facebooktwitterinstagramgoogle+
Edição 982
28/04/2017

Estoque baixo faz Hemepar de Irati procurar novos doadores de sangue

O estoque de bolsas de sangue está baixo no Hemepar de Irati; com diminuição de estoque e feriados, instituição está realizando campanhas para encontrar doadores

Estoque baixo faz Hemepar de Irati procurar novos doadores de sangue

Nas últimas semanas, o Centro de Hematologia e Hemoterapia do Paraná (Hemepar) em Irati está sofrendo com a falta de estoques de bolsas de sangue. A causa é que a quantidade de sangue doada pela população é menor do que a usada para transfusão. “Nós coletamos menos do que precisamos. Nós usamos mais do que a gente tem em estoque. A média de bolsas [de sangue] em estoque é sempre menor do que a necessidade que a gente tem”, explica a técnica em saúde Magali Salete de Camargo.

Os números do mês de março mostram um pouco do que ocorre nas coletas. A unidade de Irati tinha como meta 719 doações, vindas de todos os municípios da 4ª Regional de Saúde. No entanto, foram realizadas apenas 173 doações, enquanto no mesmo período ocorreram 126 transfusões. Mesmo que o número total de transfusões seja um pouco menor que as doações, é no momento que analisamos os números por município que a defasagem se apresenta. Em alguns municípios ocorreram mais transfusões do que doações. Um exemplo é Rebouças, onde ocorreram 21 transfusões, sendo que houve apenas 5 doações no mês de março. A meta no mês para o município era de 62 doações.

Em Irati, o cenário não é diferente. Nos meses de janeiro e fevereiro, o município teve mais transfusões do que doações. Em janeiro deste ano, onde a meta era de 250 doações, apenas 49 pessoas doaram sangue, sendo que o número de transfusão foi de 122. Em fevereiro, o número de doações começou a aumentar, mas de uma forma tímida. Ainda com a meta de 250 doações, o município teve apenas 51 doações, sendo que realizou 63 transfusões no mesmo período. Em março, os números começaram a mudar, pois houve redução da quantidade de transfusões em Irati. Ao todo, foram 66 doações e 53 transfusões ocorridas.

Mesmo com essa mudança, os estoques ainda ficaram baixos no mês de abril. Segundo a chefe da unidade de coleta e transfusão de sangue de Irati, Emilinha Zarpellon, a preocupação cresceu por causa dos feriados, que podem exigir grandes quantidades de bolsas de sangue caso ocorram acidentes. Durante a última semana, foram 53 doadores. “Ainda é pouco. A gente teria que coletar na base de 150”, conta Emilinha. “Não chegou a esvaziar [os estoques] porque nós tínhamos conseguido fazer umas coletas melhores na semana anterior e caso chegue a esvaziar, a gente pega emprestado”, explica.

Magali explica que a dificuldade está em ter doadores espontâneos, aqueles doadores que vão doar sem saber para onde vai o material coletado. Grande parte dos doadores é para a reposição de quem já utilizou alguma bolsa de sangue. Com isso, a bolsa de sangue que poderia ficar na unidade, precisa ser transferida para o local onde está o paciente. Por exemplo, se uma pessoa utilizou sangue em Curitiba e alguém em Irati vem doar para repor essa bolsa, o sangue coletado em Irati é enviado para a capital. “Dos 53 doadores, dez praticamente foram para reposição para quem já tinha usado. Na verdade, 43 foram espontâneos. Nós precisamos de doações voluntárias, que vai ficar aqui em Irati o sangue”, disse.

O bioquímico Luciano Ferreira da Silva explica que os estoques estão sempre no limite. “Sempre trabalhamos com o estoque, ou no limite, ou abaixo do limite. A gente não deixa faltar, sempre vai atrás das unidades que dispõem desse sangue”, disse.

No entanto, mesmo com a possibilidade de pegar bolsas de sangue emprestadas de outras unidades do Paraná, o Hemepar em Irati precisa também contribuir com o estoque do estado. “Irati tem que sobressair. Tem que melhorar em nível de estado para ajudar na rede Hemepar, tem que ajudar contribuindo em 33%”, disse Emilinha.

Com as doações reduzidas e com a aproximação de feriados, o Hemepar de Irati realizou campanhas. A campanha surtiu efeito, e na segunda-feira (24), após o feriado de Tiradentes, a unidade recebeu 17 doações.

“Nós estamos começando a fazer um trabalho com os doadores que a gente já sabe que são doadores com frequência, principalmente os doadores com RH negativo, que são os mais raros e que sempre tem baixo estoque”, conta o bioquímico. Um exemplo foi na segunda-feira, em que mesmo com as doações, o Hemepar de Irati não possuía nenhuma bolsa para sangue do tipo A negativo.

Além da falta de doadores, outro problema aparece. A estrutura do local onde está o Hemepar em Irati, permite que sejam atendidas apenas 25 pessoas por dia. “A estrutura física não dá para mais porque foi construído a fluxo contínuo, não para vir muita gente de uma vez só”, explica Emilinha. Ao mesmo tempo, a equipe é reduzida. Com apenas uma médica, as coletas são realizadas apenas à tarde. A Santa Casa de Irati, juntamente com o Consórcio Intermunicipal de Saúde, também ajudam com a disponibilização de um bioquímico e uma técnica em enfermagem. O Governo do Estado, que é quem disponibiliza a maior parte dos funcionários, ainda não chamou mais médicos para que a unidade colete durante todo o dia.

Mesmo com as dificuldades, a equipe segue na intenção de ter novos doadores. “O objetivo é procurar novos doadores e fidelizar o doador. Tornar uma coisa rotineira. E isso só vai acontecer quando se tornar uma cultura na população”, explica Magali.

“Numa doação de sangue as pessoas geralmente vem doar quando é para alguém conhecido ou quando é para alguém da família. E esse sentimento de altruísmo, de você doar seu sangue sem saber para quem vai, amanhã ou depois, pode ser você, alguém da tua casa que vai precisar. É aquela velha máxima você fazer paros outros aquilo que você gostaria de fazer pra você”, disse o bioquímico Luciano.

Para doar é necessário:

- ter entre 18 a 69 anos;

- ser saudável;

- não usar medicamento controlado;

- pesar mais de 50 kg;

- não estar de jejum;

- estar com um documento oficial com foto em mãos;

- Mulheres podem doar com intervalo de 90 dias entre doações; podendo doar até 4 vezes durante 12 meses;

-Homens podem doar em um intervalo de 60 dias entre doações; podendo doar até quatro vezes durante 12 meses.

Onde doar:

O Hemepar de Irati está localizado na Rua Coronel Grácia, 761, centro. O período de atendimento é de segunda-feira a sexta-feira, das 13h às 16h. Quem desejar doar é indicado que chegue um pouco mais cedo, já que o procedimento demora em torno de 40 minutos. O Hemepar de Irati também atende empresas aos sábados, através de agendamento, contudo para isso é necessário ter 50 doadores. O telefone é (42) 3422-3119 ou (42) 3423-2400.

Texto/Fotos: Karin Franco/Hoje Centro Sul

Galeria de Fotos