus dados pessoais já possibilita essas pessoas que têm esses dados a efetuar compras pela internet. E a partir disso eles conseguem fazer diversos gastos, passagem de avião, crédito em celular, tanto pela internet como pelo celular, eles utilizam desse meio para poder adquirir esses dados das vítimas”, relata.

O delegado explica que muitos dados são obtidos também por falsos formulários na internet, que as pessoas preenchem sem ter certeza se a empresa é idônea. De posse desses dados, os criminosos podem criar contas em nome das pessoas sem que elas saibam. “O que a gente presenciou e já aconteceu, às vezes a pessoa passa esses dados para terceiros  e desconhecidos nesses casos de ligações, para a pessoa conseguir formar um banco de dados daquele cliente no seguinte sentido: De posse desses dados ele falsifica alguns documentos e leva esses documentos no banco e abre uma conta no teu nome. Faz um cadastro em uma loja. E eles acabam utilizando o nome da pessoa, como se fosse laranja – que é o termo utilizado – para poder receber valores de outros bandidos, lavagem de dinheiro, e prejudicar a vítima”, disse.

O delegado confirmou que é possível rastrear o número de contato do golpista, mas como a ligação partiu de um número de outro estado a busca precisa ser realizada em conjunto com as polícias de ambos os estados. “É possível sim obter de onde originou a ligação a partir da interceptação telefônica desse número, mas tem que haver uma colaboração da polícia do outro estado, no sentido de conseguir identificar quem é a pessoa. Encontra-se uma outra dificuldade, e acredito que esse é o caso, de ligação que partiu de dentro de presídio, no sentido de que o número cadastrado não está no nome do preso. A maioria dos casos não está no nome do preso. Alguma pessoa que levou lá e acabou cadastrando e não me estranharia muito se a pessoa que tem o telefone cadastrado nem saiba da história”, explica.

O delegado conta que há a possibilidade desses números estarem no nome de outra pessoa. “Aconteceu há duas semanas atrás, um senhor veio aqui, diz que foi numa operadora de telefone e consultou os telefones que tinha e tinha um telefone que ele desconhecia. Então alguém aproveitou os dados dele e fez o cadastro. Talvez o que falte também, não seria somente um caso de polícia, mas um caso de lei para poder regulamentar com maior rigor a disponibilização de números de telefones pelas empresas”, disse.

Ações

Segundo o delegado, o Estado do Paraná deverá montar uma espécie de bancos de dados para localizar celulares roubados. A intenção é que esse banco de dados guarde o número do IMEI dos celulares roubados. “O estado do Paraná está sendo pioneiro na identificação de telefones. Sempre que você tem um telefone roubado vai ter a possibilidade de a pessoa cadastrar o IMEI do telefone no próprio boletim de ocorrência. Isso vai gerar um campo de pesquisa que se a gente encontrar o telefone a gente joga o número do IMEI direto no nosso sistema e a gente consegue pesquisar se aquele telefone é roubado ou não. Como se fosse um banco de dados de veículos, que pela placa a gente consegue localizar. Vai ser lançado provavelmente no ano que vem, a partir de 2018”, disse.

O IMEI é o número de identificação do aparelho eletrônico (celular, tablet, smartphone). É possível obter o IMEI digitando no telefone os números:*#06#.

1ª Ligação

Golpista - Setor de premiações da recarga certa milionária da TIM com Marcos Paulo, boa tarde, com quem eu falo, por gentileza? (....) Senhora Karin a senha foi confirmada com sucesso. Está constando no nosso sistema que a sua linha móvel foi a quinta ganhadora da promoção Recarga Certa Milionária TIM vindo a ganhar uma premiação no valor de 20 mil reais em dinheiro. Meus parabéns a senhora pode estar comemorando que essa belíssima premiação já é sua, senhora Karin.

Jornal Hoje Centro Sul- Mas como acontece isso?

Golpista - Eu vou lhe passar todo o procedimento como a senhora recebe a premiação se a senhora tiver alguma dúvida, a senhora pode estar me perguntando. A senhora recebe esse valor de 20 mil ainda hoje, através dos bancos que estão patrocinando a promoção: a Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil, Bradesco e Banco Itaú.”

2ª ligação

(...)

Golpista - O seu sobrinho tem que ir. A senhora não vai me passar nenhum dados pessoais da conta do seu sobrinho. Quando seu sobrinho chegar, a senhora vai a qualquer caixa eletrônico do banco, pode ser os de 24h. Chegando lá, a senhora presta atenção, a senhora vai retornar a ligação, eu vou autorizar a senhora tirar dois extratos da conta do seu sobrinho. Quando a senhora tirar o primeiro extrato, a senhora vai me repassar o horário, a data e o número do terminal. Automaticamente a gente identifica a sua agência e conta. No segundo extrato que a gente autorizar a senhora a registrar, a senhora comemora e agradece a Deus. O segundo extrato vai vir totalmente diferente do primeiro, vai vir com símbolo da promoção no valor de 20 mil reais creditado na conta do seu sobrinho.

Jornal Hoje Centro Sul-  Por que eu preciso do extrato?

Golpista - Pra gente fazer a identificação da conta e da agência dele. A senhora não pode passar nenhum dados pessoais, entendeu agora? A senhora vai fazer o procedimento em linha. Tudo bem?

Jornal Hoje Centro Sul-  - Ok tá bom

G - Avise seu sobrinho que ele não vai passar nenhum dado pessoal da conta dele

3ª Ligação

[Mudamos o banco e informamos que quem realizará os passos será a esposa do sobrinho]

Golpista - Pronto senhora Janaína, preste bastante atenção. Para fazer a transição de 20 mil para sua conta a senhora vai fazer a soma de 20 mil com o saldo disponível, se tiver, ou então o saldo negativo. Faça aí a soma.

Jornal Hoje Centro Sul - Vai ficar R$ 2.1123,73

(...)

Golpista - Vai ser preciso a senhora digitar ela[a senha] aí. Vamos imprimir o seu comprovante agora ok? Insira seu cartão e leia todas as opções que está no caixa. A senhora vai receber o translado de transferência do Banco Central para sua conta.

Jornal Hoje Centro Sul - Translado de transferência?

Golpista – É. Leia todas as opções.

(...)Jornal Hoje Centro Sul - Outros, cartão de crédito, transferência...

Golpista - A senhora confirma aí transferência.

Jornal Hoje Centro Sul - Isso. Transferência. O que é pra fazer?

Golpista - Confirme transferência. E agora o que aconteceu?

Jornal Hoje Centro Sul - Mas eu não digitei nenhum número para confirmar transferência

Golpista - Não senhora, a senhora confirme transferência e o que aparece?

Jornal Hoje Centro Sul - Aparece para digitar o valor

Golpista - A senhora não está num caixa eletrônico. Isso não é uma brincadeira.

Jornal Hoje Centro Sul - Estou no caixa eletrônico, como não estou no caixa eletrônico?

Golpista - Está não, senhora.

Jornal Hoje Centro Sul - Você falou que é só passar o número do terminal que ia entrar na minha conta

Golpista - [já num tom de voz acima do normal] Mas a senhora vai receber uma transferência holográfica do Banco Central.

Jornal Hoje Centro Sul - Holográfica? O que é uma transferência holográfica?

Golpista - Desliga o telefone.

Texto: Karin Franco/Hoje Centro Sul

Fotos: Jaqueline Lopes/Hoje Centro Sul

Galeria de Fotos