facebooktwitterinstagramgoogle+
Edição 996 - Já nas bancas!
19/08/2016

Revista em quadrinhos reúne contos de assombração da região

Revista em quadrinhos reúne contos de assombração da região

Uma revista em quadrinhos reunindo histórias de mistério e assombração da região sudeste do Paraná. Essa foi a ideia do professor de artes, Laércio Soares da Silva, de Rio Azul, que lançou um projeto experimental reunindo quatro contos curtos em uma revista de 32 páginas.

Ele conta que a ideia surgiu por volta dos anos 2000. “O projeto nasceu a partir de um trabalho realizado pela professora de Língua Portuguesa Eugênia Osatchuk no Colégio Nossa Senhora Aparecida em Rio Azul, por volta de 2000, 2001, na época os alunos coletaram histórias de assombração da região e elas foram registradas. Em 2014 tive a oportunidade de trabalhar brevemente em uma publicação impressa, durante este tempo percebi que a ideia era viável devido a aceitação que minha coluna sobre estes contos tinha perante o público. Estes fatores foram essenciais para que eu decidisse tirar o projeto da gaveta e iniciar os trabalhos”, relata.

Os quadrinhos reúnem histórias conhecidas na região, principalmente de forma oral. Entre as histórias está a do “Fantasma da Noiva”, que aparece em rodovias. “Existem em várias regiões e até em outros estados, coincidentemente os fatos são muito parecidos com alguns elementos regionais adicionados a ela”, conta Laércio.

O professor revela que a elaboração dos quadrinhos durou quase um ano. “Entre coletar os contos, ilustrá-los, trabalhar nos textos e diagramação, foram mais ou menos 10 meses a um ano de trabalho. A editora recebeu eles praticamente prontos, ficando apenas com o trabalho da impressão dos mesmos, que também só foi possível devido ao bom trabalho da Secretaria de Cultura de Rio Azul na pessoa da Sandra Romanhuk Nós, a qual prontamente me atendeu quando soube do projeto e tornou viável sua publicação, custeando a editora”, disse.

De acordo com Laércio, os quadrinhos podem ser lidos por todas as idades. “Tomei cuidado em algumas cenas para não deixá-las explícitas demais no que se refere à violência, tornando possível a leitura por todas as faixas etárias”, conta.

Ele ainda revela que a repercussão dos quadrinhos na região o surpreendeu e o ajudou a pensar nas próximas edições. “Quando lancei, minha expectativa era de ter um bom retorno, porém me surpreendi com a recepção positiva do público, fazendo com que eu já esteja trabalhando em uma segunda edição maior e mais complexa”, disse.

A revista em quadrinhos pode ser encontrada diretamente com o autor em Rio Azul, além de estar disponível no Sebo Centenário em Irati. Laércio ainda deve vender os quadrinhos em eventos culturais que ainda serão confirmados e divulgados.

Texto: Karin Franco/Hoje Centro Sul

Fotos: Laércio Soares da Silva/Divulgação

Galeria de Fotos