facebooktwitterinstagramgoogle+
Edição 1010 - Já nas bancas!
24/07/2017

Editorial - Fique alerta

Editorial - Fique alerta

O primeiro alerta feito pelas autoridades em segurança pública quando se fala sobre golpes que são aplicados por estelionatários é que as pessoas não passem informações pessoais como CPF, RG, endereço e dados bancários. Recentemente,  os próprios golpistas têm se utilizado disso, afirmando que não é necessário passar informações pessoais, mas induzindo as vítimas ao erro e ao prejuízo.

Uma mensagem de texto é enviada para o celular da vítima dizendo que ela acaba de ganhar o prêmio semanal da Mega Bolada 2017 e dando um número de telefone com DDD do Ceará e uma suposta senha.

Ao ligar, uma voz masculina com um leve sotaque nordestino atende fingindo ser um atendente da Tim, do Setor de Premiações. Ele pede para que a pessoa fale o número da senha disponibilizada na mensagem.  Depois, o golpista pede que o “ganhador” vá ao caixa eletrônico do banco em que possui conta e tire um extrato. O golpista solicita que a pessoa some o valor de 20 mil com o saldo da conta, seja ele positivo ou negativo. A intenção neste momento é descobrir o quanto a vítima tem em dinheiro.

Depois vai indicando as opções para que a vítima, caso não possua muitos conhecimentos sobre como funciona o sistema bancário, faça a transferência para a conta indicada. Não ocorrem ameaças, nem intimidação. São utilizadas expressões como “translado de transferência” e “transferência holográfica” a ser feita pelo Banco Central para dar a impressão a alguém de menor nível de instrução de que seriam termos técnicos.  

A falta de informações e o desejo de obter um prêmio podem trazer grandes prejuízos. Sobretudo às pessoas idosas, que costumam ter dinheiro guardado para o caso de uma necessidade e que não são perspicazes com o uso da tecnologia. De acordo com a polícia civil, são os idosos as maiores vítimas dos crimes de estelionato cometidos através da internet ou do telefone.

E os criminosos conhecem as limitações da atuação policial, circunscrita a seu estado. Para agir em outro estado, precisa acionar a polícia daquele estado. Por isso, o número do Ceará tentando aplicar um golpe no Paraná. Outra possibilidade é de que este tipo de ligação parta de um presídio. O controle da propriedade dos chips de telefonia móvel é falho e este é outro aspecto que os golpistas sabem.

Então, duvide sempre e alerte familiares para que transtornos e prejuízos possam ser evitados.