facebooktwitterinstagramgoogle+
Edição 1010 - Já nas bancas!
11/07/2016

Beltane comemora 20 anos com show no aniversário de Irati

Show da banda iratiense de heavy metal Beltane será no Dia Mundial do Rock comemorado na quarta-feira (13), na Rua da Cidadania, às 20h

Beltane comemora 20 anos com show no aniversário de Irati

Um show gratuito dentro da programação de aniversário de Irati irá comemorar os 20 anos da banda de heavy metal Beltane. O show acontece na quarta-feira, 13, data em que é comemorado o Dia Mundial do Rock. O evento será  na Rua da Cidadania, às 20h, mas o público já pode se reunir no local a partir das 18h.

Fundada em 15 de julho de 1996, a banda já passou por diversas formações ao longo dos anos. O único membro que continua desde o início é o vocalista Marco Bührer. Completa a atual formação o baixista Claiton Langner, o baterista Marcelo Ferrasa e o guitarrista Arthur Pöttker, que participou da primeira formação, mas que saiu em 2000, voltando à banda no começo de 2015. Tocando um heavy metal tradicional, a banda é influenciada por bandas como Black Sabbath, Rush, Judas Priest, Metallica e Saxon.

A banda já lançou dois álbuns e está em fase de gravação do terceiro álbum, com lançamento previsto para o primeiro semestre de 2017. “A gente está com o CD prontinho para ser gravado. São 12 músicas que vão abordar a cultura grega. Vamos falar sobre os 12 deuses do Olimpo”, revelou o baixista Claiton Langner. “Já foram gravadas as linhas de baterias e algumas guitarras”, disse.

No show de quarta-feira, o público poderá conferir materiais inéditos que estarão no próximo álbum. “A gente vai abordar músicas do primeiro álbum, do segundo álbum, e do álbum que está por vir, além de clássicos do heavy metal internacional”, conta Claiton. O show será dividido em duas partes de cerca de uma hora cada e contará com sorteio de brindes.

Para o baixista, o rock ainda está vivo e possui uma cena que vem crescendo na região. “A gente pode encontrar alguns focos, algumas tribos, mais voltado para uma cena underground. (...) Eu acredito que o movimento vem crescendo, as pessoas que acabam gostando do estilo, elas permanecem dentro dessa cena, é uma coisa viável para a região e para o município porque diversifica a cultura”, conta. 

Texto: Karin Franco/Hoje Centro Sul

Foto: Divulgação