facebooktwitterinstagramgoogle+
Edição 1149 - Já nas bancas!
26/04/2019

Empresas assumem o cuidado das rotatórias de Irati e os resultados surpreendem

Empresas assumem o cuidado das rotatórias de Irati e os resultados surpreendem

As rotatórias de Irati ganharam um charme a mais nos últimos meses, com flores coloridas e constante manutenção dos gramados.

A mudança é resultado da implantaçãodo programa Flor-A-Ti pela prefeitura de Irati,há seis meses, quando empresas começaram a adotar rotatórias e espaços públicos,  tornando-se responsáveis pela manutenção dos locais.

Uma dessas empresas é o Posto Isa, que aceitou o convite da empresa PZ Refrigeração, para atuar em parceria na manutenção da rotatória localizada em frente às empresas. “Entramos em um consenso. Cada um cuida um pouco. Por exemplo, um cuida da grama, outro da flor”, explica o gerente do Posto Isa, Paulo Sérgio Vecelovkz.

O administrador do Posto Isa, Mário Francisco Bozza, conta a repercussão positiva da atitude. “Essa rotatória, pelos elogios que temos recebido, virou um cartão postal para nossa empresa”, disse. Ele também dedica o resultado da manutenção ao trabalho dos funcionários. “Queremos parabenizar principalmente o trabalho do Paulo, que é responsável por esse trabalho”, disse.

Paulo explica que o resultado do trabalho vem da dedicação das duas empresas. “Se é para ficar bonito, vamos deixar bonito. Se for para fazer mais ou menos, ou deixar mato, você não pega e nem faz”, afirma.

Projeto

Das 17 rotatórias disponíveis para adoção, apenas três ainda precisam ser adotadas. Dessas três, duas ainda estão em negociação.

A assessora para assuntos de Educação Ambiental e Gestão de Resíduos da Secretaria Municipal de Ecologia e Meio Ambiente, Mara Parlow, destacou que a participação das empresas no projeto tem surpreendido. Principalmente porque,no início, a pasta realizou as visitas aos empresários para apresentar o projeto, e agora, são eles que procuram.

“Especialmente nesse ano, por conta de várias já estarem adotadas, começa a aparecer mais. É um projeto que começa aparecer na cidade, então temos recebido propostas, empresas, entidades, pessoas jurídicas, têm vindo ao encontro do projeto.Eu suspeitava que iria acontecer, mas não imaginava que ia ser tão satisfatório. Nós nos gratificamos porque até disputa por rotatória está acontecendo”, conta.

O decreto que regulamenta o projeto também menciona outros espaços públicos, como parques e canteiros. Por isso, a intenção é expandir o projeto e um dos primeiros lugares poderá ser um trecho da Rua da Liberdade, pois um empresário já se disponibilizou a cuidar.

Notificação

Apesar do resultado positivo de várias empresas, há algumas rotatórias onde os adotantes ainda não realizaram a manutenção.

Por isso, a decisão é de notificar os empresários para que façam a manutenção. “No transcurso de alguns meses nós estamos encaminhando uma notificação, com um prazo para que esses  adotantes se manifestem. Se de fato vão adotar a manutenção ou se desistem. Havendo desistência, é preciso manifestar por escrito, precisa estar arquivado”, relata.

As rotatórias que tiverem desistência poderão ser remanejadas para outras empresas interessadas em adotar.

Implantação

A implantação do projeto foi positiva com a maioria dos empresários, que entenderam as regras do projeto de adoção. Entretanto, a implantação contou com situações onde o projeto acabou não sendo bem compreendido.

Uma delas foi com um empresário que gostaria de usar a rotatória como um meio de divulgação de sua empresa, através de diversas placas de promoção. No entanto, o processo de adoção permite apenas uma pequena placa com o logo da empresa, de forma que não tenha uma poluição visual e não atrapalhe o trânsito. “Todo esse exercício tu vai vendo como as pessoas compreendem, como as pessoas entendem o que é coletivo e público”, disse Mara.

População

A colaboração da população na manutenção do trabalho feito nas rotatórias também foi elogiada. “Nós temíamos, e alguns adotantes tinham um pouco de receio, que a população iria estragar, tirar as flores. Não está acontecendo. Parabéns para Irati! Parabéns para nós! A população não está depredando, não está arrancando flores, então está bacana”, conta Mara.

A preservação também é vista pelas empresas. “Uma coisa que notamos é que não houve vandalismo na rotatória, observamos que não há pessoas pisando. Acredito que veem que está limpo”, destaca Mário Francisco Bozza.

A representante da Secretaria de Meio Ambiente ainda destaca a motivação da população em preservar. “É uma população interessada em participar. Se vamos encontrando, como cidade, os caminhos, temos uma cidade bem melhor. Não depende de poder público ou só de iniciativa privada. É um conjunto de fatores. Mas se você cria caminhos - na questão de resíduos, nós vemos o pessoal querendo fazer a separação -, e na questão do Flor-A-Ti, as pessoas querem adotar, querem cuidar. Eu vejo que a população corresponde”, explica.

Conscientização

O administrador do Posto Isa conta que recomenda que todas as empresas participem de projetos como esse. “Todas as empresas adotem uma rotatória para deixar a empresa mais limpa. Isso é prazeroso para quem mora aqui e para quem visita a cidade que vê uma cidade mais limpa e ordeira”, conta.

Mara explica queainda é preciso um tempo para que a cidade fique mais florida, especialmente por causa do clima que exige um trabalho maior. Mas a realização do projeto tem ajudado a conscientizar. “A beleza pega mais do que a repressão. O embelezamento toca mais, ainda que algum no meio não se deixe tocar por isso, mas acredito muito numa cidade onde o belo vai funcionar muito mais para a convivência do que os aspectos repressivos”, defende.

Projeto Flor-A-Ti

Para participar do projeto, a empresa precisa apresentar à Secretaria Municipal de Ecologia e Meio Ambiente um projeto de paisagismo do espaço público que será adotado.

O projeto permite apenas a manutenção e a realização de paisagismo. Não são permitidas construções civis. O projeto pode ser apresentado por uma ou mais empresas.

Em troca, a empresa poderá colocar uma placa em tamanho regulamentado pela lei, onde haverá o logo do projeto e da empresa adotante. Não serão permitidas mais placas além do disposto na lei para evitarpoluição visual e não prejudicar o trânsito.

Em espaços públicos maiores, como parques, é preciso que o projeto siga as orientações da Secretaria. “Nós temos um regramento no projeto todo. Não é para descaracterizar a flora e a fauna da cidade. Antes pelo contrário, onde não pudermos, nós vamos acompanhar e interagir para que não ocorra”, disse Mara Parlow.

Texto: Karin Franco/Hoje Centro Sul

 

 

Galeria de Fotos