facebooktwitterinstagramgoogle+
Edição 1149 - Já nas bancas!
09/07/2019

Ideias inovadoras já têm o apoio da Incubadora de Negócios de Irati, que inaugurou sua nova sede

Ideias inovadoras já têm o apoio da Incubadora de Negócios de Irati, que inaugurou sua nova sede

Na quarta-feira (03) foi inaugurada a sede da Incubadora de Negócios Irati (Ineti). Localizado no terceiro piso do prédio principal da Unicentro em Irati, o projeto visa ajudar a gerar micro e pequenas empresas que possuam ideias inovadoras.

A diretora executiva da Ineti, professora Adriana Queiroz Silva, comentou que o novo espaço ajudará a melhorar o atendimento aos projetos apoiados. “Agora os treinamentos acontecem dentro da incubadora. Os projetos incubados residentes que precisam de um espaço físico nós temos as nossas salas para estar atendendo. Tudo estará acontecendo”, disse.

O prefeito de Irati, Jorge Derbli, destaca a diferença que o novo espaço irá proporcionar aos negócios. “Existia uma incubadora, mas nós tínhamos no barracão na BR 277, simplesmente era um barracão com alguns espaços, alguns box, para que novas empresas se instalassem. Era uma questão física que existia, não tinha o apoio, não tinha um ensino, uma tecnologia, não tinham ideias, era um barracão. Você monta sua empresa e vire-se. Hoje não. A Incubadora de Negócios de Irati, essa parceria público-privada, entre município, entre a Unicentro, entre as empresas. Porque daqui vão sair as ideias, as sugestões, projetos, a inovação, aonde numa sala própria, as pessoas poderão conversar, trocar uma ideia, montar uma rede, ver o melhor negócio”, disse.

O secretário de Desenvolvimento Econômico, Emiliano Augusto Rocha Gomes, destacou que o trabalho da Incubadora, vem de encontro aos objetivos do município, que quer apostar em tecnologia. Ele citou o trabalho da empresa BSoft, de Imbituva, que hoje já emprega 150 pessoas. “As cidades que estão apostando em tecnologia, elas estão tendo desenvolvimento numa curta escala de tempo, e isso vem fazendo com que alavanque a cidade e a região que estão praticando aquelas ideias, porque entendemos porque quando é focada a atenção no desenvolvimento tecnológico, os potenciais de tecnologia em curto período de tempo podem fazer com que mudem a estrutura de uma cidade”, conta.

Projetos

Fazer as compras de supermercado através do celular, encomendar produtos personalizados para uma festa através de uma plataforma, e ter orientações para conseguir participar de licitações públicas são algumas das propostas que estão em fase de pré-incubação na Incubadora de Negócios Irati (Ineti).

Ao todo, cinco projetos estão em pré-incubação. “São chamados de pré-incubados porque são ideias ainda. Chamamos de processo de ideação. É verificar se essa ideia tem viabilidade ou então essa ideia vai virar outra ideia para verificar a viabilidade”, explica a professora Adriana.

Durante esta fase, os pré-incubados recebem apoios, consultoria, indicações e treinamentos para desenvolver o negócio. Um desses projetos é de Eurique Zaias, de Prudentópolis, que iniciou a incubação no início do ano. “É uma plataforma para intermediação de produtos personalizados, dessa forma o cliente vai poder, a partir de um aplicativo, escolher qual o produto, qual estampa ele vai querer receber em sua casa, como xícaras, camisetas, aquele brinde que você ganha, tudo isso vai ser possível dentro da plataforma”, conta.

Atualmente, o projeto está na validação do modelo de negócio e do mercado, e ele conta que a trajetória na Incubadora já foi de desafios. “Teve dias que eu saí extremamente extasiado aqui de dentro e com uma vontade enorme de empreender, teve dias que eu saí bem para baixo. São coisas que acontecem na vida de qualquer empreendedor, que às vezes alguma coisa não dá certo, mas a Ineti tem todo o poderio para fornecer para a gente, para desenvolver a ideia de forma correta, evitar os problemas que muitos empreendedores têm”, disse.

Outro projeto é de Guilherme Turczyn, de Irati, que tem desenvolvido um modo para as pessoas fazerem suas compras pessoais online. “É um e-commerce de produtos alimentícios, material de limpeza e higiene, ou seja, é um supermercado. Você entra, faz as compras de mês e semanal, e escolhe duas opções no final: entrega ou passar pegar. Se escolher entrega, tem a taxa de entrega, se você passar pegar, não tem custo nenhum”, disse.

O projeto também está na fase de validação e ele está testando a viabilidade. “Temos que entregar esse serviço da maneira mais barata possível. Recebemos listas de compra no WhatsApp, fazemos a compra, entregamos na casa do cliente e cobramos uma taxa de 8% a 10%. Estamos ainda estudando o que fica melhor para o cliente”, conta.

O teste iniciou nesta semana e as dificuldades apareceram, mas ajudaram a aprimorar o serviço. “Eu fiz as três primeiras compras na segunda-feira (01). O pessoal curtiu, foi um feedback incrível, realmente eles comprariam de novo e estão dando muita sugestão. O que poderia fazer diferente nessa parte da validação são opções de produto. Eles estão dando duas ou três opções e isso vai contribuindo porque eu cheguei no mercado: ‘Poxa! Mas não tem esse. O que eu faço?’. Aí tinha que entrar em contato com o cliente e falar: ‘Olha, só tem essa marca. Pode ser?’. Estamos pedindo que eles deem de dois a três opções de produtos”, relata.

Glenda Elisa Bona também possui um projeto na Incubadora. “É um projeto para fazer consultoria para empresas que desejam participar de licitação, aquelas empresas que querem vender para órgãos públicos, para prefeitura, mas elas têm dificuldade, não sabem como fazer, acham muito difícil e burocrático ou não tem conhecimento. Vamos fazer assessoria para essas empresas”, conta.

O projeto também está sendo testado. “Como não precisa de um investimento tão grande, vimos que o projeto aqui para região realmente é viável e que tem público mesmo”, disse.

Para todos os participantes, a experiência tem sido positiva. Contudo, ressaltam o trabalho que o participante precisa ter. “Só vai dar certo se você realmente estiver disposto a colocar a camisa do teu negócio e sair pra rua”, conta Guilherme.

Como participar

O projeto é voltado para pessoas que possuem uma ideia de negócio inovador, ainda não desenvolvido, ou um pequeno empreendimento de até um ano, que tenha uma ideia inovadora.

A inscrição é aberta permanentemente e a pessoa passará por um processo de seleção que avalia se a ideia se encaixa na proposta da Ineti.

Para participar, é preciso entrar no site da organização (https://www3.unicentro.br/ineti) e preencher o formulário disponibilizado na opção “Sumário Executivo”. No formulário, a empresa irá se apresentar com seus dados e também trazer mais informações sobre o projeto que desenvolve. Após isso, é preciso enviar o formulário para a incubadora através do e-mail incubadora@irati.unicentro.br.

A proposta será analisada e a equipe da Ineti entrará em contato. Após isso, o inscrito participa de uma banca avaliadora que verá uma apresentação do projeto. Além de ser aprovada, a empresa também terá um investimento mensal para participar do projeto. A mensalidade para a pré-incubação é de R$ 80, a incubação residente R$ 150 e a incubação não residente, R$ 100.

Texto: Karin Franco

Fotos: Jonas Stefanechen/Hoje Centro Sul

Galeria de Fotos