facebooktwitterinstagramgoogle+
Edição 1003 - Já nas bancas!
23/11/2015

Arroio dos Pereira recebe enxurradas vindas das áreas altas da cidade e alagamentos ocorrem

"Resolver o problema da enchente é o maior desafio que Irati já viveu. Maior até do se tornar município", define o secretário municipal de Arquitetura, Engenharia e Urbanismo, Sandro Podegurski.

Arroio dos Pereira recebe enxurradas vindas das áreas altas da cidade e alagamentos ocorrem

Chuvas intensas em curtos períodos de tempo têm ocorrido em Irati e provocado pontos de alagamento na área central e nos bairros da cidade. De acordo com o Sistema Meteorológico do Paraná, Simepar, choveu 19,2 milímetros entre as 15h e as 16h de sábado (14) e 39,6 milímetros na tarde e noite de segunda-feira (16), com maior concentração de chuvas entre as 17h e as 18h30. Nos dois dias, o grande volume de água formou enxurradas e desceu da área mais alta da cidade em direção ao centro. Galhos, entulhos e terra foram trazidos para as galerias e para o Arroio dos Pereiras, o que ocasionou pontos de alagamento.    

Assim que a água  começou a se acumular nas ruas, moradores e comerciantes interditaram  alguns dos trechos com seus próprios carros e com cavaletes. O objetivo? Evitar que curiosos começassem a circular pelas áreas alagadas, provocando ondas que invadissem casas e estabelecimentos comerciais.

Uma cena marcante ocorreu, na segunda-feira, na rua Carlos Thoms esquina com a Munhoz da Rocha, quando os proprietários de uma empresa de pisos, divisórias e decorações e de uma panificadora se posicionaram em frente a um caminhão que tentava passar pelo ponto de alagamento - não havia nenhum obstáculo interditando o trânsito na rua Carlos Thoms naquele momento. O caminhoneiro não entendia o motivo da exaltação dos empresários e observava que era possível atravessar. Momentos de tensão ocorreram, até que o caminhão desistiu de passar e  danos aos estabelecimentos comerciais foram minimizados. 

"Resolver o problema da enchente é o maior desafio que Irati já viveu. Maior até do se tornar município", define o secretário municipal de Arquitetura, Engenharia e Urbanismo, Sandro Podegurski. Ele ressalta que fenômenos climáticos como o La Niña preveem grandes volumes de chuvas, concentrados em curtos períodos de tempo, até o mês de maio de 2016. Cita o estrangulamento do Arroio dos Pereiras, que tem uma caixa pequena para a vazão das águas e destaca que não existe um estudo técnico que indique como as águas que descem dos novos loteamentos contribuem para a ocorrência de alagamentos.

"O que podíamos fazer, de imediato, foi feito: a dragagem. Se tivessem ocorridos estas chuvas antes da dragagem, seria muito pior. A dragagem deu mais vazão ao rio, se não se repetiria a situação de 2014", acredita Podegurski.

Apesar dos pontos de alagamentos em ruas e terrenos da cidade e da tensão dos moradores, os relatórios do Corpo de Bombeiros de Irati não registraram nenhuma ocorrência de atendimento a vítimas de alagamento  nem no sábado (14) e nem na segunda-feira (16).

O prefeito municipal de Irati, Odilon Burgath, conta que percorreu, ainda no sábado, os principais locais onde aconteceram problemas e que constatou que havia boa vazão de água em grande parte das galerias. Entretanto, na área central, as galerias são antigas e as enxurradas trazem  terra e entulhos. "Um funcionário, do pátio de máquinas, percorrerá novamente as galerias e faremos a limpeza onde houver necessidade",  afirma Burgath.

Quanto ao Arroio dos Pereiras, o prefeito explica que devido às diversas construções nas proximidades das margens, não é possível realizar um trabalho de dragagem, utilizando máquinas, como foi feito no Rio das Antas.  E este Arroio possui uma caixa muito estreita e não suportas as chuvas torrenciais e as águas vindas dos loteamentos da área mais alta da cidade.

A interferência na largura do Arroio dos Pereiras exigiria projetos de longo prazo,  com intervenções em prédios residenciais e comerciais para a execução dos serviços, além de alto investimento. "Seria uma obra muito grande no cenário urbano de Irati", finaliza Burgath, acrescentando que há um plano de macrodrenagem sendo pensado pela Secretaria de Engenharia.

O secretário Sandro Podegurski explica que se trata de um esboço do Plano Diretor de Drenagem Urbana. "É um plano de longo prazo, de 30 a 40 anos para implantar. E ele define como vai ser a drenagem ao longo dos anos, soluções para os problemas existentes ou alternativas para não deixar que os problemas se agravem", comenta.  A completa elaboração do plano demandaria recursos elevados, segundo Podegurski.

Pontos de alagamento

Os principais bairros atingidos pela enxurrada, onde ocorreu a formação de pontos de alagamento foram Lagoa, Vila São João, Nossa Senhora da Luz e Rio Bonito. Na região central, foram afetadas as ruas Munhoz da Rocha, Carlos Thoms, 24 de maio, Alfredo Bufrem, Conselheiro Zacarias e Trajano Grácia.

A enxurrada também trouxe bastante terra dos loteamentos mais altos para a BR 153, nas proximidades da Associação da Copel. Houve dificuldade para o trânsito de veículos no local, durante os momentos das fortes chuvas tanto no sábado, como na segunda-feira. Em outro trecho da BR 153 até mesmo um acidente, uma colisão de pequenas proporções entre dois veículos, ocorreu na segunda-feira numa das ruas de acesso ao bairro Alto da Gloria.

O estádio Fioravante Slaviero, pertencente ao Clube Atlético União Olímpico, e o Estádio Coronel Emílio Gomes, pertencente ao Irati Sport Club, tiveram seus campos afetados por grande quantidade de água. Com isso, no sábado, foram canceladas as partidas dos campeonatos Varzeano e Veteranos.

Também foi cancelado o desfile cívico que estava programado para o dia 15, em virtude da previsão de chuva, o que não se confirmou.

Ainda houve falta de energia elétrica e de água em alguns bairros de Irati na tarde de sábado. 

Dragagem

Muitos iratienses questionam a eficácia da dragagem do Rio das Antas, realizada pela Prefeitura Municipal de Irati, após a formação de  pontos de alagamento na cidade.

"Nas regiões já dragadas não houve transbordo do Rio das Antas, entretanto, a terra trazida do alto da cidade, acabou por deflagrar problemas no Arroio dos Pereira", informou oficialmente a Prefeitura Municipal de Irati, em nota, através de sua Assessoria de Comunicação.

Durante a tarde de segunda-feira, a equipe do Jornal Hoje Centro Sul percorreu alguns locais nas  proximidades do Rio da Antas e registrou os moradores observando o rio, que não chegou à altura das pontes.

Loteamentos

O secretário municipal de Arquitetura, Engenharia e Urbanismo, Sandro Podegurski, relata que várias equipes estão vistoriando a situação dos loteamentos existentes na cidade. Está sendo solicita aos proprietários dos loteamentos, toda a documentação de drenagem já apresentada aos órgãos competentes. Caso alguma irregularidade seja constatada, os responsáveis serão notificados. 

No momento da construção de residências nos novos loteamentos, obras obrigatórias de contenção estão previstas por lei municipal e quem não as realizar poderá ser multado. "A Prefeitura seguirá novamente verificando as situações das obras e tomará todas as medidas cabíveis para o cumprimento", destaca Podegurski.

 

Letícia Torres/Hoje Centro Sul

Galeria de Fotos