facebooktwitterinstagramgoogle+
Edição 955 - Já nas bancas!
20/03/2017

O Engenheiro da Prefeitura e o deficiente

O Engenheiro da Prefeitura e o deficiente

Sou Engenheiro Civil. Já trabalhei em diversas prefeituras e em todas elas enfrentei dificuldades burocráticas faraônicas no exercício de minha profissão. Principalmente quando se trata de cobrar medidas de acessibilidade nos pontos comerciais. Abaixo conto uma história que aconteceu comigo em uma prefeitura. Para não ofender a ninguém, mudei um pouco os nomes e lugares e resolvi contar do jeito que certo carpinteiro judeu contava histórias, através de uma parábola:

“Em um reino muito distante, em uma pequena província se passou esta história. Fazem parte delatrês personagens: Alguém, Ninguém e Todo Mundo... Certo dia Alguém, um mísero dono de bar da cidade, foi à prefeitura retirar alvará de funcionamento. Chegando no Paço municipal, na casa suprema do povo, do bem vivido ao recém-nascido, do pobre ao nobre, lá onde Todo Mundo é bem recebido, Alguém foi levado ao protocolo e recebido por um tal de Thiberius, rapaz de nome imponente, mas de pouco conhecimento... Foi aí que Alguém falou: Thiberius, preciso retirar alvará de funcionamento do meu barzinho, quem pode me ajudar? Mais do que depressa Thiberius respondeu: aqui na Prefeitura Ninguém pode te ajudar! Ninguém era o engenheiro do município, pela mão dele passam todas as obras e vistorias em edifícios. Ninguém era simples... Tomava seu chimarrão cedo, homem temente a Deus, cumpria a lei e fazia cumprir. Chegando Alguém na sala do Ilustre engenheiro, notou que Ninguém estava na sala juntamente com um topógrafo mal encarado e com o estagiário que tomava café, que venhamos é um ótimo combustível para qualquer sala de engenharia!

Alguém logo começou: Doutor quero abrir um bar! O que devo fazer? Pois Ninguém lhe explicou! Ninguém falou sobre acessibilidade, Ninguém lhe falou sobre barras nos banheiros,Ninguém lhe falou sobre rampas e sobre corrimãos. Ninguém gostava da coisa certa, ainda mais na prefeitura! Alguém achou que era coisa demais para um simples bar... E logo remendou: Todo Mundo abriu um prédio de três andares sem ao menos uma barra no banheiro! Todo Mundo era um rico comerciante, possuía vários imóveis e terrenos no município. Preocupado com a acusação Ninguém retrucou: Mas Todo Mundo sabe que tá errado! E logo o topógrafo do canto da sala ajudou : Pois é! Todo Mundo sabe e Ninguém falou que ele estava errado!

Enfim Ninguém lamentou, Alguém foi embora sem o Alvará do bar e Todo Mundo continua com seu estabelecimento aberto e sem nenhuma barra para deficiente... Mas enfim todos foram para um restaurante, Ninguém para explicar, Alguém para lamentar e Todo Mundo para comemorar! Exceto um pobre deficiente que se sentiu um ninguém (com letra minúscula, pois agora não é personagem). Alguém poderia ter feito algo por ele, mas ninguém fez o que na verdade todo mundo poderia ter feito.”

No Brasil é difícil ser engenheiro de prefeitura! Mas conclamo aos heróicos engenheiros do sagrado Paço Municipal e os de fora dele a cumprirem a lei sem temor, pois fora dela não há salvação. Da burocracia não vou reclamar mais! Mas que fique da história apenas a lembrança do quanto é difícil para alguém com deficiência física se locomover! Prestadores de serviço ajudem! Você pode amanhã quebrar uma perna e precisar de rampas e corrimãos e se tiver a sorte de não se fraturar, terá a sorte de envelhecer e precisará de barras e rampas para lhe auxiliar na locomoção. Seja exemplo! Adapte seu estabelecimento para acolher a todos! Contrate um engenheiro! Ele te ajudará com o projeto.

Esta é uma obra de ficção e qualquer semelhança com a realidade é mera coincidência.

Ah! Querem saber o que aconteceu com o Engenheiro da prefeitura, o Ninguém? Pois Ninguém deu uma de deficiente também! Fez uma vistoria sem ver e não falou nada para não escutar nada de ninguém.  Esta história se não me engano retirei do livro: “histórias sem fim” e dedico a todos os Engenheiros de Prefeitura que, como eu, sofrem por ter a caneta cheia na mão.

Ramon Pires é engenheiro Civil, formado pela Universidade Estadual de Ponta Grossa, presidente da Associação Regional de Engenheiros Civis de Irati e ex-inspetor do CREA.

pires.eng@hotmail.com

Por Ramon Pires

 

Galeria de Fotos