facebooktwitterinstagramgoogle+
Edição 1099 - Já nas bancas!
06/02/2018

Associação em Irati produz sabão ecológico com óleo de cozinha usado

Associação em Irati produz sabão ecológico com óleo de cozinha usado

A Associação de Mulheres Artesãs de Engenheiro Gutierrez (AMASEG) de Irati produz sabão ecológico em barra e líquido, reaproveitando o óleo de cozinha usado, o óleo de fritura comum.

Para a produção do sabão, a associação necessita da doação do óleo, e quando o resíduo está na área urbana de Irati, a associação inclusive vai retirar no local. Basta entrar em contato pelo telefone 9 9136 1026.

Oito associados trabalham na confecção dos produtos, com auxílio de estagiários, e supervisão da professora Célia Santos de Souza Pereira, e do professor Hilário Lewandowski, que é o químico responsável, todos da Unicentro (Universidade Estadual do Centro Oeste – Campus Irati).

Os pontos de venda do sabão, e que também são pontos de coleta do óleo de cozinha usado, são o Centro Comunitário do Bairro de Engenheiro Gutierrez, onde ocorre o processo de produção, a Unicentro, e a Feira de Hortifrutigranjeiros (Feira do Produtor). O sabão também é vendido na Feira Cultural, que acontece aos domingos no Parque Aquático. Cada barra de sabão, de 250 mg é vendida a R$ 3, e a embalagem de dois litros do sabão líquido sai por R$ 7.

Tripé da economia solidária e sustentabilidade

A presidente da AMASEG, Rosângela de Souza Gonçalves, explica que a fabricação do seu sabão ecológico começou há cerca de dez anos, ainda no pavilhão da igreja de Engenheiro Gutierrez. Ela comenta que o volume de produção oscila bastante, “mas se tivesse mais venda, a confecção do produto, que acontece às terças e quintas, poderia ser ampliada em mais dias”.

A professora Celia, relata que projeto em parceria com Unicentro “envolve basicamente a economia solidária, onde há a base que é chamada de ‘tripé’. Tem a questão ambiental, onde o óleo de cozinha não é descartado de maneira incorreta e é reaproveitado para fazer o sabão. Tem a questão social, que é o desenvolvimento das mulheres nas atividades da associação e tem ainda a questão da geração de renda”.

Mas o principal papel é justamente o da sustentabilidade, em que a produção vem cumprindo importante função ecológica, recolhendo o resíduo que poderia vir a comprometer o meio ambiente, e isso é revertido em recurso financeiro para a manutenção do projeto.

6 litros de óleo = 30 barras de sabão ou 45 litros de sabão líquido

Todo o processo de fabricação do sabão ecológico da AMASEG tem como químico responsável o professor Hilário Lewandowski, da Unicentro. Doutor em Química Orgânica, Lewandowski tem experiência como pesquisador na área de Química, com ênfase em Síntese Orgânica, e na área ambiental, com ênfase em Educação Ambiental.

Para ele, “a geração de renda é uma consequência do projeto, pois o grande mérito é retirar o óleo de fritura dos lares e locais onde é utilizado, e evitar que o resíduo acabe atingindo os lençóis freáticos”.

Como químico responsável, Hilário é encarregado de assegurar o controle da qualidade e do pH dos produtos fabricados. “Nosso próximo passo é quantificar quanto Irati gera deste resíduo por dia ou por mês”, comenta o professor.

As associadas trabalham no preparo dos produtos com vestimentas apropriadas, e utilizando itens de segurança, como máscaras e luvas.

Seis litros de óleo de fritura rendem cerca de 30 pedras de sabão de 250 mg, ou 45 litros de sabão líquido.

Em 2017 foram produzidas aproximadamente 3.000 pedras de sabão ecológico. Deste total, 1.000 unidades foram repassadas diretamente ao Programa Ecotroca, desenvolvido pela Prefeitura de Irati.

Texto/Foto: Assessoria PMI

Galeria de Fotos